segunda-feira, 19 de maio de 2014

DOIDÕES PELA INTERNET?...A GERAÇÃO DIGITAL É HOJE CONTEMPORÂNEA DO FUTURO

"O computador veio resolver problemas que a gente não tinha”, dizem humoristas e os psiquiatras concordam: a tecnologia digital avança cada vez mais a informação


Confira aqui análise sobre os Doidões pela Internet
 
Ainda que não se saiba até o momento, e com certeza, se os problemas relacionados à Internet serão clinicamente significativos no futuro ou se serão de irrelevantes, o que se tem constatado é que seu uso pode estar presente em diversas patologias psíquicas, já se constata a manifestação de alguns transtornos através da fissura por internetar, como é o caso da adicção ao jogo e ao sexo virtual. Se
alguns autores mais pessimistas consideram que os novos dispositivos tecnológicos capazes de diminuir muito, ou mesmo substituir, esforços humanos podem nos debilitar, podem nos fazer menos humanos. O choque cultural já foi provocado por diferentes avanços tecnológicos em diferentes momentos da história, segundo o mestre Umberto Eco (1996). Agora é a vez da Internet a provocar o mesmo fenômeno: assim começa este novo estudo, caso você se interesse, acesse o site especializado http://wwww.psiqweb.med.br  Aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News fazemos este aperitivo desta pauta, devido à importância deste tema. Não sabemos ainda se é justo falar em Compulsão à Internet, se existem pessoas consideradas normais que passam muito tempo na frente da televisão ou curtindo som, isso será muito possivelmente, também com prejuízo do relacionamento interpessoal. É comum nos consultórios de psiquiatria, pais que tentam atribuir até um diagnóstico de "Viciados na Internet" para seus filhos. Entretanto, esses mesmos pais passam também muitas horas no trabalho (workaholic), além daquelas horas que o ganho de dinheiro justificaria, ou diante da televisão, no bar, em torno do futebol ou de algum outro tipo de jogo ou de lazer intenso. O médico especializado José Luís Muñoz Mora faz uma colocação interessante, diz que, "enquanto o álcool, a maconha e a cocaína podem ser consideradas drogas, facilitam o contacto social, o vício na Internet seria uma patologia que se desenvolve em pessoas de vocação solitária. Acreditamos que seriam, além de pessoas solitárias, também não desejosas de um convívio interpessoal exuberante  ou até entusiasmado, trata-se de uma opção de postura social, compensada e gratificada pelos recursos desta mídia, pois são comuns os traços de introversão na personalidade de informáticos compulsivos". O mais sensato talvez ainda seja considerar internautas compulsivos os usuários que, além do mais   recorrem à Internet para jogos, bate-papo e pornografia. Na verdade, a Internet  é hoje um importante meio de trabalho para muitos, uma oportunidade de extraordinária criatividade para outros e uma vasta fonte de informação para todos. Há pois, necessidade de diferenciarmos o lazer, o trabalho e a informação do vício em internetar  A socialização e a comunicação interpessoal virtuais parecem constituir os elementos básicos do uso intenso da Internet para um grande número de internautas, manifestando-se através do intercambio dos chats, do correio eletrônico, participação em grupos de discussão, conversações em tempo real. Para outro grupo, a busca de prazeres sexuais negados pela realidade concreta tem sido o ponto chave, aparecendo sob a forma da busca continuada e excessiva de material erótico e pornográfico. "O vício, o transtorno ou a doença psicológica, psiquiátrica em termos de usuário da web, como uma droga, é bem diferente dos que trabalham com a busca ou a troca de informação nesta mídia que cresce muito também pela liberdade de expressão", comenta por aqui no blog o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, nosso editor de conteúdo. Ele procura diferenciar a fuga da realidade para o mundo virtual da busca de informações, como uma ferramenta de avanço cultural e de interação com as outras pessoas: "Nesse sentido, a maioria dos doidões pela Internet que eu conheço, na prática são pessoas equilibradas, na maioria, atuando com comunicação, nas redes sociais, não só por vaidade e não por exibicionismo, mas por ser um meio mais rápido e mais econômico, usando a web como um canal direto para mudanças e avanços na vida", argumenta Padinha. Ele cita ainda pesquisas que mostram que a quantidade de informação aumentou muito nos últimos anos, se multiplicou enormemente nas últimas décadas graças à Internet. Apenas 6% da população usam a web compulsivamente não para a vida real mas para a fuga, através da pornografia, games e jogos de azar. É preciso diferenciar este tipo de comportamento fantasmagórico daqueles que internetam para trabalhar ou para participar de um esforço para mudar a realidade atual, como é o caso do blog Folha Verde News, que sempre projeta aqui nos posts de todos os dias a luta cult para criar o futuro.

A loucura pela web ou internetar para fugir da realidade...
 
...é bem diferente do uso da Internet como ferramenta para defender a ecologia ou outras lutas...
 
...ou do trabalho no dia a dia e da busca de informações nessa mídia futurista

Fontes: http://www.psiqweb.med.br
             www.folhaverdenews.com

   

7 comentários:

  1. No site indicado como fonte para esta postagem tem informações de muito valor, por exemplo do especialista Ballone G. J. Moura, creio que conseguimos resumir em pouco mais de uma lauda páginas e páginas de estudos médicos, diferenciando o uso da Internet como uma fuga da realidade ou, pelo contrário, como uma ferramenta para agir nela.

    ResponderExcluir
  2. Assim, há doidões e "doidões" pela Internet: nossa perspectiva é esclarecer isso e matar no ninho a chance de um preconceito ou tabu contra os que intermetam intensamente, mas por razões positivas e não por desequilíbrios.

    ResponderExcluir
  3. Hoje esta pauta é ainda quase esotérica para a chamada grande mídia, mas este tema é superimportante para os que usam a web como uma ferramenta de trabalho, de busca de informação, de interação social nas redes ou até na luta cult para mudar e avançar a realidade. Este é o nosso enfoque.

    ResponderExcluir
  4. Neste site médico de psicologia e de psiquiatras, Psiqweb, a gente descobriu que a média de idade de internautas é de 32 anos, um em cada 10 usuários da web tem menos de 18 anos, 57% dos que intermetam direto são homens, 43% mulheres...São dados que interessam a todos que estão neste universo digital, que tem variados setores.

    ResponderExcluir
  5. Outro dado nota 10 do Psiqweb: a cada 10 horas a informação se duplica na Internet, nela está o centro da maior quantidade de informações dos últimos 50 anos. Já hoje existem mais de 2 bilhões de páginas disponibilizadas na web. Chegará o dia futuro em que cada pessoa terá o seu webespaço?...

    ResponderExcluir
  6. Mande a sua opinião, comentário ou informação sobre esta questão, participe desta pauta, envie a msm para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Acho que levando em conta os smartphones e coisas assim hoje cada pessoa praticamente já tem um webespaço, a minha pergunta é, isso vai avançar ou limitar o ser humano?", é o que questiona Maria Ribeiro: a resposta é uma informação que temos que buscar com calma e muita pesquisa. Continua participando. Mande vc tb a sua msm aqui para nosso blog via o e-mail navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation