domingo, 26 de janeiro de 2014

NÃO VAI TER COPA: NOVIMENTO DOS BLACK BLOCS AGITA SÃO PAULO NO SEU 460º ANIVERSÁRIO

A principal manchete deste domingo no jornal Folha de São Paulo é sobre protesto contra a Copa

Ainda no sábado pela manhã, mais de 24 mil internautas haviam confirmado adesão ao protesto organizado através do Facebook, mas nas ruas de São Paulo, contrariando a festa do aniversário de quase 500 anos da maior cidade da América do Sul, participaram da manifestação entre 1.500 e 2.000 pessoas: hoje, no day after, a Folha deste domingo na sua edição nacional destaca como principal manchete este evento: "Protesto contra Copa em SP tem depredação e 128 detidos,xingados por manifestantes,  autoridades como Haddad e Alckmin condenam "vandalismo". No dia do aniversário da capital, ato teve bancos e carros da Guarda Civil destruídos; PM reagiu com bombas de gás". Cá entre nós, depois de analisar as informações de agências internacionais de notícias online, o editor do nosso blog de ecologia e de cidadania, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha comentou que "o jornal bem que está em cima dos fatos da atualidade, não destaca porém a profecia Black Bloc, que lançou com esta manifestação o movimento Não Vai Ter Copa, algo que precisa ser discutido mais amplamente no Brasil, tanto este movimento que tenta recriar de outra forma a onda de manifestações de junho de 2013, aproveitando a grande exposição mundial de mídia que o país terá durante o torneio internacional da Fifa, como também, a realidade brasileira de agora: ela precisa ser debatida e vir a ser objeto de medidas sustentáveis antes que acabe gerando mais problemas e uma violência maior ainda", argumentou Padinha ao editar este post no Folha Verde News.


                A sequência de fotos mostra mais uma vez a equação da violência da realidade




 


                       Equação:... festa popular + cidadania + Black Bloc + PM = mais violência


Segundo reportagem dos jornalistas Cida Alves, Reynaldo Turollo e Sabine Righetti, da Folha de São Paulo, edição impressa, que está sendo reproduzida via Internet em vários países, "o protesto contra a realização da Copa terminou em depredação e tumulto pelas ruas do centro, com a repetição das cenas de violência dos protestos do ano passado. Ao menos 128 manifestantes foram detidos e levados em ônibus cheios para a delegacia dos Jardins. O prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) reagiram de forma dura ao protesto. Ambos classificaram como "vandalismo" o comportamento de manifestantes, sem se referirem à atuação policial. "Esses vândalos não mancharam um dia que foi inteiro de festa", disse Alckmin, numa rede social. O petista lamentou que o ato pacífico tenha terminado com "atos de violência, vandalismo e depredação". O protesto --que teve 1.500 pessoas, segundo a PM-- descambou para a violência quando adeptos da tática "Black Bloc" se separaram dos demais manifestantes. A confusão começou perto do Theatro Municipal. "Black Blocs" depredaram agências bancárias, lojas, carros e uma viatura da Guarda Civil Metropolitana. A PM, que até então acompanhava a manifestação sem intervir, utilizou bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para dispersar o grupo na rua Augusta. No cerco, pessoas que estavam nos bares, crianças e idosos acabaram inalando gás. A polícia fez um cordão de isolamento para evitar que o ato chegasse à praça da República, onde havia shows do aniversário da cidade. Os atos contra a Copa ocorreram simultaneamente em 13 capitais. Em Fortaleza e Natal também aconteceram confrontos, em menor escala. A manifestação em São Paulo teve grande aparato de segurança --2.000 PMs atuaram. Policiais filmaram e fotografaram os participantes. A manifestação começou por volta das 17h30 na altura do Masp, onde cerca de 50 pessoas estavam acampadas desde a madrugada. Antes, PMs revistaram participantes na Paulista, criando um clima de tensão, que aumentou quando cerca de 40 "Black Blocs" se posicionaram na linha de frente, vestidos de preto e mascarados. Durante o ato, manifestantes exibiram mensagens e entoaram gritos como "Brasil, vamos acordar, professor vale mais do que Neymar". Na Brigadeiro Luís Antônio, lojistas assustados baixaram as portas. Pouco depois, a confusão se generalizou após manifestantes quebrarem as portas de uma agência da Caixa e atirarem lá dentro uma lixeira em chamas".

