domingo, 22 de abril de 2012

AS LUTAS DE MMA/UFC SÃO ESPORTE, VIOLÊNCIA OU GRANDE NEGÓCIO?

Lutas sem regulamentação e com muita violência são um meganegócio que pode ser proibido

A Câmara dos Deputados pretende realizar na próxima semana audiência pública para discutir o projeto de lei 5.534/09, do deputado José Mentor (PT-SP), que proíbe a transmissão de MMA na TV. De acordo com o PL, que ainda não foi votado, a pena para a emissora que descumprir a determinação vai de multa de R$ 150 mil à perda da concessão. Segundo jornal, a proposta atinge diretamente o UFC. Além de um reality show de lutadores, a Rede Globo exibe etapas do UFC e possui um canal pago dedicado ao assunto, o PFC Combate. Para a audiência pública foram convidados Anderson Silva, lutador de MMA, o diretor de esportes da Globo Marcelo Pinto, o diretor do Canal Combate Pedro Garcia e o professor de filosofia da PUC-SP Mário Sérgio Cortella, entre outros. As presenças ainda não foram confirmadas mas a proposta repercute e gera polêmica nos meios de comunicação e agora também na Internet: “Não queremos que a TV incentive a violência entre os jovens e vamos ouvir a opinião de todos sobre isso”, disse Mentor. Pelo projeto, canais abertos não poderão apresentar as lutas.

Deputado e ex-boxeador Popó defende uma regulamentação do MMA 

Conforme relata a repórter Marina Marquez, do R7, em Brasília, o crescimento da prática do MMA (artes marciais mistas) no Brasil colocou em discussão o alcance e a regulamentação do esporte e tem provocado debates acalorados. Evidentemente, há interesses comerciais da rede de TV e empresários que promovem estas lutas.No Congresso Nacional, a discussão deve aumentar quando uma audiência pública promovida pela Frente Parlamentar Mista de Esporte debater o assunto. O presidente desta Frente, deputado Acelino Popó Freitas (PRB-BA), quer trazer lutadores e outras pessoas ligadas ao esporte para um debate sobre o MMA como uma forma de inserção social no esporte e não "pancadaria", como alguns alegam. No último mês, o deputado José Mentor (PT-SP) apresentou um projeto de lei na Câmara dos Deputados solicitando que fosse proibida a transmissão de qualquer luta de MMA em canais de televisão abertos. Atualmente, o UFC é a maior organização de MMA do mundo. De acordo com Mentor, a transmissão estimula a violência e a proibição envolveria ainda qualquer luta não olímpica “considerada violenta”, menos a capoeira, exceção feita por ela ser também uma manifestação com raízes na cultura brasileira mais nativa. O deputado sugere multa de R$ 150 mil, com possibilidade de perda da concessão pública do canal, para a emissora que desrespeitar a proibição. Popó discorda do projeto do petista e, no sentido contrário, apresentou no ano passado um texto que regulamenta o esporte, permitindo benefícios aos lutadores, como o bolsa-atleta do Ministério do Esporte, por exemplo, para estimular uma regulamentação do MMA: "Queremos fazer uma audiência pública que traga os grandes lutadores e grandes campeões mundiais para darem depoimento".
O deputado e lutador argumenta que o MMA é um esporte reconhecido em todo o mundo e precisa ter o mesmo reconhecimento no Brasil. Nesse sentido, afirma, a transmissão ajudaria a mostrar aos brasileiros que o esporte existe e tem grandes campeões no país.
Ele não se referiu ou não quís discutir os interesses comerciais que envolvem a promoção destas lutas nem as considera um estímulo à violência. O deputado Popó questiona ainda que o MMA não é regulamentado como esporte no Brasil, mesmo sendo "o esporte que mais cresce hoje em dia": - "Depois do futebol, é o esporte mais assistido. Então, temos que fazer jus ao esporte que tem três campeões do mundo no Brasil e regulamentar a situação. Dos sete campeões de MMA no mundo, três são americanos, um é canadense e os outros três são brasileiros: o Cigano, o José Aldo e o Anderson Silva.".
A audiência pública proposta por Popó e também pelo autor do projeto deputado José Mentor será nestes próximos dias mas ainda não tem data marcada. Os dois deputados concordam num ponto, os grandes lutadores e vencedores do UFC já confirmaram presença para defender a transmissão destas lutas na TV. Persiste a polêmica se elas são pancadaria e estímulo da violência como alertam educadores ou uma forma de esporte, como defendem o diretor de esportes da Rede Globo, Marcelo Pinto, e o diretor do Canal Combate, Pedro Garcia.  Os grandes investimentos em mídia são vistos por alguns jornalistas, que criticam o contéúdo agressivo demais destas lutas livres, como uma forma de aumentar a popularidade do MMA/UFC, considerando também o risco de má influência na formação de crianças e adolescentes, tendo em vista a violência cada vez maior de toda a realidade atual.



Na prática, uma briga de rua e tem pouco de arte marcial

As lutas têm sido um ritual de violência que espelham a realidade



Interesses comerciais e meganegócio estariam por trás do sucesso...













Fontes: wordpress.com
             esportes.r7.com
             folhaverdenews.blogspot.com
 

9 comentários:

  1. Há cerca de um mês houve posts aqui no nosso blog e debates no Facebook sobre esta questão: o MMA/UFC está funcionando como uma apologia ou pelo menos como um estímulo à violência, ainda mais hoje em dia, quando ela aumenta em todos os setores da vida de todas as pessoas, também crianças e jovens?

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, a proposta do deputado petista José Mentor é válida, as lutas precisam mesmo ser melhor dimensionadas, não podem ser jogadas na casa (e na cabeça) dos telespectadores, a bem apenas dos seus promotores comerciais, o que envolve também uma grande rede de TV. Até o ex-boxeador e deputado Popó defende uma regulamentação do MMA/UFC. Algo precisa ser feito após uma discussão pública e aberta do problema.

    ResponderExcluir
  3. Não se trata de proibir por proibir e sim de regulamentar como esporte, dimensionar o seu alcance como comunicação social, medir os efeitos sociais e psicológicos nas crianças e adolescentes, bem como no conjunto da população, levando em conta a realidade do momento, cada vez mais violenta na sociedade de consumo.

    ResponderExcluir
  4. Por que a capoeira, que é luta, música e arte negra, que tem a ver com as raízes culturais brasileiras, não se transforma numa programa de TV em horário nobre? O professor e capoeirista Cesinha nos andou um e-mail, questionando este ângulo desta questão polêmica, mas que precisa mesmo ser discutida e ganhar nova dimensão nos meios de comunicação.

    ResponderExcluir
  5. Na edição deste domingo do jornal Comércio da Franca, um dos maiores do interior paulista, Valdes Rodrigues em sua coluna Painel debate esta questão dos malefícios de lutas violentas, como do MMA/UFC, para as novas gerações, em meio a uma realidade com cada vez maior violência no dia a dia. É um exceção, a mídia impressa pouco se interessa em criticar erros e limites da sociedade de consumo que assola as TVs e a vida do Brasil. Parabéns ao radialista e jornalista Valdes Rodrigues, pela visão de cidadania.

    ResponderExcluir
  6. Chega de MMA, a "rinha de humanos" que devemos banir de vez deste país. É mais um Pancrácio (pan ("todos") + kratos ("força"). Foi usado pelos espartanos como método de treinamento, com o único propósito de lutar e matar no campo de batalha. Por essa razão, os espartanos não foram autorizados a participar em qualquer competição que incluía outros gregos Fonte=Wikipédia) do que arte marcial!

    ResponderExcluir
  7. No Brasil morre mais gente em acidentes automobilísticos do que em brigas de rua, mas ninguém tem colhões de querer proibir F1 na tv. Claro, o setor gera renda e empregos. E a cada três meses, pelo menos, a globo exibe a morte de Senna de forma sensacionalista e ainda em horário impróprio.
    Mas tá tudo bem. A gente vê os caras se esbagaçando de longe, como formiguinhas esmagadas, nem dá pra perceber que tem seres humanos dentro dos veículos.

