quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

NA VOLTA DAS AULAS RETORNA AGORA TAMBÉM O DEBATE SOBRE A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

 No rítmo da violência da realidade a educação e a  vida das crianças e jovens ficam no prejuízo

2 em cada 10 alunos de escola pública admitem comportamento violento: mais de 80% dos pais e estudantes entrevistados pelo Instituto Data Popular afirmam que suas escolas não realizam nenhuma campanhas contra a violência, ela que é um dos principais problemas atuais nas escolas segundo a Apeoesp: é também talvez o problema nº 1 da realidade atualmente, argumenta Padinha


Há que se considerar que a violência está em tudo e não somente nas escolas...

...mas 4 em cada 10 professores foram vítimas de violência nas escolas públicas

Esta situação prejudica o processo da educação e a qualidade de vida das crianças e dos jovens

Mas eles também aumentam o clima por exemplo com a prática do bullying...


...isso. além de adolescentes infratores que muitas vezes invadem as escolas também...

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Data Popular em parceria com a Apeoesp, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, aponta que dois em cada dez alunos da rede publica paulista admitem já terem cometido algum tipo de violência nas escolas. Segundo o levantamento, somente 13% dos pais disseram ter tomado conhecimento de episódios de violência envolvendo seus filhos. Apesar disso, a pesquisa revelou que 40% dos docentes, 81% dos pais e 83% dos estudantes afirmaram que suas escolas não realizam atualmente nenhuma campanha que possa estimular a não-violência. Quando ocorre, algum tipo de campanha nem, sempre ela é considerada eficiente ou suficiente para a maioria dos três grupos entrevistados. Estes conteúdos estão entre outros indicados pelos números finais da pesquisa do Instituto Data Popular. O levantamento foi feito com base em entrevistas com 1.400 professores ainda em 2013 e comparou seus resultados com os depoimentos de 700 pais e 700 estudantes colhidos entre outubro e novembro, antes da virada para 2014, quando especialistas em educação e em tendências sociais admitem existir um temor de que a violência escolar aumente mais ainda agora neste ano que além do Carnaval, terá a Copa do Mundo e um clima de revolta na cidadania em todo o Brasil: "Há problemas estruturais que não foram bem resolvidos ao longo dos anos e eles também são causas desta situação e já agora neste recomeço das aulas, com a chamada quarentena (prazo formal de 40 dias para professores serem recontratados pela Secretaria de Educação do Estado), as aulas estão prejudicadas por falta de professores", comenta aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News o nosso editor Antônio de Pádua Padinha: "Há ainda o agravante da violência que vem de fora para dentro das escolas, a realidade do país e da vida tem esta tendência negativa, isso e mais a desvalorização do professor, os baixos salários e a baixa qualidade do ensino em grande parte da rede pública, tudo colabora para o pior"...A pesquisa também mostra que os professores são, proporcionalmente, as maiores vítimas de violência dentro do ambiente escolar. Pelo menos quatro em cada dez docentes da rede estadual sofreram alguma forma de agressão, enquanto entre os alunos a proporção é de quase três em cada dez. O comportamento violento é explicado de forma diferente para pais, alunos e professores. Para grande parte dos docentes, a educação recebida em casa pelos estudantes é responsável pelo problema, enquanto, na perspectiva dos pais, ele é motivado em razão do consumo de álcool e drogas. Segundo os alunos, os conflitos entre os estudantes seriam os principais causadores de violência. "Muitos citam o reflexo da realidade atual do país e da vida hoje e este é um fator essencial", avalia o repórter e ecologista Padinha ao editar este post em nosso blog. Outro dado mostrado pelo levantamento que pode refletir a violência nas escolas é que 60% dos pais entrevistados acreditam que a punição física contra os filhos, como tapas, é uma prática aceitável para correções de comportamento, algo que é visto atualmente como antieducativo. Felizmente, a grande maioria dos pais, oito em cada dez, acredita que a violência existente no interior das instituições de ensino seja influenciadas pelo que acontece do lado de fora delas. Mostra que pelo menos a comunidade escolar está informada. Somente medidas sustentáveis e amplas podem motivar a criação de outra realidade no país, na vida e também, nas escolas.

 Fontes: www.apeoesp.com.br
             www.terra.com.br
             http://folhaverdenews.blogspot.com  


7 comentários:

  1. Lembramos aqui nesta pauta os princípios de Sumerhill (Liberdade Sem Medo) para comentar que a incidência de fatos violentos atrapalham demais o processo da educação de nosso jovens e crianças...

    ResponderExcluir
  2. Ressaltamos também os problemas estruturais do Brasil e da própria educação pública, como por mau exemplo, a desvalorização da profissão dos professores. Isso também aquece o clima de violência nas escolas.

    ResponderExcluir
  3. O levantamento do Data Popular mostra que 19% dos alunos da rede pública estadual de São Paulo (mais de um em cada cinco estudantes dos ensinos fundamental e médio) admitiu ter praticado algum ato de violência dentro da escola. Isso reflete a rotina na realidade escolar.

    ResponderExcluir
  4. Abrimos espaço aqui para "o outro lado". A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa que "a pesquisa citada ouviu somente 0,6% dos 230 mil professores atuantes nas escolas estaduais e que os números não refletem a realidade da rede estadual paulista. A ação permanente da pasta é para o envolvimento da comunidade escolar na prevenção de um problema social complexo como a violência. Todas as medidas que competem à educação têm sido realizadas de forma constante". Ainda de acordo com a Secretaria, quase 3 mil professores mediadores atuam para identificar vulnerabilidades e traçar ações preventivas. Mas ao contrário do que informa a nota oficial da Secretaria Estadual de Educação, a realidade de violência é real e está crescente...

    ResponderExcluir
  5. Ainda segundo a Apeoesp e os dados da pesquisa, as outras formas de violência admitidas pelos estudantes foram discriminação (2%), bullying (1%) e violência sexual (1%). De acordo com a pesquisa, 80% dos alunos disseram que nunca praticaram violência escolar, e 1% dos entrevistados nem quís responder à pergunta. Do total de pais de alunos que participaram da entrevista, 10% e 5% relataram que seus filhos foram autores de agressão verbal e física na escola....



    ResponderExcluir
  6. A falta de educação, respeito e valores foi apontada como motivo do problema por 74% dos professores ouvidos pelo Data Popular, mas cerca de metade dos docentes atribui a origem da violência à educação praticada em casa (49%) e a problemas familiares ou à postura dos pais (47%). Já os pais apontam como principais fatores as drogas e álcool (49%), conflitos entre alunos (42%), educação em casa (38%) e falta de policiamento (30%). Os alunos também apontam estes quatro fatores, sendo o conflito de estudantes o principal deles, a briga entre estudantes é algo que cada vez mais acontece nas escolas.

    ResponderExcluir
  7. Mande você também a sua opinião, informação, crítica ou mensagem sobre esta pauta de hoje aqui para a redação do nosso blog, envie via o e-mail navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation