sexta-feira, 24 de maio de 2013

MERCADO DO CAFÉ ORGÂNICO ESTÁ CRESCENDO 30% AO ANO

Dia Nacional do Café: boas notícias para o consumidor, pequenos cafeicultores e meio ambiente

Diferentemente dos especuladores que compram e vendem o café comum (produto que no plantio usa agrotóxicos), há uma nova mentalidade empresarial entre os profissionais que comercializam a produção cafeeira orgânica (que não usa agrotóxicos, venenos, pesticidas): a especulação dos grandes negociantes no mercado cafeicultor brasileiro os levam a dizer que há um excesso deste produto estocado, que houve uma baixa nas vendas e que o preço caiu neste contexto de cerca de 500 reais para menos de 300 a saca (com isso, conseguem criar uma condição artificial para terem um lucro maior na venda, comprando por um preço mais baixo dos plantadores de café, que ficam assim como sempre meio que sufocados). Por outro lado lado, enquanto isso, a nova geração de empresários que negociam o café orgânico, evitam este tipo de especulação, mantendo o preço por saca próximo dos 500 reais, mantendo a valorização do produto e dos pequenos produtores (a maioria dos que produzem o café orgânico são agricultura familiar), respeitando assim a mão-de-obra, agregando valor e ajudando o crescimento sustentável do setor, que ainda é minoritário no Brasil, mas cresce regularmente 30% ao ano. "Esta é a diferença entre o mercado do café comum e do orgânico", nos explica o líder nacional dos produtores e processadores de alimentos orgânicos, José Alexandre Ribeiro, que atua também no mercado do café, que é uma tradição na região onde nasceu e vive (em Franca, nordeste paulista, que é considerada tecnicamente como uma das regiões com melhor café do mundo). O crescimento do mercado e da produção do café orgânico, ainda segundo José Alexandre, se deve também à nova política nacional de agroecologia (o Governo está injetando 8 bilhões de reais no setor, que é um dos que têm mais futuro no país e nas exportações). O líder dos Orgânicos discorda dos argumentos sendo divulgados hoje - Dia Nacional do Café - pelos especuladores do mercado tradicional, para fazer baixar para cerca de 285 reais a saca do produto, que chegou a valer 500 reais em 2012: "Enquanto nós do setor orgânico estamos preocupados em valorizar os produtores, a saúde do meio ambiente (sem usar venenos e pesticidas, ajudando a biodiversidade) e também a qualidade a bem dos consumidores, os especuladores do café comum pensa em termos de lucro imediato, commodities, manipulação dos preços, coisas assim que tornam insustentável a cafeicultura tradicional brasileira, a tendência com os anos é por essas e outras aumentar a produção e o mercado do café orgânico, que assim irá ficando cada vez mais acessível ao consumidor". José Alexandre Ribeiro conhece a fundo a questão do café e a luta da agroecologia e da produção orgânica, que leva em frente, atuando também profissionalmente no mercado de venda de café orgânico: ele mantém uma equipe e a marca Café IAO desde 2002. Discorda dos grandes especuladores do café tradicional, que desvalorizam o produto para aumentarem o lucro das vendas, falando em crise de mercado: "Não há na realidade isso, basta ver o aumento fora do comum do interesse da China em comprar café brasileiro, nossa estratégia está fora da especulação, optamos por uma produção, consumo e mercado consciente do café orgânico", conclui José, convidando os internautas aqui do Folha Verde News a participarem entrre 27 e 30 de junho agora em São Paulo, no Ibirapuera, da Bio Brazil Fair. Ele passa o contato de Rose Mara Alves (telefones 16 - 3723.3001 e/ou 16 - 9181.1819) para mais detalhes sobre a IAO e a feira dos orgânicos, evento que considera importantíssimo para o setor: "Poderá vir a ser um marco nesta virada positiva de mercado no momento". Bom para a criação do futuro sustentável do país. (Padinha)

Aumenta de forma sustentável a produção e o mercado de café orgânico no Brasil

José Alexandre entrevistado na feira dos orgânicos que terá nova edição em junho

Fontes: www.cafeiao.com.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com


7 comentários:

  1. O aumento da produção e do mercado do café orgânico em cerca de 30% mao ano é algo muito positivo também para o meio ambiente, a produção orgânica e toda agroecologia ajudam a restabelecer a biodiversidade, riqueza da natureza do Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Um detalhe importantíssimo para a ecologia mesmo porque a perda da biodiversidade em todo planeta e em nosso país tem variado entre 30 a 60% por ano, conforme a região: a agroecologia e a produção orgânica ajudam a criar o futuro sustentável.

    ResponderExcluir
  3. Superinteressante a diferença entre a tática do lucro imediato dos especuladores do grande mercado do café comum, tradicional e a estratégia do mercado dos produtos da agroecologia e do café orgânico, a diferença entre o consumismo, a destruição do equilíbrio ecológico e da saúde do consumidor em benefício de poucos meganegociantes com a luta sustentável dos orgânicos e agoecologistas.

    ResponderExcluir
  4. As informações desta matéria feita pelo nosso editor de conteúdo, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, bem como, o evento Bio Brazil Fair que será em breve em São Paulo, são estimulantes para a luta pelo desenvolvimento sustentável no país.

    ResponderExcluir
  5. Mande informações ou comentários para o e-mail da redação do nosso blog da ecologia navepad@netsite.com.br e participe vc tb desta luta para criar o futuro, no caso, da agroecologia e dos orgânicos, a bem também da Nação.

    ResponderExcluir
  6. "O que está em questão é o café, mas a diferença entre os especuladores da cafeicultura tradicional com agrotóxicos e os jovens vendedores do café orgânico, sem veneno, é algo assim da água para o vinho", comentou por e-mail Antônio Carlos Jusse, de São Paulo. Mande vc tb sua opinião para nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. Padinha aqui no blog responde ao paulistano Jusse:
    "Está fácil na questão do café separar o joio do trigo"...

    ResponderExcluir

Translation

translation