    ResponderExcluir
  8. A questão pra mim é responsabilizar ou não a mídia e não o MMA em si. Quem se responsabiliza pela violencia urbana? brigas de transito, lutadores amadores que humilham e brigam com pessoas pacificas e sem treinamento. Existem leis para punir essa gente? Exite cadastro para esses crimes? Acho que é mais casos para polícia, já que a censura não ajuda em nada, ao invés, cria interesse.

    ResponderExcluir
  9. O problema é que tem muita gente falando sobre um assunto que não é de sua alçada. Quem define o que é esporte? Quem define o que é violento? Quem compara lutadores de MMA, com gladiadores do Coliseu? A verdade é o seguinte, lutadores de MMA, são atletas pagos (Alguns muito bem pagos...), bem diferente dos escravos do Coliseu. Que realizam lutas de MMA, após rigorosos treinamentos atléticos e atitudinais, espontâneamente, e não obrigados, como era o caso dos gladiadores. A Luta Esportiva, está relacionada ao desenvolvimento máximo de um atleta, para uma situação real de luta! Para isso foram desenvolvidas lutas milenares e culturais, pelos homens de diversas civilizações: Jiu Jitsu, Muay Thay, Judo, Karate, Boxe, Luta Livre, Savate; e muitas outras. Para os amantes da Luta Esportiva, essas lutas não são violentas, e muito pelo contrário, auxiliam na formação moral e física de seus praticantes. É fato, que grandes faixas pretas das artes marciais, são grandes exemplos de cidadania e ética em seus contextos sociais. Campeonatos destas artes marciais, estão longe de serem palco de barbárie. Na verdade são locais de superação humana, de respeito as regras, de estética agonista, de pesquisa nas áreas de treinamento, fisiologia, condicionamento físico e gerência e administração esportiva! Um dos grandes clamores da modernidade, é do respeito a diversidade e ao multiculturalismo. "Não se pode exigir de uma borboleta, que compreenda o comportamento do tigre. Mas ambos podem viver em harmonia, se se respeitarem...". O MMA, é o esporte que atingiu o último nível de excelência no agonismo corporal: Por se valer da luta de chão, da luta em pé e de suas transições. Atingiu o mais elevado patamar do Confronto Autorizado! Falo de Confronto Autorizado, pois ao contrário do que afirmam os menenstréis do apocalipse, MMA não é violência e pancadaria! É luta esportiva no seu mais avançado grau de perfeição, pois conforme disse anteriormente, exige de seus praticantes, a totalidade de preparação para um confronto real! E porque luta esportiva e não barbárie? Porque possui regras internacionais, são realizados com equipamentos de proteção atlética, assistência médica de plantão, possuem rigorosas leis em suas práticas mundiais, os praticantes são atletas de altíssimos níveis, são profissionais remunerados, praticam o esporte por sua livre e espontânea vontade e há um código de moral e conduta, muito bem formulado (Comissão Atlética de Nevada), que obrigam o comportamento ético e cidadão do esportista de MMA. O MMA atingiu seu último estágio de desenvolvimento? A resposta é não! Todas as Lutas Espotivas sofreram, com o passar do tempo, uma grande evolução em sua regras, fundamentos e filosofia! O MMA, passa por este mesmo processo. As primeiras lutas eram chamadas de vale tudo, e eram quase isso mesmo... Hoje em dia, a realidade é bastante diferente! Ninguém é obrigado a gostar de MMA, mas deixem que os fãs e adeptos usufruam de um esporte, que é um confronto autorizado, que possui regras internacionais e mais cresce no mundo! Definição de Violência: Ação de causar danos físicos ou psicológicos a uma pessoa, sem sua autorização! No Confronto Autorizado (Lutas Esportivas), ambas as partes estão cientes do que se pode e não pode fazer (Regras!). Genoíno toma posse! Violência é o que nosso Congresso faz com os nossos eleitores, e ninguém reclama...

    ResponderExcluir

Translation

translation