quinta-feira, 7 de junho de 2012

RIO+20 JÁ SOB A COORDENAÇÃO DE BRICE LALONDE DA ONU


A Rio+20 no Brasil já é um território internacional da Organização das Nações Unidas

Ex-ministro de meio ambiente na França, o diplomata Brice Lalonde é o diretor executivo da Rio+20, escolhido para esta função pela ONU, que já dirige no Riocentro as operações para a realização da Conferência Mundial da Organização das Nações Unidas sobre desenvolvimento sustentável: Lalonde tem visão ecológica da realidade e numa de suas raras entrevistas, concedidas recentemente em Manaus, mostrou empenho a favor das energias renováveis, como a Eólica e a Solar, para buscar a sustentabilidade no planeta: "Os combustíveis e o petróleo estão caríssimos e por isso precisamos definir na Rio+20 políticas claras sobre uma energia sustentável para todos". Nomeado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para coordenar a conferência, Lalonde enfatizou a importância de economizar energia para torná-la mais eficiente: "Necessitamos de uma energia renovável e mais limpa que possibilite o acesso à água e ao saneamento básico". Outra autoridade da ONU, a ex-primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland  ressaltou que a questão da energia será um dos grandes focos da Rio+20, com a discussão da proposta 'Energia para Todos', como é a proposta do secretário-geral da ONU. "É crucial levar os novos tipos de energia não só para os ricos ou para a classe média, mas para os pobres também", frisou Gro Harlem, que se referiu também à exploração dos recursos naturais na Amazônia, muitos deles para fins energéticos: 'Esses recursos são extremamente importantes para o impacto global, mas é necessário tomar cuidado em como serão explorados', advertiu a norueguesa, sem fazer referência direta à construção da hidroelétrica de Belo Monte, alvo de críticas dos ambientalistas.Sem se referia também à pol^^emica ruralistas versus ambientalistas na questão do Código Florestal, Brice Lalonde e Gro Harlem comentaram que o Brasil é responsável na exploração de seus recursos, mas alertaram para os riscos de ter que enfrentar problemas de repercussão internacional. Alguns países já têm know-how em problemas ambientais, como a própria Noruega na questão do petróleo, talvez um dos avanços da Conferência da ONU seja um aumento das informações para cada país escolher seu caminho para a sustentabilidade e a criação do futuro. (Padinha)

