quarta-feira, 11 de abril de 2012

TRIBO SURUÍ TERÁ RECURSOS PARA PROTEGER A NATUREZA

Índios de Rondônia já podem comercializar créditos de carbono

O líder da tribo Suruí fez os  primeiros contatos para este avanço no Global Greens
O jovem líder da tribo, Almir Narayamoga Suruí, acredita que, até 2038, o negócio possa gerar de R$ 2 milhões a R$ 4 milhões, anualmente, recursos suficientes para manter uma estrutura de boa qualidade de vidae de saúde dos integrantes da tribo e ao mesmo tempo, preservar as matas nativas em suas terras, entre Rondônia e Mato Grosso. Pela primeira vez, uma tribo amazônica terá lucros com a commodity de créditos de carbono. Moradores de Rondônia, os índios Paiter-Suruís, pretendem montar um fundo sustentável para projetos locais. A idéia nasceu nop Global Greens, evento que aconteceu em São Paulo há 4 anos, onde o líder Suruí iniciou os contatos: este evento reuniu então lideranças verdes de 89 países, representantes do blog Folha Verde News, Padinha e Aguinaldo Lazarini também estavam presentes neste encontro mundial do PV que foi no Memorial da América Latina, lá conheceram variadas lideranças e dialogaram também com Almir Narayamoga Suruí, que estava em busca duma alternativa de solução para seus problemas. Usar a terra dos índios para a exploração ilegal de madeira já foi uma prática comum. Mas, hoje em dia, conservar a natureza é um negócio mais rentável, além de ser sustentável, compensa em termos econômicos e ecológicos. E foi percebendo isso, que os Paiter-Suruís optaram por se dedicar ao controle do desmatamento em seu território.

Uma nova forma para captar dinheiro e ao mesmo tempo preservar recursos naturais
A tribo Suruí também está desenvolvendo agora o Primeiro Parlamento Indígena
Duas certificações internacionais foram concedidas à tribo, na semana passada, o que permite fechar contratos para a geração dos créditos de carbono. Este é o primeiro plano indígena de Redd (Redução de Emissões por Desmatamento), que é uma forma de compensar financeiramente a manutenção de florestas tropicais, a receber os selos VCS (Verified Carbon Standard) e CCB (Climate, Community and Biodiversity).
O dinheiro arrecadado será aplicado em uma espécie de "fundo soberano" e destinado às atividades econômicas sustentáveis, como o turismo e a produção agrícola nas áreas já desmatadas. O líder da tribo, Almir Narayamoga Suruí, acredita que, até 2038, o negócio possa gerar de R$ 2 milhões a R$ 4 milhões, anualmente. Desenvolvido com o apoio da ONG Idesan de Manaus, o Projeto de Carbono Florestal Suruí foi negociado por quatro anos. O selo VCS garante que a tribo segue uma metodologia criteriosa para avaliar a redução das emissões, já o CCB mostra que o projeto não afeta a biodiversidade ou os direitos dos índios. Atualmente, 30 contratos de compra de créditos de carbono fechados por variadas aldeias de índios estão sendo investigados pela Funai (Fundação Nacional do Índio) e pela Advocacia-Geral da União. Um exemplo de acordo errôneo é o que foi estabelecido entre a empresa irlandesa Celestial Green e os líderes Mundurucus, do Pará, detalhes contratuais do convênio acabam proíbindo a tribo de usar a própria terra. Mas no caso dos índios Paiter-Suruís foram tomados todos os cuidados para o convênio ser bom para todos e em especial para a natureza. Ter a orientação de ecologistas especializados (Idesan de Manaus), negociarem todos os pormenores do convênio e esperarem a validação dos selos para assinar os contratos foram pontos positivos, que garantiram que o projeto Suruí fosse hoje apoiado pela Funai e autoridades governamentais do Meio Ambiente, lançando uma nova fronteira de prática da ecologia, iniciando a implantação duma economia sustentável nas terras dos índios. 
 
Fontes: folha.com
             Blog da Amazônia
             http://folhaverdenews.blogspot.com

2 comentários:

  1. Este Projeto de Carbono Florestal Surui indicia que é possível se encontrar novas alternativas para manter as comunidades indígenas e ao mesmo tempo, preservar os recursos naturais das florestas, fundamentais para o equilíbrio da ecologia no Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Em outras edições do nosso blog mostraremos mais detalhes do Projeto Suruí, já virando uma realidade, também fotos do seu líder no Global Greens e informações sobre o primeiro Parlamento Indígena, que será um meio de avançar a cultura e a luta política em defesa das terras, dos ideais dos índios, da ecologia e da sustentabilidade dos povos da floresta.

    ResponderExcluir

Translation

translation