sábado, 5 de maio de 2012

MANIFESTAÇÃO TECNOAMBIENTAL EM SÃO PAULO

Ativistas do Greenpeace manifestam-se por uma tecnologia ambientalmente sustentável


É mais um ângulo na luta ecológica: a busca de energias limpas para alcançar qualidade de vida e criar o  futuro, ao mesmo tempo em que avançam os que lutam pela justiça ambiental, o socioambientalismo, que já movimenta os bastidores da Cúpula dos Povos, para a Rio+20

O protesto de hoje em São Paulo foi tecnoambiental...

...e aconteceu simultaneamente em oito países ao mesmo tempo....

...ativistas do Greenpeace buscam avançar a TI via tecnologias sustentáveis como a Solar

Nesta época em que já se aproxima a Rio+20, o movimento ecológico, científico e de cidadania prioriza nesta conferência mundial da ONU sobre sustentabilidade, a busca da justiça ambiental ou o socioambientalismo, tomando por base as propostas que já começam a ser discutidas nos primeiros ensáios para a Cúpula dos Povos: enquanto isso, em São Paulo nasceu hoje mais uma frente para a luta ecológica, comenta o editor do blog Folha Verde News, o ecologista Padinha, referindo-se à manifestação de hoje, em Sampa (e simultaneamente em outros oito países) por tecnologias limpas, sustentáveis. High-tech sim mas ecologicamente equilibrada. São sinais e sintomas que o desenvolvimento sustentável está cada vez mais na cultura da atualidade. Ativistas do Greenpeace realizaram protesto pacífico em frente a loja da Apple no Shopping Eldorado de São Paulo. Ações aconteceram também hoje em oito grandes cidades da Terra. Greenpeacers realizaram protesto pacífico em loja revendedora de produtos Apple com o objetivo de estimular a multinacional abandonar as energias sujas para alimentar seus datacenters. Esta foi a motivação de um grupo de ecologistas jovens que foram até uma loja revenedora destes produtos  e desta determinada marca para convidar ou estimular esta multinacional a abandonar energias sujas e perigosas, como carvão e nuclear, aderindo a energias renováveis para alimentar seus datacenters. Manifestação pacífica, inteligente, em busca de melhorar o padrão da tecnologia, adiantar o grau de sustentabilidade já. Com uma faixa em frente à loja, os ativistas chamaram a atenção de quem estava no shopping com a mensagem “Apple, limpe a minha nuvem” –uma referência à nuvem de dados da Internet. Fantasiado de sol, um dos participantes lembrou que a energia solar tem um grande potencial de geração de energia limpa, mas ainda é pouco aproveitada. E no Brasil , terra da natureza, por mau exemplo só se projetam megausinas hidrelétricas e termoelétricas, energias como a Eólica e a Solar precisam ser incentivadas...Do lado de fora do shopping, voluntários do Greenpeace montaram um ponto verde para explicar ao público (que ainda não está em geral muito por dentro desta luta) os objetivos da campanha e sobre a necessidade de apostar em energias limpas, que não geram emissões de CO2. A queima do carvão, um combustível de origem fóssil, é uma das principais fontes de emissão de gases que causam as mudanças climáticas. “Este foi um protesto pacífico e bem humorado para pedir à Apple que deixe de contribuir com o aquecimento global, abandonando os combustíveis fósseis que movem seus datacenters”, disse Pedro Torres, da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil. “Quando as pessoas ao redor do mundo compartilham suas músicas ou fotos na nuvem, elas deveriam ter o direito de saber se ela é alimentada por energia limpa e segura”, disse ainda Pedro Torres, durante a manifestação. Protestos semelhantes aconteceram em outros países, incluindo os Estados Unidos, sede da Apple. Milhões de pessoas em todo o mundo utilizam os servidores da empresa ao armazenarem suas informações no serviço iCloud.
O Greenpeace Internacional publicou recentemente o relatório “How Clean is Your Cloud?” (“Quão limpa é a sua nuvem?”), em que avaliou que tipo de energia a Apple e outras treze empresas de TI (Tecnologia da Informação) utilizam para alimentar seus datacenters. Mais de 200 mil pessoas no planeta já assinaram a petição do Greenpeace para que a Apple, Amazon e Microsoft se comprometam a utilizar energias limpas para suas nuvens de armazenamento de dados. A petição está disponível na Internet pelo endereço: www.greenpeace.org/brasil/limpenossanuvem.

Fontes: http://www.greenpeace.com.br/
             http://folhaverdenews.blogspot.com/



3 comentários:

  1. Esta manifestação tem o valor também de integrar a TI com o desenvolvimento sustentável, não há realmente tecnologia top de linha se o processo industrial e o produto final não forem ecologicamente corretos, a ecologia e a sustentabilidade são o caminho mais rápido para mudar e avançar a realidade.

    ResponderExcluir
  2. São superimportantes tanto o socioambientalismo, a busca da justiça ambiental, como esta nova tendência tecnoambiental, a luta para aumentar o grau de qualidade dos processos e dos produtos de tecnologia de ponto a ponto de adiantar o desenvolvimento sustentável.

    ResponderExcluir
  3. Esta manifestação do Greenpeace hoje e as primeiras articulações dos ecologistas, cientistas, líderes de cidadania e de movimentos sociais para a Cúpula dos Povos, que será paralela à Conferência Mundial da ONU, a Rio+20, em breve, em junho, mostram que o conceito de desenvolvimento sustentável já está entrando em pauta. Sem ele, não haverá futuro, comentou o nosso editor deste blog.

    ResponderExcluir

Translation

translation