domingo, 28 de agosto de 2011

HAZARE E NÃO-VIOLÊNCIA CONSEGUEM AVANÇAR ÍNDIA


Novo líder indiano da não-violência encerra greve de fome

Sajjad Hussain/France Presse nos enviou a informação de que o militante anticorrupção indiano Anna Hazare aceitou encerrar nesse domingo a greve de fome, iniciada há 12 dias, depois de receber a confirmação de concessões dos parlamentares. "Durante 12 dias as pessoas do povo estiveram aqui. É a vitória deles", afirmou o ativista de 74 anos, desde jhovem seguidor das idéias de Mahatma Gandhi, a não-violência.
A campanha de Hazare para endurecer a legislação anticorrupção encontrou grande apoio entre uma população irritada com o mal que sufoca a sociedade. Além disso, gerou muita pressão sobre o governo de centro-esquerda, que demorou para adotar medidas para lutar contra a corrupção.
 "Anna Hazare aceitou cessar o jejum nesse domingo pela manhã. Está contente com a decisão do governo de aceitar suas propostas", declarou Vibhav Kumar, porta-voz da campanha "Índia contra a corrupção". 
O militante radical iniciou a greve de fome em 16 de agosto, dia em que foi detido após as grandes manifestações em todo o país que pediam o fim da corrupção. Hazare foi liberado três dias mais tarde e seguiu para uma praça de Nova Délhi, onde prosseguiu com o jejum para exigir mais rigor em um projeto de lei em debate no Parlamento para dar mais eficiência à luta contra a corrupção. 

Hazare e seus companheiros da Não-Violência comemoram vitória

A sabedoria de Gandhi inspirou a conquista

Hazare busca Deus e as energias mais puras no jejum para lutar pelo seu povo
No sábado, o governo anunciara que vai atender algumas de suas demandas, como a criação do cargo de mediador da República em cada um dos 29 estados do país, a redação de uma "carta do cidadão" e a ampliação dos poderes do mediador a todos os funcionários do governo, no sentido de avançar um programa de cidadania a favor de livrar a India da corrupção e de outros problemas da gestão política deste país. Desta forma, revivendo a estratégia da não-violência de Gandhi (que jejuando liderou os indianos para a libertação nacional diante da Inglaterra, pacificamente), Hazare usou a tática do sacríficio pessoal para mobilizar a população e mover as autoridades governamentais para um avanço político e social, reivindicação de vários anos, vitoriosa com o jejum de 12 dias.

Fontes: France Presse
             http://folhaverdenews.blogspot.com

3 comentários:

  1. Hazare e seus companheiros, militantes da Não-Violência como forma de lutar, foram dignas das lições e exemplos práticos de Mahatma Gandhi, o grande líder histórico indiano, ícone na Índia e em todo o planeta da luta pacífica para mudar a realidade. Um avanço a ser comemorado por todo ser humano, a inteligência superior à força.

    ResponderExcluir
  2. Nós brasileiros, em nossas lutas da cidadania, da ecologia, para mudar a realidade do Brasil, precisamos também desenvolver um grupo de ação da Não-Violência para agilizar os avanços necessários por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Até parece fora da realidade levar uma luta social e política como Hazare faz na Índia, mas é de um caminho alternativo assim que estamos precisando para destravar os problemas que o Brasil enfrenta, corrupção, falta de ética e de cidadania, violência, politicagem, injustiça com a maioria da população etc.
    Esta mensagem nos foi mandada pelo e-mail do editor deste bolg pelo ecologista José Casagrande, de Conquista, Espírito Santo.

    ResponderExcluir

Translation

translation