terça-feira, 6 de maio de 2014

GERAÇÃO SAÚDE DOS ESTADOS UNIDOS FAZ COCA COLA E PEPSI ALTERAREM SEUS PRODUTOS

BVO retirado de bebidas por pressão pública de consumidores e movimento na Internet

Um azeite bromado conhecido pela sigla em inglês como BVO foi retirado das bebidas esportivas e isotônicas Powerade (da Coca) e Gatorade (da Pepsi) nos Estados Unidos: consumidores alegaram que o uso do ingrediente é proibido no Japão e Europa, por ser nocivo à saúde humana. No Brasil continuará sendo usado?  Representantes da Coca Cola nos EUA confirmaram para a BBC e toda a mídia que o uso do ingrediente foi suspenso, mas não quiseram dar mais informações sobre o assunto. Para se chegar a esta retirada do BVO, houve até um abaixo assinado de milhares de consumidores da Califórnia e do Mississipi, mas tudo começou com a luta de uma adolescente num blog e nas redes sociais que depois se tornou um movimento na Internet.  Detalhe: Sarah Kavanagh tem apenas 16 anos. O BVO vinha sendo utilizado como um estabilizador em bebidas com sabor de frutas, evitando que todos os ingredientes usados se separassem durante o processo de fabricação. Os riscos do BVO à saúde estão relacionados ao brometo, uma substância também utilizada em retardadores de chamas. Por aqui em nosso país, já houve denúncias de sua utilização na fabricação de pães, causando processo da Vigilância Sanitária. Estudos médicos, a partir da pressão dos consumidores e da campanha da garota internauta Sarah Kavanagh mostraram que realmente o consumo excessivo de bebidas e refrigerantes contendo BVO causa efeitos negativos nas pessoas, como perda de memória, problemas na pele e nos nervos ou articulações. O BVO já havia sido retirado ainda em 1970 da lista de ingredientes seguros da Food and Drug Administration (FDA, vigilância sanitária dos Estados Unidos) mas as empresas fabricantes de bebidas haviam conseguido uma liberação, informando que usariam o ingrediente até o limite máximo de 15 partes por milhão. Agora, porém, pelo menos nos States o BVO foi definitivamente aposentado: "Cabe a nós a pergunta, no Brasil este estabilizador continua sendo utilizado?", questiona o editor do nosso blog de ecologia e de cidadania, Antônio de Pádua Padinha, ao resumir estas informações aqui no Folha Verde News. Padinha comenta que por aqui os órgão de defesa da saúde e do consumidor não têm assim tanta força como na Califórnia e no Mississipi...





Este produto da Coca Cola teve  também que remover o ingrediente bromado da sua composição


Os atuais adolescentes nos EUA (também por aqui) aumentam a força da Geração Saúde


A Pepsi já havia sido obrigada a retirar o BVO dos seus isotônicos

O porta-voz da Coca-Cola, Josh Gold chegou a destacar que a decisão da empresa em remover o BVO não estava ligada a medidas de segurança: "Todas as nossas bebidas, inclusive aquelas com BVO, são seguras e assim sempre foram - em linha com as regulamentações dos países onde elas são vendidas", disse ele, por meio de um comunicado oficial. A Coca-Cola  também afirmou que este composto será  substituido na composição pelo isobutirato de acetato de sacarose ou éster de glicerol de resina, que é normalmente encontrado em chicletes. A decisão da Coca-Cola de remover o ingrediente de suas bebidas reflete uma tentativa das fabricantes de bebidas de reconsiderar certas práticas devido à pressão pública. A campanha contra o uso de BVO foi uma iniciativa da americana Sarah Kavanagh, uma adolescente do Estado americano do Mississippi, que questionou por que a substância vinha sendo usada em bebidas direcionadas a esportistas, com ingredientes contrários à prática dos esportes, Depois, milçhares de pessoas aderiram à petição criada pela jovem no site Change.org. No ano passado, a Pepsi, concorrente da Coca-Cola, já havia retirado o mesmo componente do isotônico Gatorade. Um porta-voz da Pepsi acrescentou então que a empresa "vem trabalhando ativamente para retirar o BVO do resto de seu portfólio de produtos". A Pepsi ainda usa o ingrediente BVO em outras bebidas como o refrigerante cítrico Mountain Dew e do energético Amp.A gente espera que esta notícia, que deveria ter uma grande divulgação no Brasil (e não tem, por razões óbvias), a nossa expectativa como esportistas e como ecologistas é que o BVO seja removido de todas as bebidas e refrigerantes também por aqui. O BVO e todos os ingredientes que possam prejudicar a saúde dos consumidores, "o movimento dos jovens e da cidadania precisa incluir esta pauta em suas lutas", sugere o ecologista Padinha aqui no blog. 

Fontes: BBC
            www.terra.com.br
            www.change.org
            www.luchefarma.com.br
            www.folhaverdenews.com

5 comentários:

  1. Esta informação, chegando hoje ao Brasil, reafirma a necessidade de no Brasil o Ministério da Saúde, a Vigilância Sanitária e as entidades de defesa dos consumidores revisarem a análise e a autorização do uso do BVO e de outros ingredientes, conservantes ou estabilizantes em bebidas ou em alimentos industrializados.

    ResponderExcluir
  2. É uma pauta também para a Câmara federal em Brasília e no caso dos consumidores, desde já, limitarem ao máximo o uso de produtos industrializados, enquanto não se esclarece todos os ingredientes que eles contém.

    ResponderExcluir
  3. Esta notícia nos leva a reiterar a sugestão que os consumidores, em especial os jovens, adolescentes e crianças, sejam estimulados mais intensamente a conhecerem e a consumirem os produtos mais naturais e orgânicos.

    ResponderExcluir
  4. Esta questão tem um alcance muito grande e deveria levar também a mudanças na autorização da propaganda de bebidas, refrigerantes, sucos e alimentos industrializados, observando pelo menos o que é ou não benéfico para a saúde: não basta um produto ser apenas gostoso ou saboroso...

    ResponderExcluir
  5. Mande vc tb a sua mensagem, opinião ou informação ou sugestão para o debate e a solução deste problema complexo na realidade de hoje para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation