sexta-feira, 13 de junho de 2014

UM POTENCIAL POSITIVO DA COPA DO MUNDO AGORA PARA AS CRIANÇAS, PARA A UNICEF E PARA A CIDADANIA

Garotada da Unicef no centro de treinamento da Seleção Brasileira semeando o futuro


Um momento importante para a campanha do Unicef pela garotada

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) lançou uma campanha pelo direito de todos e especil das crianças ao esporte, o lançamento se deu com uma visita à Granja Comari, os jogadores e a Comissão Técnica foram convidados a participar desta luta. Um grupo de 30 crianças e adolescentes foi recebido com carinho, eles fazem parte de projetos de organizações parceiras deste programa da ONU para a garotada em todo o planeta. No encontro, foram detalhados alguns detalhes e o alcance no país e em vários países da campanha “Podemos ser ainda melhores”, pela garantia do direito ao esporte a todos os meninos e meninas. Após assistir ao treino, as crianças interagiram com os jogadores. Ao final, entregaram uma camiseta da campanha, o Manifesto do UNICEF pelo Direito ao Esporte, bem como desenhos feitos por elas com seus desejos de sucesso para a seleção brasileira na Copa do Mundo da Fifa que já mobiliza todas as atenções e todas as mídias no Brasil. Os meninos e meninas que visitaram ao Seleção são das comunidades do Morro dos Prazeres e do Complexo do Alemão, na cidade do Rio de Janeiro, e do município de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A campanha começa a ganhar espaço nas mídias sociais, faz parte da estratégia do UNICEF utilizar a paixão pelo futebol e os esportes para construir uma cultura de respeito aos direitos de todas as crianças e adolescentes. Por esse motivo, o Fundo também nomeou o coordenador técnico da seleção brasileira de futebol, Carlos Alberto Parreira, como o reprersentante no grupo deste movimento pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo. O UNICEF já tem parcerias com alguns clubes brasileiros, como o Flamengo e  o Santos. Este movimento e campanha aproveitam o contexto da Copa do Mundo para convidar cada país participante dos jogos a uma conquista diferente: a estrela do UNICEF, que representa o compromisso de conquistar mais vitórias para a infância. “Um valioso conteúdo de cidadania tem este movimento, no Brasil a gente sabe que o direito de todos ao esporte existe na lei, mas na prática não é bem assim, esta realidade de exclusão torna esta iniciativa de maior valor e  importância ainda”, analisa aqui no blog Folha Verde News, o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha. Nem todas as crianças e adolescentes brasileiros têm acesso aos esportes.. Apenas uma em cada três escolas de ensino fundamental do nosso país possui quadras esportivas, por exemplo. Nas regiões Norte e Nordeste, essa relação é ainda menor: apenas uma em cada dez escolas tem o equipamento básico. “O Brasil tem avançado muito no campo dos direitos da infância, entretanto, na área do esporte, ainda temos desafios que precisam ser superados. O UNICEF acredita que podemos ser ainda melhores, assegurando que todas as crianças e todos os adolescentes possam brincar e praticar esportes em espaços seguros e adequados, com educadores bem preparados, de acordo com sua idade e condição física”, afirma o representante no Brasil do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Gary Stahl. Em meio a tantos eventos de interesse somente comercial ou de significado sem expressão, esta campanha, que já está começando a virar um movimento, merece o maior destaque e todo investimento dos países, das empresas, das entidades e dos clubes de futebol. Mesmo porque também, este tipo de iniciativa pode ser uma contramão à realidade cada vez mais violenta para garotos e garotas aqui e em qualquer lugar do mundo.
Os jogadores receberam carinhosamente a garotada....

...e isso ajudou  também o clima na Granja Comari

Adolescentes e crianças estão vibrando muito com a Copa no Brasil...

...e a iniciativa do Unicef agiliza o movimento....

...para toda criança ter direito ao esporte, ecologia humana

 

             www.folhaverdenews.com
 

6 comentários:

  1. Agradecemos a Unic (assessoria de comunicação da ONU) o envio das informações e das fotos que tornaram possível a realização deste post que hoje estamos divulgando para os internautas que acessam o nosso blog em todas as regiões do país.

    ResponderExcluir
  2. Nem há o que acrescentar à postagem, sob o ponto de vista do valor desta luta ou da importância de uma campanha para ampliar o direito à prática dos esportes no país, nos países. Agora, durante a Copa, esta é mais uma iniciativa que merece realmente ser destacada pelo potencial de cidadania e de diminuição dos índices de violência contra as crianças e os adolescentes.

    ResponderExcluir
  3. Mesmo lá perto da Granja Comari, existe uma outra realidade bem Brasil,ai na vizinha Granja Guarani, com crianças e adolescentes sem a condição básica para vivenciar o esporte, que faz parte da ecologia humana, do equilíbrio necessário à cada pessoa na vida seja onde for.

    ResponderExcluir
  4. Envie vc tb o seu comentário ou msm sobre esta pauta, sobre a iniciativa do Unicef, sobre o lado positivo da Copa (algo que é raridade neste mundo globalizado do futebol buseness): envie seu e-mail para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. "Pensando em termos de crianças e de adolescentes, a Fifa deveria mudar a estrutura das Copas, essa não dá mais, mas na de 2018 na Rússia, para facilitar avanços como os que estão sugeridos neste movimento": é o comentário da professora de Educação Física, Marilene, de Santos (SP). Mande vc tb sua msm pro e-mail do nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. "Acompanhei a postagem sobre o Tatu Bola e agora essa das crianças de favelas, este tipo de investimento como estes é que justificariam uma Copa no Brasil": é a opinião do internauta Aparecido Mendes, de Franca (SP) que ainda comenta: "Não tenho visto matérias assim na mídia em geral, parabéns a esse blog que curto sempre". Nós gradecemos a sintonia: mande vc tb a sua msm: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation