segunda-feira, 22 de abril de 2013

RELATÓRIO DO BANCO MUNDIAL PESSIMISTA EM RELAÇÃO AO BRASIL EM 2013

Brasil crescerá abaixo da média latino-americana neste ano diz economista do Banco Mundial


Os ventos globais favoráveis que facilitaram o sólido crescimento econômico e a inclusão social na América Latina e no Caribe ao longo da década passada estão diminuindo. Um novo contexto internacional  — caracterizado pelo excesso de liquidez, o crescimento mais lento da China, a atividade econômica morosa e a elevada dívida dos países desenvolvidos —  aponta para a necessidade de a América Latina se empenhar mais por si própria com o objetivo de retomar as taxas de crescimento semelhantes àquelas apresentadas pela região na década passada. Este é um resumo das perspectivas apresentado nesta semana pelo Banco Mundial e enviado ao nosso blog Folha Verde News por e-mail pelo site de informações da ONU.
Segundo o mais recente relatório semestral “Latin America and the Caribbean as Tailwinds Recede: In Search of Higher Growth“ [A América Latina e o Caribe, sem ventos a favor: em busca de um maior crescimento], produzido pelo escritório do economista-chefe do Banco Mundial para a região, a América Latina e o Caribe deverão crescer 3,5% este ano, o que representa uma melhoria em relação à taxa de 3% registrada no ano passado, mas que ainda está abaixo da média de 5% anterior à crise econômica de 2008-2009 ou do percentual de 6% em 2010. As taxas variam de um patamar muito baixo de 0,1% e 1% na Venezuela e Jamaica, respectivamente, até 6% no Peru, aproximadamente 9% no Panamá e acima de 11% no Paraguai. Bolívia, Chile e Colômbia continuarão a ultrapassar a média regional com estimativas de crescimento entre 4% e 5%, enquanto é provável que Argentina e Brasil se situem abaixo da média regional, apesar de terem saltado de indicadores abaixo de 2% em 2012 para cerca de 3% em 2013. Essas taxas de crescimento são adequadas mas insuficientes para manter o ritmo recente do progresso social que a América Latina apresentou na última década”, afirmou Augusto de La Torre, economista-chefe do Banco Mundial para a região. “Por isso, a tônica das políticas está sendo reorientada dos motores de crescimento externos para os internos, assim como da preocupação com a estabilidade macroeconômica e financeira para as reformas que estimulam o crescimento. À medida que os ventos favoráveis diminuírem, a habilidade dos países latino-americanos de crescer acima de 3,5% dependerá essencialmente deles mesmos.”

Comércio urbano de cidade no Caribe, foto André Leal (Creative Commons)
O relatório econômico do Banco Mundial questiona como a região pode impulsionar seus motores domésticos do crescimento e explica que a resposta a essa pergunta deve ser iniciada pela compreensão das especificidades do modelo de crescimento da América Latina e do Caribe, suas limitações e seus pontos fortes. Embora fale-se muito sobre o modelo de crescimento do Sudeste Asiático, que se baseia na exportação de manufaturados, no elevado nível de poupança e taxas de câmbio competitivas, a situação na América Latina mostra um acentuado contraste com esse panorama. Dois fatores principais ajudam a definir essa diferença, segundo avaliação de Augusto de La Torre. O primeiro é o crescimento voltado para a demanda interna. Entre 2004 e 2011, a demanda doméstica na América do Sul e no México aumentou de uma média abaixo de 98% para cerca de 105% do PIB, enquanto no Sudeste Asiático esse percentual apresentou na verdade uma pequena queda de um ponto percentual para 94%, a partir de 95% do PIB.
O correspondente externo do seu crescimento orientado para a demanda interna é a tendência da América Latina de gerar déficits de conta corrente − ao contrário dos elevados superávits associados ao crescimento voltado para a exportação característicos do Sudeste Asiático − que foram amplamente financiados pelo investimento direto estrangeiro. O segundo fato, diz o organismo internacional, é a crescente importância do setor de serviços. A sabedoria convencional sugere que, na ausência de um forte setor manufatureiro, o crescimento de um país é prejudicado. “A verdade é que a competitividade da indústria manufatureira está intimamente ligada à dos serviços. Além disso, no caso da América Latina, o setor de serviços está agregando valor e de fato empregando trabalhadores altamente qualificados”, argumenta de La Torre. As atuais circunstâncias sugerem que o caminho da América Latina em direção a um forte crescimento deveria continuar com o uso inteligente do capital externo para substituir o baixo nível de poupança e melhorar a qualidade do investimento, que já é elevado em diversos países da América Latina e do Caribe. “Na América Latina de hoje, a busca pela competitividade nas exportações baseada na mão de obra barata e nas taxas de câmbio subvalorizadas parece inviável no plano político e insuficiente em termos econômicos”, salientou de la Torre. “Se a competitividade tiver que ser desenvolvida além dos bens intensivos em recursos naturais, sem sacrificar o padrão de vida, então a produtividade é o “x” da questão.” Os avanços da América Latina e do Caribe nos anos 2000 como a estabilidade macroeconômica, o sólido crescimento, a redução da pobreza e uma distribuição de renda mais justa foram significativos. Daqui em diante, o desafio para a política econômica — afirma o Banco Mundial — é manter e construir sobre ganhos passados, consolidando os dividendos de um crescimento socialmente inclusivo e fazendo isso sem a ajuda dos ventos favoráveis.

Fontes: www.onu.org.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com

4 comentários:

  1. Fugindo da pauta de assuntos ou da rotina do blog da ecologia, hoje registramos um relatório da economia latinoamericana: descontado o economês da análise, o que surpreende é a visão pessimista da performance do Brasil em 2013.

    ResponderExcluir
  2. Fizemos questão de postar este relatório do economista Augusto de La Torre, do Banco Mundial, por esta informação surpreendente, pelo menos para quem não é especilista na área econômica, como se reconhece nosso editor de conteúdo.

    ResponderExcluir
  3. O relatório não cista nenhuma vez o conceito tão discutido na atualidade de desenvolvimento sustentável, mas nos parece ser a alternativa para um crescimento econômico que possa equilibrar a exploração com a preservação dos recursos naturais, bem como a inclusão dos mais pobres e a abertura de novas peerspectivas na vida do país.

    ResponderExcluir
  4. Seguno de la Torre,“Se a competitividade tiver que ser desenvolvida além dos bens intensivos em recursos naturais, sem sacrificar o padrão de vida, então a produtividade é o “x” da questão.” Seriam necessários a estabilidade macroeconômica, o sólido crescimento, a redução da pobreza e uma distribuição de renda mais justa, conforme esta análise do Banco Mundial.

    ResponderExcluir

Translation

translation