terça-feira, 26 de julho de 2011

HOJE NA ONU CHANCE PARA A PAZ ENTRE PALESTINOS E JUDEUS

Luta pela libertação da Palestina chega ao auge na ONU nestes dias de decisão

Mais de 120 países já reconheceram a Palestina como um Estado e se centenas de milhares de pessoas em todos os cantos do planeta ergueram vozes e consciências para persuadir a Organização das Nações Unidas, a Europa e outros países a darem uma chance para a paz entre palestinos e judeus, criando uma nova era de avanços em Jerusalém e em todo Oriente Médio. Na contramão deste movimento pela paz, que é apoiado até pelos judeus de Israel religiosa ou politicamente mais avançados, estão alucinados como o radical de direita ou neo-nazista Anders Breivik, que assassinou quase cem jovens para dizer ao mundo que através da violência estava alertando sobre o "perigo" da mistura de raças, da entrada na Europa dos muçulmanos, ele chegou até mesmo em suas elocubrações fisolóficas a citar o Brasil: "Este país tem tudo para prosperar e isso só não acontece por culpa da miscigenação de raças que atrapalham aquela Nação"...Isto é, ainda existem tabus e preconceitos da época da 2ª Guerra Mundial e de Adolf Hitler, de antes de Marco Polo e do Renascimento, por volta de 1500, que aconteceu justamente pela convivência pacífica de dois opostos, orientais e ocidentais, desta contraposição cultural nasceu uma nova civilização na Terra. Ainda sobrevivem conceitos e preconceitos tribais do tempo dos nômades e vikings. Ainda estão vivos o ódio e a discórdia também entre judeus e árabes, em especial palestinos, exatamente por contradição na terra por onde Jesus pregou a união de todos os povos de boa vontade para um tempo de justiça, de evolução, a bem de todos. Este tempo é chegado, hoje na ONU em debate a paz no Oriente Médio, que tem como um passo essencial a criação do Estado Palestino para lado a lado com Israel dialogar institucionalmente em nome destes dois povos antigos que precisam deste nova situação para criarem o seu futuro, avançando um pouco mais a condição humana de vida na Terra. (Padinha)

Mesmo judeus mais tradicionais dos Kibutz são favoráveis à paz

Recém-falecida a judia Amy Winehouse reconhecia os Palestinos


O Brasil já se posicionou por um Estado Palestino e pela paz no Oriente

Refugiados palestinos estão sofrendo demais a questão

Esperança de paz no conflito




 






A equipe da Avaaz dá a sua mensagem também aqui no nosso blog de ecologia

"Caros amigos,
O Conselho de Segurança da ONU se reunirá e o mundo terá oportunidade de aceitar uma nova proposta capaz de reverter décadas de fracasso nas negociações para a paz entre Israel e Palestina: o reconhecimento da Palestina como Estado pela ONU. Mais de 120 países do Oriente Médio, África, Ásia e América Latina já endossaram essa iniciativa, mas o governo de direita de Israel e os Estados Unidos opõem-se veementemente a ela. Portugal e outros importantes países europeus ainda estão indecisos, mas uma gigantesca pressão pública agora poderá convencê-los a votar a favor dessa importante oportunidade de dar fim a 40 anos de ocupação militar. As iniciativas de paz lideradas pelos EUA têm fracassado há décadas, enquanto Israel tem confinado o povo palestino a pequenas áreas, confiscando suas terras e impedindo sua independência. Esta nova e corajosa iniciativa poderá ser a melhor oportunidade de impulsionar a solução do conflito, mas a Europa precisa assumir a liderança. Vamos construir um apelo global em massa para que Portugal e outros importantes países europeus endossem imediatamente a proposta de soberania e vamos deixar claro que cidadãos de todos os cantos do mundo apoiam essa proposta legítima, não-violenta e diplomática. Assine a petição e envie esta mensagem a todos os seus contatos":


http://www.avaaz.org/po/independence_for_palestine_9/97.php?cl_tta_sign=963e4ea34aea8ce0262339bb13d53413

