segunda-feira, 16 de julho de 2012

ÍNDIOS COLOMBIANOS NÃO QUEREM VIOLÊNCIA EM SUAS TERRAS

Indígenas colombianos querem Farc e Exército fora de suas terras que consideram sagradas


Grupos indígenas colombianos se negaram a negociar com o presidente Juan Manuel Santos, após darem início a um movimento também contra a presença de guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) ou de quaisquer militares em seus territórios, na região do Vale do Cauca, que são terras consideradas sagradas pelos Nasas, povo daquelas florestas, agora invadidas pelos conflitos entre Farc e Governo da Colômbia. Para tentar achar uma solução, líderes dos indígenas Nasa subiram às montanhas próximas de Toribío para encontrar os membros das Farc, pediram que o grupo parasse de bombardear a cidade, a floresta e deixasse a região. Simultaneamente, outro grupo indígena da mesma tribo Nasa foi até a base dos militares do governo dentro de Toribío e desmontou suas barricadas, pedindo também que deixassem aquela região, que fica ao norte do Cauca. Indígenas disseram acreditar que a melhora das fortificações do Exército da Colômbia em Toribío (algo de que participou também o governo dos Estados Unidos) acabaram por tornar os ataques das Farc contra o povoado mais violentos. Só na sexta-feira, combates junto a um posto policial fizeram dez mortos, mais de cem feridos, diversas casas danificadas e matas incendiadas. O Presidente da Colômbia, Santos chegou nesta quarta-feira a Toribío para uma reunião simbólica de seu gabinete de ministros a fim de buscar alternativas para reduzir a violência naquela região. "Nós não o convidamos. Não vamos validar nenhuma decisão que seja tomada pelo conselho de ministros", afirmou Feliciano Valencia, porta-voz da Associação dos Conselhos Indígenas do Norte do Cauca. Já o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Carlos Pinzón, afirmou que o pedido dos indígenas não será atendido, na medida em que as Forças Armadas manterão sua presença na área por questões de segurança nacional. Só nos últimos 2 meses, mais de 2 mil militares do Exército da Colômbia chegaram ao Vale do Cauca.
Um outro detalhe: a caixa-preta do caça de fabricação da Embraer utilizado pela Força Aérea colombiana que caiu durante operação de combate às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) na última semana está em mãos de indígenas em Cauca (sudoeste do país), local da queda. As Farc reivindicam haver derrubado a aeronave. Os dois militares que a tripulavam morreram no incidente. As Forças Armadas da Colômbia rejeitam que as Farc tenham derrubado o caça, mas dizem precisar da caixa-preta para esclarecer as causas do acidente. Os índios Nasa exigem o fim dos combates entre os militares colombianos e as Farc em suas terras, que julgam sagradas.
O juiz espanhol Baltasar Garzón será o mediador entre o Governo Santos e os índios. Mas o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que não cederá “um só centímetro” do território de seu país como pediram indígenas que moram em uma região de confronto entre os militares e membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Um dos líderes da Associação do Conselho dos Índios do Norte de Cauca afirmou que a população toda da região e os indígenas também só querem viver em paz.


Índios entre o fogo cruzado das Farcs e Governo da Colômbia



Indígenas e Presidente Colombiano tentam dialogar em Cauca

Na edição de ontem citamosa ecologia dos índios do sudeste da Colômbia...

...hoje, do nordeste colombiano, onde índios e povo estão ameaçados pela violência
Fontes: BBC
             http://www.uol.com.br/                                                                                                               
             http://www.correiodobrasil.com.br/
             Ansa
             http://folhaverdenews.blogspot.com/

4 comentários:

  1. Ontem o blog Folha Verde News citava a luta pela ecologia dos índios Barasanos no sudeste da Colômbia, hoje, no nordeste deste país em guerra civil entre as Farcs e o Exército, indígenas Nasa lutam para que suas terras sagradas e o povo não sejam destruídos pela violência deste conflito.

    ResponderExcluir
  2. O apoio dos Estados Unidos ao Exército da Colômbia em seu conflito contra traficantes de drogas e guerrilheiros das Farcs acabou por fortalecer a intensidade das lutas em algumas regiões, como em Cauca. A política internacional, grandes interesses, problemas de tráfico e causas que nada têm a ver com a cultura e a realidade indígenas, invadindo e destruindo a paz do seu dia a dia na floresta.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez os indígenas da Colômbia são protagonistas de manchetes na realidade de violência do planeta agora, justamente eles que buscam viver fora dos erros e limites das atuais sociedades de consumo, como é o caso destes índios Nasa, que pedem paz, por eles e pelo povo do país.

    ResponderExcluir
  4. Realmente, a voz dos índios Nasa é também profética, no sentido de que conflitos cada vez mais violentos cresçam na América do Sul, a partir da Colômbia. Além dos erros e limites da sociedade de consumo, da violência da realidade, os povos da floresta enfrentam também outros conflitos que podem dizimar natureza, tradições e população. Que interesses estão por trás do conflito?...

    ResponderExcluir

Translation

translation