quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

UM HERÓI BRASILEIRO NA ONU POR SUA LUTA PELA AMAZÔNIA

Condecorado Herói da Floresta na América Latina pela ONU, Paulo Adario dedica prêmio aos verdadeiros heróis do dia-a-dia e cobra da Presidente Dilma o veto ao Código Florestal

Em discurso de agradecimento na Organização das Nações Unidas nos Estados Unidos, Paulo Adario pediu também ao Governo brasileiro "veto" ao desmatamento e à anistia a quem cometeu crimes ambientais.
Diretor da Campanha Amazônia e um dos fundadores do Greenpeace no Brasil, Paulo Adario foi ontem internacionalmente reconhecido como o Herói da Floresta na América Latina e Caribe. O prêmio inédito concedido pela ONU  foi entregue em cerimônia oficial em Nova York e não na sede em Washington. O homenageado brasileiro, Adario afirmou ser o título de “herói” um reconhecimento intrínseco e internacional de que as florestas ainda estão em grande perigo. Ele também alertou para a importância da luta contra o desmatamento como vetor de combate às mudanças climáticas.

Incluindo o Código Florestal como uma de suas batalhas na luta pelas florestas, Adario destacou que não há oposição entre proteção ambiental e desenvolvimento econômico, e que a produção e exportação de commodities podem continuar crescendo sem derrubar mais nenhuma árvore.
“Cerca de 90% dos brasileiros são contra uma nova lei florestal que abra espaço para mais desmatamento e que anistie aqueles que desrespeitaram a legislação. E, no entanto, isso está sendo fortemente apoiado pelos parlamentares. A presidente Dilma está numa encruzilhada. Ela precisa escolher entre o futuro e o passado. Quero aproveitar essa oportunidade para pedir a ela que dê um passo para o futuro, vetando todas as medidas perversas que reduzem a proteção das florestas no Brasil.”

Adario, um sinal de força e luta em nome dos ecologistas do Brasil

José e Maria, casal que lutava pela Amazônia, assassinado no Pará


O respeito a áreas ambientalmente protegidas na Amazônia faz parte da luta

Ele não se referiu publicamente a lobbies ou a ruralistas, mas comentou em off sobre isso como fatores que levaram a Câmara e o Senado ao erro de aprovar uma legislação considerada retrógrada pelos técnicos, em plena era do Desenvolvimento Sustentável, que inclusive será o tema central da Conferência Mundial da própria ONU em junho no Brasil (Rio+20, 20 anos após a Eco 92): um evento de decisão e importância.
Em sua fala pública, Adario também dedicou o prêmio às pessoas que dividem consigo a luta pela preservação das florestas, ou seja, aos verdadeiros heróis e vítimas que nascem quase todos os dias por conta da disputa dramática por recursos naturais e áreas de floresta. Pessoas como Zé Claudio e sua esposa Maria dos Espírito Santo não foram esquecidos pela ONU, que lhes rendeu uma homenagem, passando o filme do jornalista Felipe Milanez sobre a morte do casal de extrativistas. Com a voz embargada, a irmã de Zé Claudio, a ambientalista Laisa Sampaio, subiu ao palco e pediu mais governança na região para evitar novos crimes ambientais e humanos.
Jan McAlpine, chefe do Secretariado do Fórum das Nações Unidas sobre Florestas, disse que o conceito do prêmio surgiu, pois a organização queria mostrar o quanto as florestas são importantes para as pessoas e as pessoas para as florestas. Ao chamar Paulo Adario ao microfone, ela o definiu como uma “enorme contribuição para o mundo e a América Latina”.
Depois de receber 90 indicações, de 41 países, a ONU nomeou mais quatro "heróis da floresta"  além de aulo Adario, do Brasil, na África, Europa, Ásia e América do Norte. Os escolhidos foram Paul Nzegha Mzeka, de Camarões, Shigeatsu Hatakeyama, do Japão, Anatoly Lebedev, da Rússia, e Rhiannon Tomtishen e Madison Vorva, dos Estados Unidos. A premiação é uma forma de alertar sobre problemas ambientais em diferentes regiões do planeta, bem como, apoiar a luta ecológica e de cidadania para avançar a realidade.

Fontes: www.greenpeace.org.br
              http://folhaverdenews.blogspot.com
 

3 comentários:

  1. Cada ecologista ou cada líder de cidadania ou cada cientista e pesquisador que está indo à luta pela ecologia ou pelo Desenvolvimento Sustentável de verdade, todos nós nos sentimos também homenageados por este prêmio de muita justiça dado pela ONU a Paulo Adario, como Herói da Floresta na América Latina. Nossos cumprimentos a ele e à toda equipe do Greenpeace.

    ResponderExcluir
  2. Ainda ontem aqui neste blog postamos a matéria sobre as ameaças de destruição da ecologia da Amazônia (com a redução das áreas ambientalmente protegidas lá) e anteontem, com os problemas que também estão acontecendo agora no Pantanal. Neste contexto, todos os dias aqui destacamos uma questão relevante, o prêmio da ONU a Adario e ao Greenpeace serve como um estímulo para a mudança da atual realidade.

    ResponderExcluir
  3. Superimportante que na hora de receber o prêmio da ONU em Nova Iorque, Paulo Adario se manteve coerente com a luta ecológica brasileira e toda a sua trajetória de ecologista, um dos fundadadores do Greenpeace no Brasil: esta coerência garante o respeito da mídia e das autoridades internacionais e nacionais à própria luta da ecologia e da criação do futuro, outro nome para Desenvolvimento Sustentável, tema central do nosso blog Folha Verde News.

    ResponderExcluir

Translation

translation