quarta-feira, 15 de agosto de 2012

WIKILEAKS NA LUTA PELA LIBERDADE DE INFORMAÇÃO

Equador concedeu asilo político a Assange?

O criador do site Wikileaks, que está refugiado há 2 meses na embaixada equatoriana em Londres, ganhará exílio político na América do Sul, no Equador, segundo divulgam jornais da Europa, como The Guardian. O jornalista australiano Julian Assange, que se notabilizou ao publicar documentos secretos das guerra do Iraque e do Afeganistão, bem como dos Estados Unidos, portavoz do site Wikileaks, estava em prisão domiciliar em Londres, acusado se estupro e abuso sexual na Suécia: depois de entrar com recurso contra esta acusação, mesmo com a tornozeleira eletrônica que era obrigado a usar, entrou dia 19 de junho da embaixada equatoriana na Inglaterra, desde então pediu asilo político, que ao que tudo indica, está sendo concedido agora pelo Presidente do Equador, Rafael Correa. "O Equador vai conceder asilo a Julian Assange", revelou um oficial do governo equatoriano a alguns dos principais jornais da Europa.
"A perseguição da qual sou alvo em diversos países deriva não só de minhas ideias e ações, mas de meu trabalho ao publicar informações que comprometem os poderosos, de publicar a verdade e, com isso, desmascarar corrupção e graves abusos aos direitos humanos ao redor do mundo", diz Assange na carta lida pelo chanceler equatoriano. No documento que entregou à época às autoridades diplomáticas do Equador, Assange diz que considera "impossível" seu retorno a seu país de origem após a "lamentável declaração efetiva de abandono" recebida pelo governo da Austrália. Outro fator que explica esta situação é que a Suprema Corte britânica havia anunciado que o recurso feito por Assange após ser condenado à extradição para a Suécia fora negado. A partir de então não restavam mais possibilidades de reversão da sentença do jornalista dentro da Justiça do Reino Unido. Os magistrados haviam aprovado a extradição de Assange no fim do último mês de maio. Contudo, sua defesa decidiu reabrir imediatamente a causa requerendo a revisão da sentença que autorizava a extradição. O fundador do Wikileaks, que revelou milhares de documentos confidenciais da cúpula política, diplomática e militar dos EUA, foi detido em Londres mediante uma  ordem de extradição movida pelas autoridades da Suécia. Durante todo o decorrer de seu julgamento, viveu sob fortes medidas de segurança na mansão de um amigo seu no sudeste da Inglaterra.Desde novembro do ano passado o Tribunal Superior havia aprovado a extradição do jornalista Julian Assange a Estocolmo, onde é acusaso de um crime que gera suspeitas de ser manipulação e perseguição política. Por estas e outras, Assange e o website Wikileaks se tornaram em ícones da liberdade de informação em todos os lugares da Terra. E cá entre nós existe mesmo liberdade de informação em algum país do planeta? Enquanto esperamos a confirmação do exílio político dele no Equador, aguardamos também a resposta a esta questão...Julian Assange e Wikileaks mostram também a força de comunicação da Internet também para lutar pela liberdade de expressão. O escândalo tem esse lado bem positivo, checar os limites às informações livres e potencialmente avançar o jornalismo, que precisa delas. E também por outro lado, é mais uma forma da violência que ainda prevalece hoje em todos os lugares do mundo: vamos aguardar nas próximas horas uma informação definitiva sobre este acontecimento que simboliza bem os riscos e problemas do trabalho de jornalistas em todo o planeta, alguns ameaçados de morte e outros impedidos de atuar, como é o caso de Julian Assange, o censurado. (Padinha)

Julian Assange e o site Wikileaks viraram ícones da liberdade de informação na Internet
 Fontes: Le Monde
             Opera Mundi
             www.brasildefato.com.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com

5 comentários:

  1. Como ex-perseguido político e vítima de censura à época do governo ditatorial no Brasil, o repórter e ecologista Padinha, editor do Folha Verde News, mais uma vez alerta sobre o valor da liberdade de informação neste caso mito de Assangue, do website mais famoso do mundo, o Wikileaks.

    ResponderExcluir
  2. Pelo que nossa equipe do Folha verde News apurou, Julian Paul Assange, que foi como estudante brilhante em Física e Matemática, quando jovem ganhou fama também como hacker do bem. Já recebeu prêmios por sua atuação no site Wikileaks de jornais como Le Monde, The Economist, Der Speigel. E já foi considerado uma das 100 personalidades mais influentes do planeta pelo The New York Times.

    ResponderExcluir
  3. Enquanto aguardamos a confirmação do exílio de Julian Assange no Equador, esperamos também que este polêmico caso faça aumentar a atenção sobre os riscos, os limites e as contradições atuais da atividade do jornalismo e o valor da liberdade de expressão.

    ResponderExcluir

  4. Manifestantes demonstram apoio a Assange em frente à embaixada do Equador, publia agora o site EM

    A polícia britânica reforçou a presença nesta quinta-feira ao redor da embaixada do Equador em Londres, onde o fundador de WikiLeaks, Julian Assange, refugiado há dois meses no local, espera a decisão sobre seu pedido de asilo político, prometida para 12H00 GMT (9H00 de Brasília). O Presidente do Equador ainda não se manifestou oficialmente sobre este pedido, o que poderá acontecer nas próximas horas. Apesar do reforço da presença policial, o esquema de segurança permanece discreto e a rua não foi fechada ao trânsito.
    Alguns manifestantes pró-Assange passaram a noite diante da embaixada, alertados por um anúncio do governo equatoriano de que a embaixada estava sob ameaça de invasão.


    ResponderExcluir
  5. Recebemos e-mail do comerciante de produtos naturais Benedito Baptista Campos, de São Paulo, cumprimentando a equipe do nosso blog: "Um dia antes da grande mídia, vocês informaram tudo e melhor sobre Julian Assange e o site dele Wikileaks, que só hoje estou agora vendo nas TVs".
    O mérito não é nosso mas da velocidade (e liberdade) de informações da própria Internet.

    ResponderExcluir

Translation

translation