A Rio+20 da ONU na prática já está começando
Apesar de oficialmente as principais reuniões entre chefes de estado estarem agendadas por volta do dia 20 de junho, praticamente já começaram os trabalhos no Riocentro para a Conferência Mundial da ONU sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável, 20 anos depois da pioneira ECO-92 e agora com mais estrutura. O Brasil entregou ainda na terça-feira à Organização das Nações Unidas, em um ato simbólico, a soberania do centro de convenções Riocentro, no Rio de Janeiro, onde será realizada a reunião de representantes de cerca 180 países, a Rio+20, cujos trabalhos se desenvolverão no período de duas semanas. Na cerimônia as bandeiras da ONU, do Brasil e outra com o logotipo da Rio+20 foram hasteadas. Aproximadamente 100 chefes de Estado e de Governo, além de 50 mil delegados de pelo menos 176 países já confirmaram a participação no evento. A Rio+20 pretende dar um novo impulso às agendas do meio ambiente e de redução da pobreza, abordando temas como o conceito de economia verde e a possibilidade de reformar os organismos da ONU dedicados ao desenvolvimento sustentável.
Com o ato de entrega da soberania, a ONU passa a tramitar a organização e a segurança interna do centro de convenções, no bairro de Jacarepaguá, cerca de 40 quilômetros do centro do Rio de Janeiro, até o dia 23 de junho, um dia depois do encerramento da conferência, quando a estrutura internacional será desativada. O Riocentro possui 100 mil metros quadrados, uma área quatro vezes maior à utilizada na Cúpula da Terra, e abrigará 14 salas de conferências e um salão de plenárias com capacidade para 2,5 mil pessoas. Em paralelo à entrega de soberania, as autoridades brasileiras iniciaram nesta terça o plano de segurança, no qual vão trabalhar 15 mil policiais. Além da conferência, a Rio+20 vai contar com centenas de outras atividades, que vão começar no próximo dia 13 em diversos pontos da cidade. O evento paralelo mais importante é a chamada Cúpula dos Povos, que reunirá cerca de 20 mil militantes de organizações e movimentos sociais, segundo seus organizadores. Acontecerá também uma edição especial do Global Greens (encontro internacional dos Verdes de cerca de 100 países), reunido pesquisadores e filiados ao PV de todo o mundo. Já a organização World Wildlife Fund (WWF) advertiu nesta terça-feira para o risco de fracasso da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20, devido à falta de compromisso e de liderança por parte de alguns dos governantes, como dos Estados Unidos e da China.
"Neste momento estamos muito longe de onde deveríamos nas negociações", manifestou em comunicado o diretor-geral de WWF, Jim Leape, que considerou no entanto que "os líderes mundiais ainda têm uma oportunidade única no Rio para colocar o mundo no caminho do desenvolvimento sustentável". Esta respeitada entidade ambientalista que atua em centenas de países expressou sua preocupação pelo ocorrido neste fim de semana, quando as conversas entre os países se dividiram em 19 diálogos independentes, cada um deles com desacordos internos sobre a maneira e o processo a ser seguido na Rio+20: os países ainda estão muito afastados uns dos outros para facilitar uma minuta de acordo significativo que possa ser aprovado por pelo menos 120 chefes de Estado na reunião da ONU no Rio. Uma equipe do nosso blog de ecologia e de cidadania e de atualidades, Folha Verde News, ficará por 8 dias no Rio de Janeiro produzindo notícias, imagens em vídeo e em fotografia, fazendo flashes para a Rádio Imperador AM (que tem alcance regional entre o nordeste do estado de São Paulo e o sudoeste de Minas Gerais, região perto da Serra da Canastra), distribuindo em português, espanhol, francês e em inglês mensagens da não-violência (ecologia humana, cultura da vida) e em especial, cobrindo ao vivo a Rio+20, também os eventos paralelos ou simultâneos, como as inicitivas independentes da sociedade civil (por exemplo, a distribuição de sementes da Crotalária, pela MacBoot, planta que ajuda no combate ao mosquito Aedes Egpity que causa a Denge, problema atual da Grande Rio). Enfim, nosso blog também se desloca para o Rio de Janeirto a partir da semana que vem para assim colaborar via a informação para os objetivos maiores deste acontecimento da maior importância para a evolução do ser ser humano e também dos países, rumo à criação do futuro.


Bastidores da Rio+20 já sendo preparada para a conferência mundial

O diretor executivo do evento da ONU tem visão ecológica

A liberdade de informação é um dos temas da Folha Verde News na Cúpula dos Povos e no Global Grenns, eventos paralelos à Rio+20 da ONU

Uma das lutas da não-violência é a liberdade cultural, religiosa e política do Tibet

Brice Lalonde e Gro Harlem, da França e da Noruega, priorizam as energias renováveis nos debates

Fontes: EFE
             http://www.terra.com.br/
             http://www.uol.com.br/
             http://www.wwf.org.br/
             BBC
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

3 comentários:

  1. Um dos acontecimentos mais importantes da atualidade e por nossa sorte, aqui no Brasil, onde todos nas ruas e na grande mídia, só falam da Copa do Mundo, esquecendo que a Rio+20 poderá vir a ser um marco para mudar e avançar a atual realidade.

    ResponderExcluir
  2. Nesta edição de hoje neste feriado de Corpus Christi, estamos p0ublicando aqui neste post do nosso blog de ecologia, cidadania e atualidades as principais informações para você se posicionar sobre a Rio+20 da ONU e também para você conhecer a visão da nossa equipe da Folhas Verde News, indo à luta para tornar realidade o tema central da Conferência da ONU no Rio de Janeiro agora.

    ResponderExcluir
  3. Sejam governamentais ou iniciativas da sociedade civil ou dos movimentos sociais e populares ou das lideranças socioambientais e da cidadania ou de cientistas, ecologistas, produtores culturais ou jornalistas em especial os que atuam em blogs e sites de ecologia, a Rio+20 da ONU poderá se tornar um evento de todo o ser humano que ama a vida e vai à luta pela criação do nosso futuro, ameaçado em todos os cantos da Terra hoje em dia.

    ResponderExcluir

Translation

translation