quinta-feira, 12 de junho de 2014

A TÁTICA DE JOGO PARA SALVAR MASCOTE DA COPA (O TATU BOLA) JÁ ESTÁ DEFINIDA POR ECOLOGISTAS E PESQUISADORES

Instituto Chico Mendes já propôs um plano para a salvação deste bichinho nativo do Brasil que é chamado como o Pan Tatu Bola

O PAN Tatu Bola poderá ser a salvação desta espécie e do seu habitat natural
 
Este é o sentido positivo deste bichinho da Caatinga e do Cerrado ser o Fuleko, o mascote da Copa

 
O Tatu Bola (Tolypeutes tricinctus), espécie exclusivamente brasileira, tem uma imagem tão simpática que não teve dificuldades para ser escolhido como mascote da Copa do Mundo Fifa 2014, ganhou o apelido de Fuleko e a simpatia do mundo, além de cair nas graças dos brasileiros. O que pouca gente sabe é que o Tatu Bola, que vive nos ambientes da Caatinga e do Cerrado, está muito ameaçado de extinção. O risco é tão grave que o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) instituiu o Plano de Ação Nacional para Conservação do Tatu Bola, o PAN Tatu Bola. Este pequeno animal se tornou conhecido e popular como Tatu Bola porque, sob ameaça, ele se fecha completamente em formato de bola. "Esta característica (de virar uma bola)  fez com que ele se transformasse  num dos mascotes mais carismáticos de todas as Copas do Mundo", comenta por aqui o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, editor do blog de ecologia e de cidadania Folha Verde News.  Então, o mascote Tatu Bola, o Fuleko, já está estreando hoje na Copa do Mundo na Arena do Corinthians no bairro de Itaquera em São Paulo.  Infelizmente, a caça predatória, a destruição de seus habitats por desmatamentos ou por agrotóxicos e o pouco conhecimento existente sobre a espécie têm ameaçado sua sobrevivência. Por esta razão, a espécie integra a Lista Oficial das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, classificada como “Em Perigo”, e a Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), na categoria “vulnerável”. Existe, no Brasil, uma outra espécie de Tatu Bola, além do característico da Caatinga do nordeste do país,  este outro é do gênero Tolypeutes, e por enquanto sobrevive nas terras da região Centro Oeste, o Tolypeutes matacus. Esta segunda espécie está presente em áreas do Cerrado, no pantanal em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e também na Bolívia, Argentina e Paraguai. De acordo com os técnicos do ICMBio, o objetivo geral do PAN Tatu Bola é reduzir o risco de extinção do T. tricinctus, elevando-o pelo menos à categoria de vulnerável, e ampliar o conhecimento sobre T. matacus visando-se avaliar, adequadamente, seu estado de conservação. A meta do Instituto Chico Mendes é alcançar este objetivo em cinco anos, a partir da prática de 38 ações contidas em 6 objetivos específicos, coordenados pelos dez integrantes do Grupo de Assessoramento Estratégico. A elaboração do PAN Tatu Bola foi coordenada pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Primatas Brasileiros (CPB) do ICMBio, com o apoio da Associação Caatinga e do Grupo Especialista em Tatus, Preguiças e Tamanduás (Asasg) da IUCN. Colaboraram, também, pesquisadores de outras 15 instituições, entre universidades, órgãos estaduais e federais de meio ambiente e ecologistas ligados a Organizações Não Governamentais. O plano tem a coordenação executiva da Associação Caatinga e será acompanhado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação do Cerrado e Caatinga (Cecat) e pela Coordenação-Geral de Espécies Ameaçadas (CGesp) do ICMBio. "O PAN Tatu Bola agora com a exposição de mídia nacional e internacional de mídia tem tudo para virar realidade, da mesma forma e com a mesma naturalidade com que este animalzinho vira uma bola, porém, a urgência é grande e temos que buscar neste momento sensibilizar as autoridades e as empresas de vários países para que se concretize este potencial" , é o que comenta ainda o ecologista Padinha, do blog Folha Verde News, argumentando que "ao se salvar o Tatu Bola junto com ele poderá ser recuperado o seu habitat, o que poderá resultar numa recuperação ecológica pelo menos em parte da Caatinga e do Cerrado, dois biomas tão agredidos e ameaçados de morte aqui no país da Copa".

 
O Tatu Bola inspirou todo o design da Copa do Mundo e merece investimentos em sua ecologia

 
Um bichinho pequeno, delicado e expressivo da natureza brasileira....

...que vira uma bola para se proteger dos predadores na Caatinga e no Cerrado

Dois biomas da natureza do país podem ser salvos junto com o Tatu Bola
 
Fontes: Ministério do Meio Ambiente (MMA)
              www.ambiente brasil.com.br
              www.folhaverdenews.com
 

6 comentários:

  1. A tática de salvamento deste bicho (O PAN Tatu Bola) está envolvida em toda uma estratégia de recuperação do equilíbrio ecológico pelo menos em parte de dois biomas, onde estas espécies de tatus sobrevivem, a Catinga do nordeste do país e o Cerrado, do Brasil Central.

    ResponderExcluir
  2. Pesquisadores, ecologistas e até especialistas em marketing da Fifa e da CBF desta vez acertaram na tática de comunicação e na estratégia ecológica...

    ResponderExcluir
  3. O Tatu Bola e a natureza em sua volta merecem investimentos nacionais de internacionais, dos governos do Brasil e dos mais de 100 países envolvidos no mundial do futebol.

    ResponderExcluir
  4. Mande vc tb a sua mensagem ou o seu comentário sobre o Tatu Bola e esta pauta ecológica de hoje (que mostra um lado positivo da Copa da Fifa, algo raro...): envie o e-mail para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. "Oportuno no bom sentido este PAN Tatu Bola, realmente cabem direitos de imagem para pagar este bicho e a natureza do Brasil usados como veículo de propaganda do evento multimilionário da Fifa": é a opinião do publicitário Zeca Ferreira de Salvador (Bahia). Envie seu comentário também, pro e-mail navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. "Concordo com este PAN Tatu Bola, mas creio que os pesquisadores, ecologistas e cientistas não serão ouvidos mais uma vez e a Fifa e as empresas da Copa não vão querer pagar direito de imagem. O cachê da Jennifer Lopez para cantar a bobeira oficial pagaram": é o comentário que recebemos aqui do engenheiro agrônomo João Pires, de Uberlândia (MG). Envie também a sua opinião para o e-mail do nosso blog e participe dets pata: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation