quinta-feira, 21 de junho de 2012

A DEPENDER DE FRANÇOIS HOLLANDE TEMOS QUE CRIAR O FUTURO JÁ

Presidente da França lamenta ausência de metas para financiar desenvolvimento sustentável

O presidente da França, François Hollande, segundo nos informa Isabel Fleck, do site Iberoamérica, lamentou, pós-primeira reunião dos 193 países na Rio+20, a falta de uma proposta mais forte sobre a questão de financiamentos ao desenvolvimento sustentável no planeta, dizendo que a França está disposta a instituir um imposto sobre transações financeiras para apoiar projetos nessa área, fazendo assim uma proposta objetiva aos governantes neste evento da ONU. "Mesmo com a menção no texto, os financiamentos inovadores não foram concretizados de fatoblá da. Evidentemente, existe a crise na Europa, em tantos países desenvolvidos, mas se não acrescentarmos novos financiamentos às ajudas previstas hoje, não conseguiremos atingir os objetivos que almejamos", disse Hollande, que considera ser a crise financeira superável com trabalho e inteligência, conforme afirmou em entrevista à saída do Riocentro para a Rádio Bandeirantes de São Paulo, fala reproduzida também na Rádio Imperador AM, da macrorregião de Franca, com audiência até na Serra da Canastra. Ainda ontem, já em Belo Horizonte, onde está ligado a um link direto da Unic (órgão da imprensa da ONU), o editor do nosso blog Folha Verde News, o repórter e ecologista Padinha, já havia distribuído via o Facebook uma mensagem, considerando Hollande como o destaque maior entre os chefes de estado da conferência mundial do Rio de Janeiro: "Ele foi a exceção, deixou claras as suas posições, deu alternativas para a implantação de uma gestão sustentável nos países da Terra, quer dizer, cumpriu a meta ideal da Rio+20, ao contrário do blá blá blá da maioria".
François Hollande considerou que o texto da Rio+20, concluído pelo Brasil na pressa de uma madrugada , apresenta mesmo com erros e limites cinco avanços: o estabelecimento de um cronograma para os objetivos do desenvolvimento sustentável, o reforço do Pnuma (Programa da ONU sobre o Meio Ambiente), o acordo sobre a preservação dos oceanos, o debate sobre a economia verde e a ênfase em questões sociais. "Mas apesar dos resultados significativos, o compromisso que foi adotado aqui fica aquém das nossas responsabilidades e das expectativas", disse, destacando que a França apóia a transformação do Pnuma em uma agência internacional de meio ambiente e sustentabilidade -- o que ficou de fora do texto. Ele ainda destacou que essa não é a hora de "fomentar divisões entre Norte e Sul". "Não existe apenas a questão financeira, mas também a crise ecológica. O desenvolvimento sustentável é uma causa planetária e de extrema urgência", falou à rede de rádios. Nosso blog de ecologia e de cidadania cumprimenta o novo Presidente da França, que por esssas e outras, representa uma expectativa nova de liderança positiva na ONU para  mudar a realidade atual e criar uma outra, algo que deveria ser o foco da Rio+20.

Um olhar diferente sobre a realidade de agora no Rio, na Rio+20 e no mundo...

A inteligência e a boa vontade de Hollande o destacou entre outros 193 chefes de países

Ele foi um dos poucos que pede implantação já de sistemas de energia mais ecológicos


Fontes: www.iberoamerica.net
             Rádio Bandeirantes de SP
             http://folhaverdenews.blogspot.com

5 comentários:

  1. O nosso editor Padinha e outros da equipe do nosso blog e do documentário sobre Não-Violência tiveram um contato pessoal com a jornalista Isabel Fleck na Colônia em Jacarepaguá, onde os índios de vbários tribos e de variados países buscavam um documento para incentivar posições como a de François Hollande.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, para a Rio+20 não ficar só no oba oba das autoridades ou de certa midia nem no blá blás blá da maioria, é preciso urgente trraçar planos, metas, financiar a implantação da sustentabilidade, equilibrar economia com ecologia, enfim, realizar a missão a que se propõe a conferência mundial da ONU.

    ResponderExcluir
  3. Aqui neste webespaço, nos flashes de informação da Imperador AM, no documentário que estamos realizando, nossa proposta é buscar alternativas viáveis para mudar a realidade de hoje e criar o futuro.

    ResponderExcluir
  4. Aliás, a delegação francesa na Rio+20 é uma das mais completas, inclusive o diretor executivo desta conferência mundial da ONU é francês, o diplomata Lalonde, que foi quem recebeu com atenção no Riocentro os documentos dos índios e da Não-Violência, entregues pela equipe do documentário que estamos fazendo, que passou pelo Rio e pela Rio+20 mas continua em frente.

    ResponderExcluir
  5. Já há negociações para que este documentário "Não-Violência X Fim do Mundo" seja exibido como um especial numa rede nacional de TV, avançando a nossa equipe e os ideais da nossa luta.

    ResponderExcluir

Translation

translation