sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

CFBio apóia luta dos ecologistas mobilizados até nas festas de fim de ano

Conselho Federal de Biologia nega que tenha aprovado novo Código Florestal

O Natal e o fim de ano não conseguiram desmobilizar o movimento ecológico e de cidadania que, nas mais variadas regiões do país e usando vários diferentes meios de expressão, estão mantendo a opinião pública em alerta sobre o risco de mudanças (para pior) no Código Florestal. Neste mesmo sentido vem a nota oficial do Conselho Federal de Biologia (CFBio), reforçando o posicionamento contrário de cientistas ambientais e de amantes da natureza do Brasil.

Sites ecológicos também se mobilizaram

Chargistas em todo país clamando por bom senso

Protesto de ambientalistas ao vivo em Brasília
Em reportagem de Sabine Righetti, da Folha de São Paulo na internet, o  CFBio (Conselho Federal de Biologia) ressaltou que em nenhum momento aprovou o relatório do deputado Aldo Rebelo (PT) sobre o novo Código Florestal Brasileiro. Acontece que o pesquisador Luis Carlos Silva de Moraes dissera antes, em matéria publicada pela mesma Folha que "o Conselho Federal de Biologia aprovou o relatório e que o texto de Rebelo acatou 70% das demandas da biologia".
Porém, em ofícios enviados a Rebelo desde 7 de dezembro, o CFBio reforçou que o substitutivo deste deputado, que está atuando em conjunto com a Bancada Ruralista, não atende as preocupações do Conselho, "pois mantém ainda o forte interesse de redução e ocupação das áreas hoje definidas como APPs [áreas de preservação permanente], a redução da reserva legal, sua compensação fora das propriedades e sua restauração com plantio de espécies exóticas", entre outros pontos negativos das mudanças que quase foram aprovadas pela Câmara Federal em uma de suas últimas sessões de 2010. Por pressão da Bancada Verde e de ecologistas, com a presença ao vivo e cobrança em Brasília de representantes de várias entidades ambientalistas, bem como com o envio de e-mails com críticas aos deputados vindos de vários regiões dfo país, o regime de urgência foi adiado e agora há a cance de o Brasil discutir melhor as eventuais mudanças.
De acordo com a nota do Conselho Federal de Biologia, o novo código, se implementado, intensificará os problemas ambientais e causará impactos severos na manutenção das reservas hídricas, na conservação da biodiversidade e no clima.
"O substitutivo do deputado Aldo Rebelo mantém a mesma linha dos PLs [projetos de lei] anteriores, ou seja; o incentivo ao avanço do desmatamento e a destruição de nosso maior patrimônio - a biodiversidade", descreve a nota do CFBio.
A proposta de Aldo Rebelo deverá ser votada no início do ano que vem. E este posicionamento técnico dos cientistas da área devem pensar na votação. Desde já há todo um movimento ligado no que vai acontecer com este projeto, a defesa do Código Florestal é de extrema importância, são as leis que protegem a última natureza que sobrevive no Brasil.

Fontes: folha.com
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

Um comentário:

  1. É realmente necessário os que lutam pela ecologia no Brasil estarem a todo tempo atentos e fortes em defesa do Código Florestal e contra a "oficialização" de crimes ambientais.

    ResponderExcluir

Translation

translation