domingo, 22 de julho de 2012

AUMENTA A VIOLÊNCIA NO BRASIL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Mais de um quarto das mortes de crianças e adolescentes registradas em 2010 foi causada por fatos ligados à violência

Johan Ordonez/AFP
Criança faz desenhos em homenagem ao "Dia contra a Violência contra a Criança e o Adolescente" na Guatemala em 2010
Desenho de criança para ilustrar a situação da violência que a garotada anda sofrendo em todas regiões do Brasil
 Uma criança faz desenhos em homenagem ao "Dia contra a Violência contra a Criança e o Adolescente": esta arte que mostramos é o destaque na agência France Press e vira simbolo da luta contra esta situação, a taxa de mortes violentas entre  crianças e jovens subiu 375,9% em 30 anos. Também a revista Exame registra que aproximadamente 26% das mortes entre crianças e adolescentes registradas em 2010 foi causada por fatos ligados à violência. Este contexto está também no "Mapa da Violência 2012 - Crianças e Adolescentes do Brasil", um estudo elaborado com base em estatísticas oficiais e divulgado nesta semana. Essa taxa representa um aumento de 375,9% nas mortes violentas nesta faixa de idade em comparação com os números obtidos há três décadas, defende o estudo que foi apresentado pelo coordenador Julio Jacobo Waiselfisz, pesquisador da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso). Elaborado com base nos dados dos ministérios da Saúde e da Justiça, o estudo qualifica como 'violenta' as mortes que são estão diretamente relacionadas com assassinatos, acidentes e suicídios. Segundo o relatório, 8.686 meninos e adolescentes (de até 19 anos) foram assassinados no Brasil durante 2010, o que supõe uma taxa de 13,8 mortes para cada 100 mil pessoas entre a população desta faixa etária, que, por sua vez, representa 43,3% do total de vítimas. Os acidentes de trânsito representaram 27,2% das mortes violentas, enquanto a taxa relacionada com outros tipos de fatos e suicídios ficou situada em 19,7%.
O "Mapa da Violência" faz um estudo comparativo com outros países e situa o Brasil como o quarto mais perigoso para os adolescentes, ficando atrás somente de El Salvador (18 assassinatos para cada 100 mil habitantes), Venezuela (15,5) e Trinidad e Tobago (14,3). Além desta comparação, o estudo também identifica as regiões mais violentas do país. Desta forma, o estado de Alagoas registra os piores índices, com uma taxa de 34,8 mortes para cada 100 mil crianças e adolescentes. Apesar dos números divulgados causarem certa preocupação, o relatório também destaca alguns casos menos negativos, como o do Rio de Janeiro, que no ano 2000 era o mais violento do país para os adolescentes, com uma taxa de 25,9 mortes para cada 100 mil, que acabou sendo reduzida a 17,2 em 2010. "De toda forma, as sociedades de consumo como as do Brasil são uma realidade de violência para toda a populaçao e sacrifica a qualidade de vida em especial das crianças, também dos jovens, ou seja, é uma realidade que precisa ser mudada em sua estrutura", comenta por sua vez o editor do Folha Verde News, o ecologista Padinha ao divulgar estes números, ressaltando ainda que "existem variadas formas de violência que não foram enfocadas por estas estatísticas e complicam mais ainda a situação, muito longe de ser positiva, humana, sustentável".

Fontes: France Press
             http://exame.abril.com.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com

3 comentários:

  1. Se existe uma razão para uma mudança radical na atualidade do Brasil (e da maioria dos países) são estres dados do Mapara da Violência, que estão sendo divulgados em todo o planeta, mesmo porque revela os erros, limites e contradições das sociedades de consumo de hoje em dia.

    ResponderExcluir
  2. Nosso blog que há 2 anos vem lutando para alertar sobre o valor da não-violência, como um dos conteúdos que podem mudar a realidade desumana e insustentável da atualidade, posta estas informações como mais um alerta e como um estímulo a mudanças na realidade.

    ResponderExcluir
  3. São tantos os casos e tamanha a variedade das formas de violência no país e no planeta que muitos nem ficam mais chocados com a situação, mas com certeza precisamos recuperar a condição humana de vida como o ponto inicial para um desenvolvimento realmente sustentável, equilibrado, para que exista chance de futuro aqui e em toda a Terra.

    ResponderExcluir

Translation

translation