terça-feira, 19 de junho de 2012

MANIFESTAÇÕES E CONGESTIONAMENTO DE TRÂNSITO E DE IDÉIAS NA RIO+20

Energia Sustentável para Todos, recomenda o Secretário-Geral da ONU na conferência mundial
O Rio de Janeiro continua lindo, embora poluido, as praias  - com exceção da que fica no Recreio Bandeirantes tem excesso de esgoto – continuam sendo frequentadas e a brisa que vem do mar atenua os efeitos do monóxido de carbono dos carros, se bem que a cada dia o maior desafio é vencer o trânsito muito intenso entre os vários pontos em que acontecem eventos ligados à Conferência Mundial da ONU sobre meio ambniente e desenvolvimento sustentável, entre os três anexos do Riocentro e o Aterro do Flmanengo, ali onde fica a Cúpula dos Povos dos movimentos sociambientais, que se divide em atividades também por outros endereços como a Colônia em Jacerepaguá. Congestionamento não só de carros e ônibus, cortados por motos dos batedores oficiais, mas também de idéias e propostas diferentes para a mesma Rio+20. A representação brasileira passou a madrugada discutindo o texto base que começa a ser discutido e será votado pelas 193 delegações de países presentes. Enquanto o Brasil omite alguns temas fundamentais para a ecologia do meio ambiente, europeus afirmam não terem recursos para financiar a implantação do desenvolvimento sustentável no planeta, que inicialmente terá uma verba de cerca de 40 bilhões de dólares. Enquanto as autoridades precisam vencer a burocracia e os protocolos para avançarem a discussão técnica, a população pressiona para que a Rio+20 não fique apenas no oba oba ou no blá blá blá. Houve várias manifestações de índios, jovens e mulheres, todas apoiadas por ecologistas, o que se espera é que após esta guerra pelo futuro e pela paz, haja um resultado, compensando o esforço de mais de 50 mil pessoas que vieram, de todo o país e de todo o planeta, pressionar a Conferência Mundial no Rio para que ela possa mudar e avaçar a atual realidade. A nossa equipe do blog Folha Verde News também participou deste esforço pela sustentabilidade ou equilíbrio entre economia e ecologia, algo que é o caminho para uma melhor qualidade ou condição de vida humana, avançando a criação do futuro.

Dois ou três destaques entre centenas de inciativas e acontecimentos

Índios, entre os quais Gaspar Waratzere Tsiuari, da aldeia de Namunkurá, Mato Grosso, entregaram para o diretor executivo da Rio+20, o diplomata francês Lelonde um documento sugerindo avanços da cultura da vida (não-violência) como também essenciais entre as medidas que deveriam ser implantadas no planeta para viuabilizar um desenvolvimento sustentável. A iniciativa Energia Sustentável para Todos do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, começa a ser  apresentada em diversos eventos entre hoje e 21 de junho, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no Rio de Janeiro. O projeto foi lançado pelo Secretário-Geral em setembro de 2011. O plano global coloca juntos grupos de governantes, de empresários e da sociedade civil em um esforço sem precedentes para transformar os sistemas de geração de energia do mundo até 2030. O Secretário-Geral estabeleceu três objetivos complementares para a iniciativa, todos a serem alcançados até 2030: garantir o acesso universal a serviços modernos de energia, dobrar a taxa global de melhoria da eficiência energética e duplicar a participação das energias renováveis na matriz energética global. Isso tem muito a aver também com o Brasil, cujo governo tem optado por megausinas hidrelétricas (algumas planejada para a Amazônia) e termoelétricas ao invés de priorizar as energias eólica e solar, que são a tecnologia sutentável.
Ambientalistas pedem veto ao Código Florestal, índios protestam no BNDES contra fundo de investimento da Amazônia e mulheres com seios de fora reivindicam direitos, enquanto que estudantes apóiam indígenas e ecologistas no Aterro do Flamengo que pedem pelos ideais da Rio+20 nas ruas, enquanto as decisões das autoridades governamentais começam a ser tomadas hoje no Riocentro. Entre os dois pontos, cogestionamento monstro do trânsito no Rio de Janeiro, congestionamento maior ainda de propostas para mudar a realidade e viabilizar a vida do futuro. (Padinha)

Foi entregue ao diplomada francês Brice Lalonde, diretor executivo da Rio+20, documnento da Não-Violência
 
Dezenas de eventos e manifestações, congestionamento de trânmsito e de idéias na Rio+20

Fontes: http://www.sustainableenergyforall.org/
              Agência Brasil
              http://folhaverdenews.blogspot.com/     

3 comentários:

  1. Nossa equipe do blog de ecologia e de cidadania, reforçada por um camera man da RS Produtora e por dois indígenas, um do Mato Grosso e outro do Maranhão, durante cinco dias no Rio e na Rio+20 ficamos documentando os acontecimentos da reunião mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável; Aguarde a seguir um resumo também desta luta cult.

    ResponderExcluir
  2. Mais de 50 mil pessoas, pode chegar a 100 mil até sábado a multidão de cidadãos e cidadãs, de todo o mundo e das várias regiões brasileiras, que no Rio de Janeiro tentam marcar o início de uma reviravolta na realidade que possa levar a um desenvolvimento sustentável.

    ResponderExcluir
  3. A pressão moral desta multidão verde e mais a conferência oficial da ONU, como 193 delegações de países, tudo isso junto por si só já representa um março na história da busca de uma realidade sustentável entre o avanço da economia e a proteção da ecologia. Mas estamos apenas no começo desta guerra pela criação do futuro.

    ResponderExcluir

Translation

translation