quarta-feira, 11 de setembro de 2013

ONU AINDA LUTA POR UMA SOLUÇÃO PACÍFICA PARA A SÍRIA

Secretário-geral da ONU quer evitar mais violência armada e vai à luta pela paz

Recebemos por aqui no blog da ecologia e da cidadania - Folha Verde News -  mensagem por e-mail da equipe de comunicação ONU, com fotos de Mark Garten, informando que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que dois anos e meio de conflito na Síria produziram apenas uma paralisia constrangedora no Conselho de Segurança das Nações Unidas e está avaliando propostas para o órgão. Ban reiterou a necessidade de realizar a conferência de Genebra II, que incluiria representantes de partidos da Síria, os Estados Unidos, as autoridades russas e também claro das Nações Unidas, para encontrar uma solução política para a crise no país, acrescentando que esta “é a única opção viável neste momento de todos os países”. Diante desta realidade, “a solução pacífica é a única alternativa inteligente, que pode gerar a criação de um futuro mais sustentável no planeta, na relação entre as nações e na construção da paz”, comenta por aqui no blog o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, ao editar estas informações de muita importância agora. Em sua primeira coletiva de imprensa em Nova York desde que regressou da Cúpula do G20, em São Petersburgo, Rússia, Ban disse que caso a equipe técnica de armamentos da ONU confirme o uso de agentes químicos no incidente ocorrido na Síria em 21 de agosto, este seria um “crime abominável” e que a comunidade internacional “certamente terá de tomar providências, porém, elas têm que ser num outro nível mais avançado”.  “Caso o relatório de Sellström [cientista sueco que lidera a investigação] confirme o uso de armas químicas e de responsabilidade do governo sírio, isso exigirá união do Conselho de Segurança para dar uma resposta”, concluiu Ban, que também relatou estar avaliando propostas para fazer ao Conselho quando apresentar as conclusões da investigação sobre o uso de armas químicas na Síria, como solicitar ao Conselho que exija a transferência imediata de armas químicas e estoques precursores químicos para lugares dentro da Síria onde possam ser armazenados e destruídos de forma segura. O secretário-geral também pediu que Damasco se torne membro da Organização para a Proibição de Armas Químicas – órgão de execução da Convenção sobre Armas Químicas. A Síria já é signatária do Protocolo de Genebra de 1925, que proíbe o uso de armas químicas e biológicas. As amostras coletadas pela equipe da ONU de inspeção de armas químicas estão sob análise em laboratórios europeus desde a semana passada. O secretário-geral garantiu que compartilhará os resultados das análises com o Conselho de Segurança e todos os 193 Países-Membros assim que recebê-los. Este foi mais um posicionamento de lucidez e muito oportuno de Ban Ki-moon diante do impasse internacional entre Síria X Estados Unidos, em que “o caminho da violência além do mais só fará sofrer ainda mais a população civil”, argumentou ainda a chefe da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay. 

Secretário Geral da Organização das Nações Unidas luta por uma solução pacífica

Navi Pillay, da chefia de Direitos Humanos da ONU fala sobre sofrimento do povo  

Uma posição similar mantém o Papa Francisco, alertando sobre mais violência
  
Fontes: www.onu.org.br
              http://folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. Não se trata somente da posição institucional da ONU e de entidades pacifistas de todo o planeta mas do próprio bom uso e rejeição de mais uma intervenção armada dos Estados Unidos e aliados, na Síria, a bem especialmente da indústria bélica, aumentando a violência da atualidade.

    ResponderExcluir
  2. Abrimos nosso webespaço aqui no bloga da ecologia e da cidadania para este esforço por uma solução negociada, política, pacífica no confronto ligado à crise na Síria: se ele acontecer, deste episódio poderá começar a nascer uma nova realidade sustentável na Terra. Mas ainda é algo difícil de acontecer.

    ResponderExcluir
  3. Mande aqui pro Folha Verde News a sua informação, comentário ou opinião sobre esta pauta, que estamos encaminhando para a UNIC, orgão de comunicação da ONU, a bem do debate e do uso da inteligência e não da força nos conflitos: nosso e-mail é o navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. No post desta posição da ONU no Facebook recebemos vários comentários de internautas que curtiram o uso da inteligência e não da força também neste conflito. É o mínimo que se espera dos países (e das pessoas) na atualidade da vida.

    ResponderExcluir
  5. A notícia está na BBC, um pacifista teria dito a Barack Obama que os Estados Unidos não podem ser a polícia do mundo. O Presidente concordou...

    ResponderExcluir
  6. E assim, começou a mudança de postura do ex-Nobel da Paz, Obama, que após ser criticado pela Papa, pela ONU, por pacifistas de vários países, já resolveu reconsiderar mais uma invasão armada à Siria e optar possivelmente por uma solução diplomática. Esperamos que este bom senso venha a prevalecer, mas ainda não é certeza.

    ResponderExcluir
  7. Recebemos por e-mail de Armando Santos, de BH, notícia da
    France-Presse: "As autoridades russas entregaram nesta quarta-feira aos Estados Unidos o plano para submeter o arsenal de armas químicas sírias ao controle internacional, informou a agência russa ITAR-Tass. Entregamos aos americanos um plano para colocar as armas químicas sírias sob controle internacional, esperamos poder debater isto em Genebra, onde estão reunidos diplomatas dos dois países", disse uma fonte da delegação russa. O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, e o secretário de Estado americano, John Kerry, vão se reunir na tarde de quinta-feira em Genebra".
    O empenho da ONU e de pacifistas de todos os lugares parece estar mudando a situação.

    ResponderExcluir
  8. "Violência química do Governo ou dos rebeldes da Síria?": quem faz a pergunta é o estudante de História na Unesp Franca, Igor, que nos envia uma informação que ele captou agora no site Uol: "O relatório dos inspetores da ONU sobre o uso de armas químicas na Síria provavelmente será publicado na segunda-feira, 15/9, afirmou o ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius. "Vai dizer que aconteceu um massacre químico", declarou Fabius.
    "Certamente terá indicações sobre a origem do ataque, cometido em 21 de agosto perto de Damasco e que provocou centenas de mortes", completou o chanceler francês. "Como apenas o regime tinha os estoques, os vetores e o interesse em fazê-lo, vai ser possível se chegar à conclusão de que o governo de Bashar al-Assad é responsável", completou Fabius. Mas se a França não tem dúvidas sobre a responsabilidade do governo sírio, o presidente russo Vladimir Putin afirma em um artigo publicado nesta quinta-feira no jornal New York Times que foi um crime cometido pelos rebeldes, talvez com um apoio dos Estados Unidos"...

    ResponderExcluir

Translation

translation