sábado, 19 de outubro de 2013

PACIFISTAS E ECOLOGISTAS DE 50 PAÍSES PEDEM LIBERDADE AOS ATIVISTAS DO GREENPEACE


 Já faz 31 dias que eles estão presos na Rússia onde foram defender a ecologia de últimas reservas ambientais do Oceano Ártico contra a ganância da petroleira Gazprom

Com informações a nós enviadas por Thomas Grove, da Reuters, e também do site do Greenpeace, hoje o nosso blog abre seu webespaço para também pedir urgência na negociação de autoridades governamentais, também do Brasil, pela libertação da bióloga brasileira Ana Paula e os outros 29 ativistas que foram presos no navio quebra-gelo Artic-Sunrise, que no extremo norte da Rússia, foram lá tentar impedir que a gigante estatal Gazprom avance seu projeto de exploração de petróleo nas áreas mais remotas e ainda não poluidas no Oceano Ártico: "A conservação do equilíbrio ambiental de algumas áreas do Ártico são vitais na atualidade e para a chance de vida e de futuro da Terra, futuro da Terra que está no mar, no Ártico, na Antártica, no Atlântico, no Pacífico, onde for", comentou o nosso editor de conteúdo Antônio de Pádua Padinha, aqui no Folha Verde News. Em cerca de 50 cidades de uns 50 países ontem e hoje aconteceram manifestações pela liberdade dos ativistas do Greenpeace, "já passamos de uma situação-limite neste caso e esta questão precisa ser resolvida com urgência máxima, a ONU deveria se mobilizar mais intensamente com este objetivo", argumentou ainda Padinha aqui no blog da ecologia e da cidadania.
 



Estamos via a UNIC encaminhando este post ao Secretário-Geral da ONU
Quem deveria estar atrás das grades não são os ecologistas e sim as autoridades que destroem a ecologia
A Presidenta Dilma precisa aumentar o seu empenho no caso
O futuro da vida da terra está no mar, no Artico e em todos oceanos





Gisele Bundchen também pede pelos ativistas ainda presos na Rússia

Só um desenvolvimento sustentável é capaz de salvar a Terra

 Os fatos estão muito vivos, os ambientalistas  protestaram ainda no mês passado em uma plataforma de petróleo russa na região do Ártico foram processados, presos, acusados de pirataria, crime cuja pena vai a até 15 anos de prisão:as autoridades russas alegaram que foi um "ataque" dos ecologistas, tentaram entrar na plataforma Prirazlomnaya, a primeira plataforma russa de exploração de petróleo no Ártico, violando a soberania da Rússia, segundo o presidente Vladimir Putin, tentando conquistar apoio nacional, fazendo a partir disso uma campanha de xenofobia contra a "invasão estrangeira". Na verdade, os ativistas do Artic-Sunrise fizeram uma intervenção pacífica para alertar o planeta sobre os riscos dos megaprojetos russos no Ártico. A brasileira Ana Paula Alminhama Maciel, de 31 anos, gaúcha, bióloga, é integrante do Greenpeace desde 2006, segundo a página da organização na Internet. O quebra-gelo  de bandeira holandesa, também foi apreendido e rebocado, encontra-se ancorado em frente ao porto da cidade de Murmansk. O Greenpeace reafirma ter o objetivo de chamar atenção para a ameaça que a exploração de petróleo representa ao frágil ecossistema do Ártico, negou as acusações de pirataria, alegando que seus protestos são pacíficos e que a Rússia violou leis internacionais e os direitos humanos, além de agredir toda a lesgislação ambiental planetária. "As autoritades russas, a começar do presidente Putin, é que deveriam estar sendo presas e processadas", protesta nosso editor Padinha, como mais uma voz em defesa não só dos ativistas presos no Ártico, mas de toda ecologia e cidadania, em jogo neste episódio de violência. 
Fontes: Reuters
               www.greanpeace. com.br
               http://folhaverdenews.blogspot.com 

7 comentários:

  1. Hoje continuam a acontecer manifestações em mais de 50 cidades , algumas das mais importantes do planeta, pela libertação dos ativistas do Greenpeace na Rússia, onde foram defender o último equilíbrio do Ártico diante dos megaprojetos da petroleira Gazprom.

    ResponderExcluir
  2. O Greenpeace (resumindo a luta pela paz e pelo verde, pela natureza) foi fundado em 1971 por hippies e quakers, pioneiros dos ecologistas, e hoje existe e vai à luta em todos os países da Terra.

    ResponderExcluir
  3. O repórter e ecologista Padinha, que edita este blog, teve contato direto com o Greenpeace ainda em 1992, na ECO, tendo participado de uma ação no navio da entidade junto com amigos e amigas do lendário Bob Hunter, a favor da ecologia e da não-violência, então no Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  4. Foram estes mesmo ideais de luta pelo pacifismo e pelo meio ambiente que levaram este 30 ecologistas, cientistas e líderes de cidadania a irem ao Ártico no navio quebra-gelo Artic-Sunrise no extremo norte da Rússia, onde são acusados de pirataria e outros crimes, mas na verdade são seres humanos que honram a nossa espécie de vida, heróis da Terra.

    ResponderExcluir
  5. Mande vc tb a sua mensagem aqui para o e-mail do nosso blog da ecologia navepad@netsite.com.br com a sua opinião ou informação, assim como fez agora Rose Mara Alves, que está em Mairiporã (SP) participando de um encontro estadual do Partido Verde (PV).

    ResponderExcluir
  6. O presidente estadual do PV, Marco Antônio Mroz também está buscando mobilizar a federação internacional dos Verdes para um apoio explícito à luta pelo Ártico e pela libertação dos ecologistas na Rússia.

    ResponderExcluir
  7. Neste domingo, no site Terra algumas matérias sobre esta pauta de ontem aqui no Folha Verde News. Uma delas: Por iniciativa da Procuradoria da Mulher da Câmara dos Deputados, diversas parlamentares assinaram ofício ao embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov, solicitando apoio para que a bióloga brasileira Ana Paula Maciel seja libertada. As informações são da Agência Câmara.
    Ana Paula integra um grupo de ativistas do Greenpeace, que foram presos dia 19 de setembro, no Ártico, ao realizarem uma manifestação na plataforma da petroleira Gazprom em uma área considerada de proteção ambiental. As deputadas argumentam que a Declaração Universal dos Direitos Humanos, do qual são signatários o Brasil e a Rússia, prevê que ninguém será arbitrariamente preso e que todas as pessoas possuem direito à liberdade de opinião e expressão por qualquer meio. Assinaram o ofício as deputadas Alice Portugal (PCdoB-BA), Carmen Zanotto (PPS-SC), Elcione Barbalho (PMDB-PA), Erika Kokay (PT-DF), Iara Bernardi (PT-SP), Íris de Araújo (PMDB-GO), Jaqueline Roriz (PMN-DF), Janete Capiberibe (PSB-AP), Lauriete (PSC-ES), Luci Choinacki (PT-SC), Luciana Santos (PcdoB-PE), Luiza Erundina (PSB-SP), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Marina Sant´Anna (PT-GO), Nilda Gondim (PMDB-PB), Nilmar Ruiz (PEN-TO), Professora Dorinha (DEM-TO); Rosinha de Adefal (PTdoB-AL) e Rosane Ferreira (PV-PR), que levantou esta proposta de apoio.

    ResponderExcluir

Translation

translation