Fontes: Jornal Folha de São Paulo
             Reuters, AFP
             http://folhaverdenews.blogspot.com



9 comentários:

  1. É legítimo o protesto Não Vai Ter Copa mas está difícil separar o movimento de cidadania do "vandalismo", seja ele de alguns grupos mais radicais como o Black Bloc como também da polícia e de autoridades políticas que não têm uma atuação realmente pública, ética, democrática, o que faz aumentar a violência...

    ResponderExcluir
  2. "Não há lei que segure os Black Blocs", diz Promotor ao Jornal da Luzilândia e à CBN: o promotor Marcelo Luiz Barone, que atua com a polícia na investigação dos atos de vandalismo e depredação em São Paulo, diz que bandidos se infiltraram nas manifestações para roubar celulares e caixas eletrônicos.

    ResponderExcluir
  3. Entre junho e julho de 2014, quando o mundo todo acompanhará a Copa do Mundo no Brasil, o país corre o risco de ser palco de novos atos de violência, causados pela mistura de vandalismo oficial ou "plantado" e pela ação da PM também violenta, a dano da população, e não há nada que a Justiça possa fazer para prevenir os ataques. Essa é a opinião do promotor de Justiça Criminal Marcelo Luiz Barone, representante do Ministério Público de São Paulo na força-tarefa que investiga os mascarados flagrados e os atos de vandalismo.

    ResponderExcluir
  4. Muita gente em grandes cidades como São Paulo têm hoje muito medo do que pode acontecer durante a Copa do Mundo diante deste mix de violência, falta de gestão pública e protestos de cidadania reprimidos pela PM e infriltados pelo vandalismo oficial ou de protesto. "Se agora já está assim, imagina na Copa, será o fim", cantava na rua em Sampa ontem um grupo de manifestantes...

    ResponderExcluir
  5. Mande vc tb a sua opinião, comentário, informação ou mensagem aqui para a redação do nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. "Espero sim que tenha Copa mas prá ajudar o Brasil e até os Black Bloc usando a cabeça podem pçarticipar só que sem o lance da violência, a crítica de tudo e a rebeldia sem violência, isso pode conquistar a mídia de todo o mundo": esta é uma das mensagens que nos enviaram as amigas Marileine e Leonor Campos, ambas da ECA da USP. Mande vc tb a sua mensagem: navcepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Estou numa lan house, sou estudante da USP, participei sábado das manifestações e pelo que sei uns 200 jovens foram presos, alguns amigos meu, espacei por pouco, um jovem foi baleado e a polícia foi violenta, mais violenta do que a gente": esta mensagem chegou em nosso e-mail na noite de domingo.

    ResponderExcluir
  8. Informações do site UOL: A maioria dos detidos levados à delegacia dos Jardins durante a manifestação de sábado mora em bairros da periferia das zonas sul e leste. Mas o perfil dos fichados pela polícia é diversificado, e vai de um militante do PSOL a outro que disse ser do PSDB. Dos 119 identificados no boletim de ocorrência, 62 têm entre 20 e 29 anos e 14 são menores de idade. Mas o leque é amplo: a detida mais nova tem 14 anos e o mais velho é um funcionário público de 59.

    ResponderExcluir
  9. Atirar em rapaz foi exagero para especialistas ouvidos pelo mesmo site e notícia do programa Fantásticop da Globo: um rapaz de 22 anos foi baleado duas vezes, policiais alegaram leg[itima defesa. Especislistas contrariam esta versão e afirmam que foi usop desmedido de força.

    ResponderExcluir

Translation

translation