quarta-feira, 16 de julho de 2014

BRASIL SÓ GANHOU A COPA DE GAMES, PERDEU A DA BOLA E A DE LITERATURA, ENTRE OUTRAS

Até no futebol de botão a Alemanha venceu também, o Brasil perdeu quase todas as copas alternativas (especialmente, a de literatura) e só venceu a de games (FIWC) batendo a Alemanha por 3 a 1 na final, já a Seleção dos Estudantes foi a vencedora da Copa do Povo

Enquanto por aqui no interior entre Franca e Claraval, nosso blog Folha Verde News promoveu uma Seleção das Peladas, num campinho rural à beira da rodovia que liga o nordeste do estado de São Paulo ao sudoeste de Minas Gerais, houve vários eventos socioesportivos e de cidadania, paralelamente à Copa do Mundo de Futebol da Fifa (e da CBF), em que a Seleção Brasileira foi o maior fracasso da história deste esporte em nosso país: a BBC documentou 9 destas Copas Alternativas, algumas com evidente espírito crítico da realidade. O site da msn também noticiou. O Brasil venceu somente a de videogames..."Poucos se deram ao cuidado de buscar a informação sobre estes eventos paralelos, mas aqui, agora, está um resumo deles, completando a série de reportagens que postamos no nosso blog da ecologia e da cidadania sobre os bastidores da Copa do Mundo oficial", comenta por aqui o nosso editor de conteúdo, Antônio de Pádua Padinha: "Procuramos nestes dois meses, comunicar antes, durante e pós-Copa contrastes, problemas e avanços da realidade, buscando também divulgar o conceito do esporte como ecologia e como cidadania, que nada tem a ver com o futebol business da Fifa, da CBF e se aproxima mais é da arte do futebol dos peladeiros, uma tradição no país da bola".


O campeão mundial de literatura foi um romancista do Chile na copa disputada nos EEUU



A única das copas que o Brasil ganhou foi a dos games. a  Fifa Interactive World Cup (FIWC) 


Um resumo das Copas Alternativas e em 9 delas o Brasil só ganhou uma...

