quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Energia eólica como alternativa às megausinas tipo Belo Monte

A energia dos ventos é mais econômica e mais ecológica: por que não se difunde mais no Brasil?

"Parques eólicos offshore são a mais nova tecnologia em energia eólica na Europa . A energia eólica está em ascensão no mundo inteiro. Os cata-ventos já giram em 82 países do planeta – e a tendência é aumentar. Países emergentes e em desenvolvimento ainda dão os primeiros passos, como é o caso do Brasil. Acompanhe a matéria da DW (Deutsche Welle) e divulgue esta opção de energia em substituição às usinas hidrelétricas, termoelétricas ou nucleares. E ainda há a perspectiva para os próximos anos da energia solar.
Para Dom Quixote, os moinhos de vento eram criaturas ameaçadoras, cheias de braços e nas quais não se podia confiar, mas do século 17 para cá a imagem dos cata-ventos melhorou muito, hoje, mais do que moer farinha, eles fornecem quantidades generosas de energia limpa. Segundo dados do Relatório Mundial de Energia Eólica, o vento gerou cerca de 340 terawatts-hora de energia no mundo em 2009, o suficiente para abastecer a Itália durante um ano.
A maioria das turbinas eólicas sempre se concentrou na Europa, onde desde cedo houve tecnologia e vontade política para investir em tecnologias limpas. Mas o potencial está se esvaindo. Atualmente, apenas 27% dos novos cata-ventos foram instalados na Europa, deixando o continente em terceiro lugar no ranking de energia eólica.
O crescimento mais acelerado é verificado na Ásia. O continente assumiu a dianteira na produção eólica mundial e em 2009 foi responsável por 40% de todos os novos cata-ventos instalados. A maioria deles está na China, onde o número de turbinas duplicou pelo quarto ano consecutivo. "O governo reconheceu que a energia eólica é barata, renovável e limpa", explica Stefan Gsänger, secretário-geral da Associação Mundial de Energia Eólica (WWEA). Além disso, a tecnologia pode ser facilmente exportada. Hoje a China está entre os cinco maiores fabricantes de turbinas eólicas do mundo".





"Além de grandes parques eólicos, na Ásia também são instalados microparques eólicos, especialmente em zonas rurais sem acesso à rede elétrica. Pequenos cata-ventos com geração de até 2KWh custam de 800 a mil euros e podem abastecer um vilarejo inteiro. Já existem cerca de 400 mil microssistemas como esse. E como na China muitos milhões de pessoas ainda vivem sem energia, esse número pode aumentar para mais de um milhão em um futuro próximo, estima a WWEA".

Concorrência "verde"

"Na América do Sul, a utilização de energia eólica se desenvolve mais lentamente. "Isso acontece, entre outros motivos, porque a América Latina tem grande parte de sua matriz abastecida por energia hidroelétrica, e assim dispõe também de energia até limpa mas não livre de problemas ambientais", explica Trudy Könemund, da Sociedade Alemã de Cooperação Técnica (GTZ) no Chile. Apenas 2% das novas instalações eólicas são construídas na América Latina.
Para Ralf Heidenreich, porta-voz da desenvolvedora de projetos Juwi, os problemas estão principalmente na implantação. Embora haja potencial, "as condições para construir novas usinas ainda precisam melhorar um pouco". A opinião é compartilhada por Stefan Gsänger. Muitos projetos no passado teriam sido adiados por causa de corrupção e porque o setor energético tradicional trabalharia contra os projetos de energia renovável. Mesmo assim, existem cada vez mais usinas eólicas na América Latina, 44 delas no Brasil. O México quintuplicou o número de turbinas em 2009. O Chile está em terceiro lugar, com seis usinas já construídas e outras 20 em planejamento".

Energia eólica para a África

"No continente africano quase não há turbinas eólicas. A taxa de crescimento nos últimos anos é insignificante. O principal motivo é a falta de infra-estrutura, explica Ralf Heidenreich. "A energia precisa ser canalizada de alguma forma". Esse problema pode abrir caminho para os pequenos cata-ventos, como os que existem na Ásia, espera Stefan Gsänger da WWEA. Além disso, o continente africano sofre com a falta de tecnologia e, principalmente, recursos. Egito e Marrocos são os principais produtores de energia eólica no continente. No Egito já existem empresas que fabricam componentes para turbinas. "É importante desenvolver uma cadeia produtiva no próprio país", explica Gsänger. "Assim as usinas eólicas podem ter uma vantagem em relação ao petróleo".
De acordo com a WWEA, a potência gerada pelas usinas eólicas no mundo duplica a cada três anos. Um desenvolvimento que com certeza deixaria Dom Quixote de cabelo em pé. Mas no mundo real do século 21, esse é o caminho para um mundo sem combustíveis fósseis". (Janine Rabe)

Fontes: DW
             folha.com
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

Um comentário:

  1. As energias alternativas ou limpas como a eólica ou a solar até pouco tempo atrás eram acusadas de quixotadas, atualmente estão entre as opções mais inteligentes e sustentáveis para o desenvolvimento de um país, especialmente, no Brasil que tem grandes recursos naturais e necessidade de se implantar largamente este tipo de energia que já não é mais futurista, é sim, contemporânea.

    ResponderExcluir

Translation

translation