quarta-feira, 2 de maio de 2012

MILHARES DE PESSOAS DO POVO EM BH TOMAM PÉ DO VETA, DILMA

Manifestação no centro da capital mineira pede veto presidencial ao Código Florestal

Manifestantes em BH pediram publicamente Dilma Rousseff que vete toda a proposta do novo Código Florestal, aproveitando a movimentação de milhares de pessoas passando pelo centro de Belo Horizonte (MG), indo ou vindo de algum evento do Dia do Trabalhador ou para algum lazer nesse feriado de ontem: segundo avaliação do repórter Marcelo Ernesto, do jornal Estado de Minas, cerca de 150 pessoas se reuniram na manhã desta terça-feira para protestar na Praça 7, aproveitando o fluxo de gente neste primeiro de maio no centro da capital mineira: "Mais do que protesto, vejo um evento como esse como uma estratégia de contato e livre informação do povo sobre o conteúdo do Código Florestal ou...Desflorestal dos ruralistas, aprovado na Câmara pelos políticos mais retrógrados do país, mas reprovado pelos cientistas, ecologistas e parlamentares com consciência ambiental da realidade", comentou o editor do blog Folha Verde News, que está por estes dias em BH: "Atos públicos como esse são superimportantes porque esclarecem a população nas ruas, isso está acontecendo em todas as regiões brasileiras e logo boa parte da população também estará pedindo o veto da Presidente Dilma a este retrocesso na legislação do meio ambiente, que só favorece aos grandes produtores rurais, sem facilitar uma gestão sustentável da economia rural: só um equilíbrio entre o crescimento econômico no meio rural com a proteção legal da ecologia criará o futuro da Nação, o desenvolvimento sustentável que é essencial também para todos cidadãos e cidadãs brasileiros", argumentou o ecologista Padinha.  O movimento intitulado "Veta, Dilma" pede que a Presidente da República não sancione a proposta aprovada pelos deputados federais na semana passada. A maioria dos manifestantes em BH pediam veto presidencial à todo o texto e não somente a alguns pontos mais polêmicos da nova lei do uso da terra no Brasil, que ainda deverá ser promulgada ou vetada por Dilma Rousseff antes de entrar em vigor no país.

O movimento 'Veta, Dilma' reuniu cerca de 150 pessoas no Centro de BH nesta terça-feira (Paula Campos Pereira
)
Jovens universitários, lideranças socioambientais, de cidadania, verdes e pessoas de todos os setores se manifestaram

Neste feriado de 1° de maio, Dia do Trabalhador, estudantes e lideranças ligadas ao meio ambiente se reuniram na Praça 7, no Centro de Belo Horizonte, para se posicionar contrários à aprovação, pela Câmara dos Deputados, do texto do Novo Código Florestal. Cerca de 150 pessoas, convocadas através das redes sociais, tiveram a iniciativa de pedir que a Presidente Dilma não aprove a nova regra e contaram milhares de pessoas que passaram pelo centro ontem, algumas paravam para questionar o que estava acontecendo e recebiam explicações sobre o sentido da manifestação.  Com apitos e cartazes com a frase “Veta, Dilma”, o movimento despertou interesse  e houve até alguns aplausos e assobios de quem passava pela tradicional praça no final da manhã desta terça-feira. O texto do Código, aprovado na quarta-feira da semana passada, aguarda a sanção ou veto da presidente Dilma Rousseff, explicavam em resumo os manifestantes, ela precisa vetar a bem da ecologia e do país.
Na sessão da semana passada da Câmara, a sessão terminou com 274 posicionamentos favoráveis e 174 contrários, além de duas abstenções. A tramitação da proposta levou 13 anos. Nesse período, o texto foi alvo de muito impasse e negociações. Com a aprovação do texto do relator na Casa, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), o plenário da Casa impôs uma dura derrota ao governo, ao rejeitar a proposta do Senado, que era apoiada pelo Planalto. De acordo com Paula Campos Pereira, 19 anos, estudante de ciências socioambientais da UFMG, a nova regra que pretende disciplinar a questão ambiental no Brasil vai provocar muitos danos ao patrimônio natural brasileiro. “Esse é um código contra a natureza que vai provocar o aumento do desmatamento”. Para a estudante, chegou a hora da presidente Dilma Rousseff “cumprir com a promessa de campanha”. Os manifestantes prometem acompanhar de perto o assunto e pressionar para que Dilma Rousseff siga a tendência – apontada por alguns ministros -, de vetar parte do conteúdo da nova regra. Outra ação com o mesmo objetivo já está agendada para o próximo sábado, às 16hs, na Praça Afonso Arinos, também no centro de Belo Horizonte, uma das principais cidades brasileiras, uma das que têm maior vibração política e cultural, novamente liderando a cidadania, a população para criar o futuro do Brasil.

Fontes: www,em.com.br
              http://folhaverdenews.blogspot.com
 

4 comentários:

  1. Uma iniciativa de muito valor dos estudantes, de lideranças de cidadania e de alguns integrantes do PV de BH, este tipo de ato público com certeza deverá se repetir por todo o país até o posicionamento da Presidente Dilma, que parece estar disposta ao veto do Código Florestal tal qual foi aprovado na Câmara com maioria ruralista.

    ResponderExcluir
  2. Pedro Spósito Pereira, que estuda Biologia em BH, disse que depois do feriado a manifestação será maior, com a volta das aulas, "essa luta tá fervendo na UFMG e também no Facebook". Realmente, a cidadania não pode se silenciar diante do perigo desta legislação que para dizer pouco ameaça transformar o país da natureza no da desnatureza, sem a proteção da ecologia até a atividade agroindustrial e pecuária não avancarão como é necessário no país.

    ResponderExcluir
  3. Em síntese, assim como centenas de blogs e sites ligados nas questões ambientais, culturais e de cidadania também o Folha Verde News pede bom senso à Nação e o veto da Presidente Dilma a este texto cheio de limites e erros do Código Florestal.

    ResponderExcluir
  4. Não é à toa que BH foi a cidade em que Marina Silva teve mais votos nas eleições presidenciais de 2010, aqui na capital de Minas, ela ficou em primeiro lugar no primeiro turno, mostrando a força da cidadadia da sua população. Agora, mais uma vez.

    ResponderExcluir

Translation

translation