sábado, 11 de janeiro de 2014

VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DUPLA DE IRMÃS BUSCAM NOVO CAMINHO POP



Cantoras buscam novo espaço na música pop e participam de documentário sobre violência
 
Pepê e Neném (ou Potiara e Potiguara), as duas cantoras cariocas e brasileiras, ligadas à pop art e à word music, estão sendo entrevistadas neste sábado pelo repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, editor deste blog Folha Verde News, para o documentário "Não-Violência versus Fim do Mundo", debatendo a resalidade violenta do país e do ser humano. Rodrigo Vergara, da equipe da Net Rádio Brasil, onde o documentário será finalizado, comentou que este trabalho cult e ecológico deverá ser lançado durante a Copa da Fifa, no meio deste ano, aproveitando a exposição de mídia nacional e internacional no Brasil e a atualidade deste tema. Padinha disse por sua vez estar retomando suas atividades como documentarista, ele que passou pela Blimp Filmes, fez Globo Repórter e atuou em vários canais, como Band e Cultura, onde venceu em 1º lugar um festival de telepeças: "Pepê e Neném têm tudo a ver com a discussão da violência no país e também da busca de uma cultura da vida, cultura do coração".

A dupla de irmãs faz um trabalho original e criativo no pop contemporâneo do Brasil

A entrevista com Marília Gabriela no SBT causou  e agitou os bastidores

Segundo o site São Gonçalo Online, as irmãs gêmeas Potiara e Potiguara (as duas assinam Silva Santos de Oliveira) nasceram no Irajá, na Zona Norte do Rio de Janeiro, fizeram muito sucesso nos anos 90, quando chegaram a ganhar um Disco de Ouro e agora buscam no funk, no soul, na black music, um novo caminho no pop, esta é a atualidade da dupla Pepê e Neném.  Cresceram numa família de sete filhos e, já aos nove anos de idade, cantavam em festas de conhecidos e batizados, interpretando sucessos de ídolos como a Sandra de Sá ou a Alcione. A Wikipédia registra que ainda aos16 anos, fugiram de casa por sofrerem violência física severa de seu pai (se não bastasse o sofrimento, haviam perdido a mãe quando eram bebês): também  tiveram até de dormir na rua, cantando em portas de lojas em troca de um prato de comida, passando dificuldades de saúde, até que conseguiram um espaço na gravadora Virgin. O disco de estreia das irmãs, chamado apenas Pepê & Neném, chegou ao mercado em 1999 com uma mistura de música negra americana e sotaque dos morros. A fórmula deu certo, o trabalho vendeu mais de 150 mil cópias (garantindo o primeiro Disco de Ouro das artistas) e rendeu até viagens como para os Estados Unidos e muitos shows de sucesso. Músicas como "Mania de Você" e "Mais Uma Vez" frequentaram as paradas populares e levaram a dupla aos programas de maior audiência da televisão nos quais, invariavelmente, elas faziam uma imitação de Michael Jackson com direito às danças típicas e um inglês inventado e criativo.  Um ano depois, Pepê e Neném voltaram à mídia com seu segundo álbum, Tudo Bem. O trabalho foi conduzido pela música "Nada Me Faz Te Esquecer" (versão de "Wild World", de Cat Stevens). Em 2001, a dupla voltou a ser destaque no rádio e nas emissoras de TV, mas como personagem de um drama. Perderam muito dinheiro por conta de empresários que as burlaram nos negócios, por exemplo, vendendo shows por 30 mil reais mas computando para elas como se tivessem sido comercializados por 10 mil. No ano passado, ambas assumiram a homossexualidade, entrevistadas por Marília Gabriela (SBT). Elas que moraram antes da fama em Salgueiro, contaram à apresentadora que passam por dificuldades financeiras, que estão tentando uma nova rota ou uma reafirmação profissional e foram sinceras:  “Somos homossexuais desde criança, as duas. Eu, com dez anos de idade, me apaixonei por uma menina”, revelou Neném. “Nunca namoramos um homem”, completou a irmã. Por enquanto não foram vítimas de homofobia, mas de assalto e isso em pleno interior de São Paulo, na cidade de Franca, nordeste paulista, quase divisa com Minas, a capital do calçado e do basquete. Potiguara de Oliveira, a Neném (que faz dupla com Pepê, sua irmã gêmea Potiara) foi assaltada na madrugada da última terça-feira. Ela atravessava uma passarela na frente do Franca Shopping  e foi rendida por três bandidos, que levaram pulseiras, correntes, dinheiro e objetos pessoais da cantora  Neném estava na companhia de um casal de amigos e pretendia se dirigir a uma conhecida casa noturna na região. A Polícia Militar foi acionada e conseguiu localizar os assaltantes - dois deles menores de idade, e recuperar os objetos roubados.Neném chegou a ter um revólver apontado para sua cara mas dois tiros falharam e ela escapou e disse para toda a mídia regional e nacional: "Nasci de novo".  Depois de fazerem shows e apresentações especiais pela região, voltam ao circuito São Paulo e Rio, procurando as duas, que têm muito talento, reconstruirem uma trajetória de sucesso pop, nascendo de novo na música atual do Brasil, um dos países mais violentos do mundo. E por sinal, agora neste sábado, estão participando de uma filmagem especial no documentário que tem bastante canções também (como a música-tema, composta por Beto Eliezer): "Não-Violência X Fim do Mundo", por coincidência também marca uma retomada na trajetória cultural do repórter e ecologista Padinha.

Fonteshttp://zip.net/bsl1PK
              www.bol.com.br
              Wikipédia
              www.radioimperadordefranca.com.br
              http://folhaverdenews.blogspot.com


7 comentários:

  1. Em Franca, Pepê e Neném tiveram o apoio da amiga Angelina Capeletti, que é quem fez o meio de campo para a participação da dupla no documentário sobre a violência, sendo dirigido pelo editor do nosso blog de ecologia e de cidadania.

    ResponderExcluir
  2. Este documentário tem o apoio em filmagens, gravações e na edição final da Net Rádio Brasil, empresa de âmbito nacional e sediada em Franca (SP), dirigida pelo músico e engenheiro eletrônico Beto Eliezer.

    ResponderExcluir
  3. "Pepê e Neném deverão filmar em ambientes que lembram crianças e a infância, ambas êm um lado angelical e ao mesmo tempo quando garotas foram vítimas de violência", comentou Padinha.

    ResponderExcluir
  4. "Estamos preparando um novo CD e este contato, inesperado, em Franca com compositores e com este ecologista fazendo um documentário veio em boa hora pro nosso trabalho", disse Neném.

    ResponderExcluir
  5. Mande vc tb a sua opinião ou comentário aqui para a redação do nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. "Essa ponte cultural entre interior paulista e artistas cariocas pode dar samba": é a mensagem que recebemos de Arthur Ginetti, da USP em São Paulo. Mande vc tb a sua opinião sobre a pauta do post de hoje, via e-mail para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. "A gente aqui em Ribeirão está curtindo essa mistura de música, imagem e debate sobre violência, nossa família toda curtiu e torce pelo sucesso destes trabalhos que fogem do comercialismo atual da arte": agradecemos o comentário e a atenção da família Morais da Vila Virgínia em Ribeirão Preto (SP) que nos mandou esta mensagem.

    ResponderExcluir

Translation

translation