"Embora as raízes do conflito entre Israel e Palestina sejam complexas, a maioria das pessoas em todos os lados concordam que o melhor caminho rumo à paz imediata é a existência de dois Estados. Porém, vários processos de paz têm sido arruinados pela violência em ambos os lados, pela ampla construção de assentamentos na Cisjordânia e pelo bloqueio humanitário na Faixa de Gaza. A ocupação israelense diminuiu e fragmentou o território onde se poderia construir um Estado palestino e transformou a vida cotidiana do povo palestino em um suplício atroz. A ONU, o Banco Mundial e o FMI recentemente anunciaram que os palestinos estão prontos para administrar um Estad o independente, mas eles dizem que a principal restrição ao sucesso dessa empreitada é a ocupação israelense do território palestino. Até mesmo o presidente norte-americano pediu o fim da expansão dos assentamentos e o retorno às fronteiras de 1967 com trocas de territórios em comum acordo, mas o primeiro-ministro israelense Netanyahu, furioso, recusou-se a cooperar.
Chegou a hora de uma drástica mudança, deixando de lado um processo de paz inútil e partindo para um novo caminho de progresso. Enquanto os governos de Israel e Estados Unidos classificam a iniciativa palestina de “unilateral” e perigosa, a verdade é que a esmagadora maioria das nações do mundo apoiam essa proposta diplomática não-violenta. O reconhecimento mundial da Palestina como Estado poderá derrubar os extremistas e fomentar um crescente e não-violento movimento palestino-israelense em consonância com a arrancada da democracia em toda a região. E o mais importante é que el e retomará um caminho rumo a um programa de assentamento negociado, permitirá aos palestinos acesso a diversas instituições internacionais que podem ajudar a promover a liberdade da Palestina e enviará um sinal transparente ao governo de Israel, que é favorável aos assentamentos, de que o mundo não mais aceita a impunidade e intransigência dos israelenses.
Israel já passou tempo demais enfraquecendo a esperança de criação de um Estado palestino. Os Estados Unidos já passaram tempo demais satisfazendo as exigências de Israel, com o apoio da Europa. Neste momento, Portugal, França, Espanha, Alemanha, Reino Unido e o Alto Representante da UE estão indecisos quanto à soberania palestina. Vamos fazer um apelo para que eles assumam o lado certo da história e apoiem uma declaração palestina de liberdade e independência, prestando ampla assistência e ajuda financeira. Assine a petição urgente agora mesmo para pedir que a Europa apoie a proposta e endos se essa iniciativa de paz duradoura entre Israel e Palestina":
http://www.avaaz.org/po/independence_for_palestine_9/97.php?cl_tta_sign=963e4ea34aea8ce0262339bb13d53413
"A soberania palestina não significará de uma hora para a outra o fim desse espinhoso conflito, mas o reconhecimento pela ONU mudará a dinâmica e começará a abrir a porta rumo à liberdade e paz. Em toda a Palestina, as pessoas estão se preparando com esperança e expectativa para recuperar uma liberdade que sua geração nunca viveu. Vamos dar nosso apoio e pressionar as lideranças européias, americanas, africanas a fazerem o mesmo, assim como elas apoiaram os povos do Egito, Síria e Líbia. Com esperança,
Alice, Ricken, Stephanie, Morgan, Pascal, Rewan e toda a equipe da Avaaz".
 

Mais informações sobre o conflito e a importância desta decisão pela paz

Palestinos estão decididos a se tornar um membro pleno da ONUhttp://bit.ly/rhR0vM

Liga Árabe endossa projeto de reconhecimento palestino
http://bit.ly/nG4vEF

Marcha cobra reconhecimento de estado palestino por ONU
http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/israelenses-e-palestinos-protestam-por-estado-palestino

Israel: demanda palestina na ONU será fim do processo político
http://bit.ly/pb7W3o

Palestina: Estado Número 194?
http://portuguese.ruvr.ru/2011/07/15/53280044.html

Israelenses e palestinos se unem em manifestação por independência palestina
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/07/110715_palestinos_manifestacao_gf.shtml

Lista de países que reconhecem o Estado da Palestina (em inglês)
http://www.avaaz.org/en/countries_recognizing_palestine/?info


 

2 comentários:

  1. Os tempos estão chegados para a paz e um avanço da condição de vida em todos os lugares da Terra, a harmonia entre judeus e palestinos pode estimular esta antecipação do futuro.

    ResponderExcluir
  2. A mídia em geral, em especial os grandes veículos de comunicação no Brasil, não têm destacado esta questão do Estado Palestino nem as disucussões da ONU muito menos a possibilidade de um avanço na paz entre palestinos ou árabes em egral e judeus: há muito interesses grandes neste assunto, que servem também para travar o processo histórico de avanço para a paz no Oriente Médio, que poderia estimular uma melhoria na condição de vida de todo ser humano, também por aqui no Brasil...

    ResponderExcluir

Translation

translation