sábado, 11 de agosto de 2012

LÍDERES INDÍGENAS E DA CIDADANIA, DA ECOLOGIA QUEREM MUDAR ESTA REALIDADE


Nas aldeias, três em cada dez índios são analfabetos em Português por culpa do Governo

 (Marcello Casal)
Grande parte dos índios domina a língua nativa de sua etnia mas não tem chance de ampliar sua vida cult

Abrimos espaço para esta luta cultural dos índios, bem como do movimento ecológico e de cidadania, reivindicando que o sistema de educação alcance as aldeias e tribos de todas as regiões do Brasil: aqui no blog Folha Verde News, um resumo das informações da Agência Brasil e do site do jornal Estado de Minas sobre este ângulo da questão educacional: embora os índios sejam considerados mais protegidos dentro de suas terras, onde é maior o percentual daqueles que ainda têm língua própria, nativa, sendo capazes de reconhecer a própria etnia, o analfabetismo em termos de domínio da Língua Portuguesa, oficial em nosso país, é considerado elevado dentro das aldeias e demais povos da floresta, conforme constatou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Dados do Censo de 2010 revelam que a taxa de analfabetismo dos índios com 15 anos ou mais de idade (em português ou no idioma indígena) passou de 26,1% para 23,3%, de 2000 a 2010, acompanhando a redução da taxa entre a população brasileira (de 12,9% para 9,6%). Na área rural, porém, dentro das aldeias, três em cada dez índios são analfabetos (32,4%). Fora delas, o percentual é 15%.
Na avaliação do estudioso da população indígena e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), João Pacheco Oliveira, a divergência de dados revela a necessidade de mais políticas públicas de educação focadas na diversidade dos povos. Segundo ele, sem escolas indígenas nas aldeias, crianças enfrentam processo “traumático de aprendizado". "É uma situação completamente traumática aprender a escrever em uma outra língua sem dominá-la. Por isso, o processo é mais lento, mesmo nas escolas indígenas. Os que estão fora vão para as escolas dos 'brancos' e se incorporam do jeito que é possível", destacou acrescentando que o analfabetismo é uma categoria etnocêntrica em relação aos índios.

A pesquisa do IBGE também explica que fora das terras indígenas as oportunidades de educação são maiores por causa da alta oferta de escolas. Por outro lado, nas aldeias, "a oferta é sensivelmente reduzida em função de fatores, como o geográfico e a dificuldade de acesso", justificam-se autoridades governamentais. Outra diferença entre os índios da cidade e do campo é o número daqueles com certidão de nascimento, 90,6% e 38,4%, respectivamente. Ao todo, a proporção de índios com registro civil é 67,8%, abaixo da média da população não índia que têm o documento, 98,4%.
"De toda forma, mesmo o Estado respeitando a liberdade de indígenas não se interessarem por Português e se dedicarem mais à sua língua nativa da tribo, é fundamental se respeitar o direito constitucional de todos os brasileiros e brasileiras (brancos, negros, índios) de terem acesso à educação dentro do sistema do país, ampliando-se o alcance de escolas e também de outros equipamentos culturais e de comunicação a todas as tribos, aldeias e nações indígenas que por vontade própria busquem esta informação, inclusive para poderem defender as suas causas e avançarem sua qualidade ou mesmo condição de vida, já que estão ameaçados no último limite em sua sobrevivência na atual sociedade de consumo", comenta o ecologista Padinha, no momento de editar esta matéria de importância na luta cult aqui no Folha Verde News
 
Fontes: www.em.com.br
             Agência Brasil
             http://folhaverdenews.blogspot.com
 

5 comentários:

  1. Não devemos impor aos índios a obrigatoriedade de falarem Português, como a maioria da população do Brasil, porém, mesmo respeitando a sua língua, a sua etnia, temos que por ao alcance deles mais informação e vida cultural, de que precisam para sobreviver e defender seus direitos.

    ResponderExcluir
  2. A liberdade cultural é uma das mais fundamentais de todo ser humano, também dos indígenas, que eventualmente queiram ficar restritos à sua língua e costumes nativos de cada tribo, mas o Estado não pode negar a eles o direito fundamental da educação, que é garantido pela Constituição a todos os brasileiros e brasileiras.

    ResponderExcluir
  3. O problema dos índios é muito complexo, mas a questão cultural é vital para que cada índio, de cada região, de cada tribo, de todo o Brasil, possa se informar e se aparelhar para lutar pela sobrevivência de seu povo.

    ResponderExcluir
  4. Basta dizer que os índios são os pais do nosso país.

    ResponderExcluir
  5. O respeito às culturas nativas exclui o direito dos índios à informação: lamentavelmente, erramos na legenda da foto da índia brasileira, erro de digitação, na verdade queríamos dizer (e digitar): ...O respeito às culturas nativas INCLUI o direito dos índios à informação. Desculpe nossa falha.

    ResponderExcluir

Translation

translation