quarta-feira, 21 de agosto de 2013

A SUSTENTABILIDADE É A MAIOR UTOPIA DESTE INÍCIO DE SÉCULO 21?

Uma nova estrutura de desenvolvimento pode gerar mais lucros, escreve Fernando de Barros


Ser ou não ser sustentável, eis a questão: este assunto é o tema de artigo superimportante do engenheiro civil Fernando de Barros, da Master Ambiental, que está hoje no site socioambiental EcoDebate, texto que pela sua atualidade reproduzimos na íntegra aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News: "Vejo o desenvolvimento sustentável como uma utopia da atualidade, mas é algo plenamente realizável, como aliás argumenta Fernando de Barros neste artigo, também do ponto de vista da gestão pública implica num novo conceito de equilíbrio entre a ecologia dos recursos naturais da vida e o avanço da economia", comenta por sua vez nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha: "Já agora no dia a dia das empresas, a sustentabilidade é lucrativa, para a população ainda é um sonho ou pesadelo, com mais informação, já deveria ser uma reivindicação para mudar e avançar a atual realidade do país e do ser humano". Acompanhe a seguir as informações do articulista do EcoDebate.

Novas energias eólica e solar colocam em prática o conceito da sustentabilidade

Avançar a economia com a proteção da biodiversidade amplia o futuro da nossa vida


 Ser ou não ser sustentável, eis a questão
"Afinal, uma pergunta que sempre se coloca para qualquer empresário é “O que eu ganho com isso?” Embora exista resistência quanto ao tema da sustentabilidade no meio empresarial, a adoção de diretrizes de sustentabilidade na gestão de uma empresa mostra-se cada vez mais crucial, inclusive se torna oportunidade de novos bons negócios. A relutância de muitos empresários fundamenta-se na ideia de que sustentabilidade é origem de custos e que não rende lucratividade. As ações não são encaradas como um investimento. Em pesquisa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), apesar das vantagens, apenas 46% das micro e pequenas empresas brasileiras acreditam que o investimento em sustentabilidade pode gerar ganhos financeiros. A pesquisa examinou os setores de Comércio e Serviços (50%), Indústria e Construção Civil (46,0%) e Agronegócios (4,0%). Dos 3.912 empresários entrevistados, 80,6% confirmaram o controle do consumo de água, 81,7%, o consumo de energia, 70,2% a realização da coleta seletiva e 72,4% o consumo de papel. Mais da metade das empresas, porém, informou não ter o hábito de usar materiais recicláveis nas produções, 83,4% não reutilizam água e 50,9% não reciclam lixo eletrônico ou pneus. Desenvolver produtos que reduzam o consumo de energia, recursos naturais e provoquem menos impactos ambientais é a tendência que concilia bons negócios com sustentabilidade.
Por sua vez, a Universidade de Harvard, nos EUA, realizou uma pesquisa sobre o desempenho das maiores empresas do mundo, entre 1992 e 2010, considerando a adoção de políticas sustentáveis. A pesquisa elencou as 27 posturas sustentáveis mais adotadas no meio empresarial. Dentre elas, eficiência energética, redução de emissão, respeito aos direitos humanos e transparência de informações. A partir disso, as empresas foram divididas em dois grupos: alta sustentabilidade, com mais de 10 posturas sustentáveis desde os anos 1990; e baixa sustentabilidade, com menos de quatro políticas inseridas nos anos 2000.
Eis a resposta que deve quebrar paradigmas ou preconceitos no meio empresarial. O resultado revelou que o comprometimento ambiental assegurou o dobro da rentabilidade líquida e a mínima desvalorização durante a queda das bolsas. A que se deve esse alto desempenho? Segundo a pesquisa, a liderança baseada no diálogo entre as partes interessadas, as metas sustentáveis sob a responsabilidade da diretoria e os investimentos de longo prazo para satisfazer os consumidores são alguns pilares que endossam a eficiência de mercado. Vale dizer que a iniciativa, nesses casos, foi das próprias empresas. Um exemplo de que ganho econômico combina com sustentabilidade advém do programa pioneiro de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), implantado pela Prefeitura de Nova York aos agricultores das Montanhas de Catskill. A estratégia aponta que os protetores de áreas naturais – sejam eles governos, organizações  não-governamentais ou particulares – devem ser reconhecidos pela conservação das terras, pois os serviços ambientais das prestados em suas propriedades (que é principalmente a conservação da qualidade da água na região de nascentes) beneficia toda a sociedade. Nesse caso, a cada dólar pago pela manutenção da qualidade ambiental nas áreas de nascentes, foram economizados sete dólares no custo do tratamento da água. Os números surpreendem positiva e negativamente, ora pelos dados de experiências estrangeiras que demonstram as oportunidades de ganhos econômicos ao investir em sustentabilidade, ora devido à resistência e ausência de uma cultura consolidada no meio empresarial brasileiro, especialmente no universo de pequenas empresas. De todo modo, as práticas de gestão para a sustentabilidade precisam ser aprimoradas e desenvolvidas. Cabe aos empresários fazerem a escolha pela sustentabilidade que traz, sim, lucro". (Fernando de Barros)

Fontes: www.ecodebate.com.br
             www.masterambiental.com.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com


5 comentários:

  1. Para a maioria das pessoas e dos movimentos sociais, políticos e populares, o conceito do desenvolvimento sustentável ainda não é de todo assimilável, mas este artigo do engenheiro civil Fernando de Barros mostra que existem caminhos práticos e alternativas no dia a dia das empresas, dos governos e das pessoas para o ideal da sustentabilidade virar realidade.

    ResponderExcluir
  2. Além de uma nova realidade socioambiental, o desenvolvimento sustentável é também uma luta cultural, que contradiz o dia a dia e dimensiona o futuro da vida, mas não é utopia e sim um roteiro para mudar e avançar a nossa vida.

    ResponderExcluir
  3. Em todo o movimento ecológico e científico o conceito está mais assimilado, em resumo, parece ser o equilíbrio entre a ecologia dos recursos naturais e um aumento positivo da vida econômica, uma nova estrutura de pensar e de viver.

    ResponderExcluir
  4. Mande a sua opinião, informação, comentário ou sugestão dentro desta pauta de hoje para o e-mail do noso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá,achamos o seu Blog muito interessante e gostaríamos de propor-lhe uma parceria.
    Somos uma empresa que produz e comercializa produtos sustentáveis como Fraldas Ecológicas e (em breve) Sabonetes naturais.
    Poderia nos informar seu e-mail ou outra forma de contato, para poder apresentar-lhe a nossa proposta e ver se está interessado?
    Contato: sac@biolinum.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation