quarta-feira, 6 de junho de 2012

PRESIDENTE DO BRASIL LANÇA PACOTE ECOLÓGICO

Mídia faz silêncio cinza sobre o pacote verde do Governo Dilma às vésperas da Rio+20

Quanto mais Dilma Rousseff se aproximar dos ideais verdes, não só em relação à Rio+20 mas também em busca de uma gestão pública de desenvolvimento sustentável (equilibrando economia com ecologia, o que não aconteceu nos casos do Código (des)Florestal nem das megausinas como Belo Monte etc.), de toda forma, com todos erros e limites este pacote ambiental sinaliza uma direção. E apesar de todos os pesares, mesmo eu e a maioria dos ecologistas, cientistas, líderes socioaombientais e de cidadania também, estarmos numa posição crítica em relação à Rio+20 e o posicionamento do Brasil e das autoridades dos mais de 180 países que debaterão nosso futuro, mesmo assim, com tudo isso, a gente tem que cumprimentar este conjunto de iniciativas: se as expectativas não são as melhores do mundo em relação à conferência das Naçoes Unidcas no Rio de Janeiro já por começar, em alguns pontos, o Governo Dilma nos dá alguma esperança que sim, pelo menos foi isso que se deu ontem, no dia mundial do meio ambiente...Muito nos incomoda, tanto à nossa equipe aqui do blog Folha Verde News, como aos técnicos mais especializados em ecologia e sustentabilidade, além de equívocos governamentais e da estrutura como está sendo montada a Con ferência da ONU e os eventos paralelos (no caso, a Cúpula dos Povos e o Global Greens, todos acontecendo ao mesmo tempo mas sem interação entre eles, uma reunião internacional sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável onde a ecologia não é a protagonista...), de toda forma, mesmo assim, a Rio+20 ao custo de uns 5 bilhões de dólares poderá vir a ser um avanço para mudar a realidade (Estados Unidos e China não querem bem isso) e semear a criação do nosso futuro no país no planeta. Ontem, a caminho de uma debate entre ecologistas, professores e estudantes da Faculdade de História da Unesp Franca, um motorista de taxi me respondeu sobre o que ele achava da Rio+20 com uma outra pergunta: "Isso tem a ver com a Copa do Mundo?"...A desinformação tem a ver também com
o silêncio cinza de parte da mídia que não informa exatamente ou desinforma quase sempre e não só sobre o evento mundial no Rio de Janeiro, que já está para começar semana que vem. A Presidenta da República lança um pacote ecológico no dia do meio ambiente e...predomina o silêncio sobre estas atitudes positivas, mesmo que sejam exceção, elas comprovam que nem só de fatos negativos vive a política no Brasil. (Padinha)

“Crescer, distribuir renda e usufruir da riqueza sem preservar é egoísmo burro”, falou a Presidente Dilma no Dia Mundial do Meio Ambiente em Brasília, pré-Rio+20 da ONU 


Presidenta lança em Brasília pacote de bondades ambientais e indigenistas às vésperas da Rio+20

Em oportuna entrega do espaço da Rio+20 para a ONU sediar a Conferência Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, ontem, dia internacional do Meio Ambiente, Dilma Roussef assinou um série de medidas positivas, anunciou o menor desmatamento da Amazônia Legal dos últimos 23 anos (um processo de avanço que começou com a ex-ministra Marina Silva, é justo que se diga), também lançou o selo postal da Conferência da ONU em nosso país e hasteou em tempo real as bandeiras do Brasil, da ONU e do Rio de Janeiro no RioCentro (RJ), sede da reunião de mais de 180 chefes de estado de todo o planeta entre 15 e 23 de junho. Foi tudo em uma cerimônia que reuniu mais de 500 convidados no Salão Nobre do Palácio do Planalto em Brasília, sob a regência do Maestro João Carlos Martins, que orquestrou ao vivo a música-tema do evento. Coube à atual ministra do Meio Ambiente, Izabela Teixeira, anunciar, em tom de comemoração, que entre agosto de 2010 e julho de 2011 a Amazônia Legal teve 6.418 quilômetros desmatados, o menor índice desde 1988, inclusive por ser 8% a menos que no período anterior. A ministra anunciou também que o Brasil já reduziu voluntariamente 30,4% das emissões de gases nocivos e que está próximo da meta de reduzir 36,1% até 2020.


O diplomata francês Lalonde, que preside a Rio+20 da ONU no Brasil agora, gostou 

O evento já está por começar entre dúvidas e esperanças

Também os indígenas estão entre os beneficiados pelo pacote da bondade como o chamou a grande mídiua

Dilma Rousseff buscou criar uma atmosfera positiva para o Brasil e para a Conferência da ONU

O chamado pacote de bondades: críticas e otimismo

Dentro das festividades do Dia Mundial do Meio Ambiente, a Presidente Dilma assinou decreto presidencial que cria o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema, que divide os estados de São Paulo e Paraná e abrange 247 municípios. O Comitê terá caráter deliberativo e permitirá a gestão integrada dos recursos disponíveis no local. Este é o oitavo Comitê de Bacia Hidrográfica brasileiro. Ela também encaminhou duas mensagens ao Congresso Nacional. Uma para ratificar o Protocolo de Nagóia, que reconhece a soberania de cada nação sobre os recursos naturais e estabelece mecanismos e critérios para o acesso ao patrimônio genético e conhecimentos tradicionais associados. A segunda mensagem foi de aprovação da Convenção de Bonn para a proteção de espécies migratórias de animais silvestres. Também, foram criadas ainda duas Reservas Biológicas, a do Bom Jesus no Paraná e a do Parque Nacional Furna Feia, no Rio Grande do Norte. Isso, além da ampliação de três áreas de proteção: Parque Nacional do Descobrimento (BA), Floresta Nacional Araripe-Apodi (CE) e Floresta Nacional Goytacazes (ES). Outros decretos importantes também foram assinados ainda ontem: o que regulamenta e favorece as compras governamentais de cadeias produtivas sustentáveis; o que cria o Programa Nacional de Gestão Ambiental nas áreas indígenas, de caráter interministerial; e o que cria o Comitê Nacional de Saúde Indígena, também interministerial. Funcionarão para as suas finalidades? Era a questão levantada por opositores. Mas, a  Presidenta  da República reforçou ainda o valor do papel do desenvolvimento sustentável na superação da crise mundial financeira. Apesar de não utilizar o termo ‘economia verde’, Dilma ressaltou que não existe desculpa para deixar de lado o desenvolvimento sustentável nem do Brasil nem da Terra. Dilma Rousseff ainda deu o recado: quer que a Rio+20 sirva para discutir um novo marco do crescimento econômico, com uma nova relação de consumo, sem diminuir incentivos nem distribuição de renda, mas com um estado forte e regulador da atividade econômica e do mercado financeiro. Bandeira levantada e sugerida pelos verdes há mais de 20 anos, comentou ao vivo um dos líderes nacionais do PV durante este ato público que cria uma atmosfera brasileira bem mais ecológica do que erros ou limites como o Código Florestal, Belo Monte e toda uma falta de gestão sustentável no país da natureza ou da desnatureza, para os mais críticos. Esperam os mais otimistas que esta atmosfera se transforme em fatos na realidade do Brasil e das nações a partir deste evento histórico da ONU no Brasil agora.

Fontes: Agência Brasil
             http://www.pv.org.br/
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

4 comentários:

  1. O Governo Dilma lança no dia do meio ambiente um pacote ecológico mas a grande mídia só fala em vetos da Presidenta a alguns pontos da lei da Copa do Mundo de Futebol, em 2004...

    ResponderExcluir
  2. Como relata o editor de nosso blog, a caminho de um debate sobre a Rio+20 na Unesp, um motorista de taxi lhe perguntou se isso tem a ver com a Copa do Mundo...Enfim, a população e também muitas autoridades não estão suficientemente informadas sobre a importância da Conferência Mundial da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável no Brasil agora. Cabe a nós da webmídia preencher este vácuo de informação, apoiando o que é certo e criticando o que é errado, com liberdade e isenção, o que o grande mídia não tem.

    ResponderExcluir
  3. Quanto à Rio+20 há erros fundamentais na estrutura do evento: além da reunião dos 180 países no RioCentro, haverá algunms eventos paralelos também no Rio de Janeiro e tudo ao mesmo tempo, como a Cúpula dos Povos (do movimento social e entidades de classe do país e de vários países), como o Global Greens (encontro de lideranças do PV de todos os cantos da Terra) e outras atividades, mas todas elas não tem uma coordenação ou um interação, algo que poderia aumentar o potencial de acertos da Conferência da ONU, ouvindo assim mais a sociedade civil, os cientistas e ecologistas que deveriam ser os protagonistas deste acontecimento.

    ResponderExcluir
  4. Com tudo isso e apesar de tudo, se não há tanta expectativa otimista entre os que são especializados em desenvolvimento sustentável e meio ambiente, pelo menos, já estamos com alguma esperança que haja algum avanço neste sentido da criação do futuro, que é uma força coletiva e até cósmica, universal, que pode influir como será a nossa vida nos próximos anos, esperamos que com menos desastres ambientais, climáticos, menos desequilíbrios sociais e menor violência, aliás, a não-violência, a cultura da vida deveria também ser prioridade na Rio+20...

    ResponderExcluir

Translation

translation