sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

MARINA SILVA DESPEDE-SE DO SENADO MAS NÃO DA POLÍTICA

No discurso de despedida de Marina, ela poderia ter citado Caetano Veloso
"Eu não estou indo embora, só preparando a hora de voltar", cantava Caetano quando ainda um garoto deixava a Bahia para ir lutar pelo seu trabalho. Eu senti esta emoção no ar no discurso de Marina Silva. Acompanhe um resumo feito pelo O Dia Online da despedida da ecologista no Senado Federal ontem.
A senadora Marina Silva (PV-AC) fez nesta quinta seu discurso de despedida do Senado. Em meio às recordações de sua vida política nos últimos 16 anos, quando exerceu dois mandatos de senadora, ela embargou a voz uma única vez: ao lembrar sua saída do PT, partido pelo qual começou sua militância política e que ajudou a projetá-la no país e internacionalmente. Não falou quase nada do PV.
“Vivenciamos momentos difíceis de divergências, mas devo dizer que minha saída do PT não tem a ver com minha bancada. A minha saída do PT, que vem em seguida a minha vinda para o Senado, tem a ver com aquilo que considero uma falta de percepção do Partido dos Trabalhadores para não deixar ficar no que já conquistamos e fechar as portas para novos desafios. A questão da sustentabilidade ambiental é a utopia desse século e nenhum partido foi capaz de perceber isso, inclusive o PT.”
Nenhum, a não ser o PV que abraçou a sua candidatura e a proposta de desenvolvimento sustentável.

Ela personifica causas verdes
Ela relembrou ainda seus melhores e piores momentos no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no qual foi ministra do Meio Ambiente. Segundo a senadora, sua saída do governo ocorreu no momento em que não obteve mais apoio das ações contra o desmatamento na Amazônia. De acordo com Marina, não havia a opção de recuar nessas ações e, por isso, ela decidiu voltar ao Senado.
A senadora acriana também falou sobre sua participação na solenidade de balanço dos oito anos do governo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrida na quarta, no Palácio do Planalto. Marina disse que decidiu participar porque “não guarda mágoas”.
“Ontem [quarta], eu ouvi da boca do presidente Lula que durante seus oito anos de governo criou 24 milhões e 600 mil hectares de unidades de conservação. Durante a minha gestão [no ministério] foram 24 milhões de hectares.”
A senadora também se referiu à campanha eleitoral, quando concorreu à Presidência da República. Para ela, os brasileiros fizeram uma opção pelo desenvolvimento sustentável. Marina disse que a decisão de se tornar candidata a presidente foi difícil, mas necessária. “Sabia que esse era o chamado ao qual se eu não atendesse me sentiria faltosa comigo mesma e com as bandeiras que defendo.” A atuação de Marina Silva foi parabenizada por outros senadores que estavam presentes no plenário. Nas galerias, um grupo de ambientalistas aplaudiram com entusiasmo, através de sua candidatura a Presidente do Brasil pelo PV ela conseguiu popularizar e avançar na Nação as causas verdes de todo um movimento de criação do futuro, que tem como instrumento jurídico e político o PV.
Marina Silva é capaz de modificar e avançar o próprio PV mas não deve se iludir com a picada da mosca azul que a colocaria acima dos partidos políticos. Sozinho cada um é um sonho, juntos, um projeto de vida, diz em resumo uma milenar cantiga chinesa. Do passado, de volta para a criação do futuro.
Fontes: O Dia Online
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

Um comentário:

Translation

translation