terça-feira, 9 de novembro de 2010

MARINA CONTRA A VOLTA DA CPMF E A FAVOR DA REFORMA TRIBUTÁRIA

Marina Silva no seu blog critica a discussão sobre possível volta da CPMF
A senadora Marina Silva (AC), ex-candidata à Presidência da República pelo PV, criticou hoje a discussão sobre um possível retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Em seu blog, ela condena a falta de disposição dos governantes eleitos em se empenharem na reforma tributária e diz que a defesa da redução de impostos durante a campanha não passou de "retórica eleitoral". "Não se pode criar nenhum tributo, como a CPMF, sem antes melhorar a eficiência e a justiça do atual sistema tributário", complementou a senadora em seu Twitter.

Marina assume mais uma vez uma posição ética
Marina defende a regulamentação da Emenda 29 - que determina a aplicação de 10% dos impostos federais, 12% dos estaduais e 15% dos municipais em gastos com saúde - e diz que a bandeira da reforma tributária faz parte, tal qual é levada pela maioria dos políticos, de um "consenso oco". "Passados poucos dias do anúncio da nova presidente do País, vemos que a retórica eleitoral em torno dessas questões é atropelada pela baixa disposição dos governantes recém eleitos em se empenharem efetivamente pela reforma tributária e pela regulamentação da Emenda 29", critica com a costumeira sinceridade e liberdade.
Para Marina, a retomada da CPMF evita que o governo tenha de repensar o sistema tributário e que o novo tributo abre brecha para "uma artimanha fiscal". "Esse é o significado da proposta de recriação da CPMF, defendida por vários dos novos governadores e que recebeu da presidente eleita a indicação de que não oferecerá muita resistência a essa vontade", observa.
Ela argumenta que a arrecadação federal cresceu mesmo com o fim da CPMF e que não haveria razão para a volta do tributo. "A solução para a melhoria da qualidade da saúde, portanto, não se resume em arrecadar mais, mas na determinação política de destinar os recursos existentes nos orçamentos federal e estaduais para implementar um serviço que atenda às necessidades da população", conclui a ecologista e líder política e também da cidadania no Brasil, por estas e outras posições que toma.

Fonte: Yahoo

Um comentário:

  1. Mais uma vez, uma posição ética, independente, a favor do Brasil e a bem do PV também. Uma postura corretamente cidadã.

    ResponderExcluir

Translation

translation