O Brasil venceu a Alemanha por 3 x 1 na final da Copa do Mundo de Futebol de Videogame. Já a seleção alemã, além de ter vencido a copa oficial da Fifa, foi campeã também no mundial de Futebol de Botão. Na Copa do Mundo de Literatura não deu para os brasileiros: Chico Buarque e o seu livro "Budapeste"  era até favorito mas assim como a fracassada Seleção de Felipão e da CBF  perderam para "Noturno", do escritor chileno Roberto Bolaño, nas oitavas de final. Bolaño (escritor do Chile que morreu precocemente ao 50 anos em 2003) é visto hoje como um dos principais romancistas do planeta, pelo menos entre os países que falam espanhol. Não deu pro Chico do Brasil, onde os livros, a literatura, a poesia, a cultura e a educação não são valorizadas como deveriam ser. E Bolaño acabou dando o título na Copa da Litearatura ao Chile. A BBC Brasil listou nove "Copas da Copa", que também atraíram jogadores estrangeiros, conquistaram torcedores e comprovaram ao menos uma tendência - em pelo menos três delas, a Alemanha chegou à final.
Na Copa do Mundo de Videogame deu Brasil (ufa)
No evento oficial da Fifa e da CBF não, mas o Brasil conseguiu o primeiro lugar nos campos virtuais. Quem garantiu a vitória na telinha foi um "técnico" dinamarquês, August Rosenmeier, de 18 anos, que jogou com o time do Brasil. A final foi disputada com a Alemanha e, de virada, Rosenmeier fez os brasileiros vencerem por 3 x 1. Em sua décima edição, a Fifa Interactive World Cup (FIWC) foi disputada pela primeira vez ao mesmo tempo e no mesmo país da Copa do Mundo de Futebol. Foram 20 participantes, e o vencedor até recebeu o troféu das mãos de Ronaldo, o Fenômeno, mas pouca gente viu, só mesmo os jovens e adolescentes mais plugados da Geração Digital.
Na Copa do Mundo de Futebol de Rua deu Colômbia
A Copa, disputada em São Paulo, seguiu um método de futebol de rua criado pelo ex-jogador argentino Fabian Ferraro, que tem pilares bem diferentes do futebol tradicional, ligando-se mais em conceitos de cidadania e esportividade.
1) Meninos e meninas jogam juntos;
2) Não há juiz;
3) As regras são estabelecidas pelos dois times antes do início da partida e o desempenho de cada um deles é debatido após o jogo.
O torneio reuniu seleções juvenis de cerca de 20 países como Gana, Chile, Alemanha e até Filipinas. Os jogadores, com idades entre 16 e 21 anos, vieram de bairros e comunidades de baixa renda de suas cidades. Fazendo jus à seleção do artilheiro James Rodríguez, muito citado pela garotada campeã neste evento, a Colômbia venceu pelo menos no Futebol de Rua.
Na Copa do Mundo da Literatura já era esperado o Brasil dançar de verde e amarelo
O compositor, cantor e escritor  - que também é um futebolista -  Chico Buarque, com o romance "Budapeste", chegou até as oitavas de final, mas foi eliminado pelo livro "Noturno do Chile", do já consagrado mundialmente Roberto Bolaño, que acabou sendo o campeão mundial cult.  A Copa do Mundo da Literatura foi organizada pelo Three Percent, um programa da Universidade de Rochester que tem como objetivo difundir a literatura estrangeira nos Estados Unidos. Foram escolhidos livros dos 32 países participantes da Copa, lidos por juízes que, depois, anunciavam o placar. "Buarque é um escritor de classe mundial, um Suárez mastigando os ombros de grandes jogadores. Bolaño é Pelé-Beckham-Ronaldinho. Budapeste, de Buarque, é um livro de amor. Eu sinto como se tivesse sido escrito para mim, mas O Noturno do Chile foi escrito para a eternidade", disse o "árbitro" Jeff Waxman, na decisão final, entrevistado por jornalistas dos USA e da BBC Brasil.
A Copa do Mundo dos Refugiados teve só um torneio início por causa do Ramadã
A Copa dos Refugiados está sendo organizada em São Paulo pelo Adus (Instituto de Reintegração do Refugiado) para comemorar o Dia Mundial do Refugiado, em 20 de junho, mas ainda não foi realizada e portanto, não acabou, não tendo ainda o campeão.  O torneio teve seis seleções masculinas da Síria, do Mali, da Colômbia, do Congo, da Costa do Marfim e do Haiti, que foi o vencedor da sua primeira fase. No entanto, um grupo de mulheres sírias pediu para jogar - muitas delas pela primeira vez na vida - mesmo durante o Ramadã.  As comunidades de refugiados na capital paulista ainda terão outro torneio, este definitivo, pela frente. Em agosto, a Caritas Arquidiocesana de São Paulo e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) realizam a Copa dos Refugiados, reunindo times de 16 países. E só então teremos o país vencedor deste evento, social, político e de cidadania.
Também na Copa do Mundo de Futebol de Botão os alemães faturaram
Disputado no Rio, o campeonato reuniu praticantes do esporte centenário que treinavam até quatro vezes por semana para o Mundial. Cada jogador podia tocar na bola nove vezes antes de chutar a gol. Cada botão representava um jogador real. Estavam presentes todas as 32 seleções (dos mesmos países que se enfrentaram na Copa da Fifa) e, na final, a Inglaterra perdeu para Alemanha por 5 x 2.
Os africanos ganharam uma: a Copa Gringos de bola e cidadania
Se na Copa da Fifa a Seleção de Camarões foi abatida logo no segundo jogo, na 1ª edição da Copa Gringos estes simpáticos e sofridos africanos conseguiram conquistar o campeonato mundial. O torneio reuniu 24 equipes formadas por cerca de 360 imigrantes de nacionalidades diferentes – de Japão ao Congo; de Inglaterra ao Paraguai; de Camarões à Bélgica – que moram na capital paulista. A final foi disputada entre a Bolívia, que marcou um gol, e Camarões, que fez dois. O esportista francês Stephane Darmani, organizador deste evento paralelo e simultâneo ao mundial, explicou que um dos objetivos era permitir o encontro, dentro de quadra, de pessoas que vivem em situações completamente diferentes na grande cidade de São Paulo: "Tivemos por aqui na disputa amistosa e tranquila desde executivos de multinacionais até refugiados e desempregados".
Na Copa do Mundo da Desigualdade a simpática Bélgica foi a campeã mundial
Na final da Copa do Mundo da Desigualdade, promovida pela ONG Oxfam, a Bélgica bateu a Alemanha como o país menos desigual do globo. A Oxfam reuniu indicadores dos países, respeitando as chaves da Copa do Mundo da Fifa, e comparou-os até chegar ao campeão. Também foram válidos outros critérios de pontuação, comparados dados sobre igualdade de gênero (neste segmento venceu a Suíça),bem como, saúde e educação (a campeã neste setor foi a Austrália). O Brasil ficou entre os últimos colocados, como aliás é na realidade em termos de justiça social. Na computação geral e final, os Belgas estão na frente de todos os países neste ranking essencial para a qualidade de vida.
Na Copa Popular de Itaquera os Estudantes bateram os Garis na finalíssima
Os moradores da ocupação Copa do Povo, que fica a 3 km da Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo, fizeram seu próprio torneio de futebol, no qual os times representavam categorias de trabalhadores que reivindicaram melhorias salariais nos últimos meses: garis, professores, motoristas, metroviários, vendedores, entre outros. O torneio foi organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) como crítica ao que chamaram de copa elitizada ou elitista da Fifa e da CBF  o detalhe é que começou horas antes da abertura oficial do mundial oficial, começando ali perto. Times masculinos, femininos, "travestidos" e infantis jogaram. A final foi disputada entre os que melhor se classificaram, a seleção dos Estudantes e o selecionado dos Garis, que já era um dos favoritos desde as primeiras partidas. Os Estudantes, no entanto, saíram campeões com uma virada nos lances finais. Melhor alimentados ou preparados ou ainda, menos cansados...
 ...E teve até a Copa do Mundo de Cruzamento de Braços
Sabe aquela viradinha que os jogadores faziam na apresentação na TV dos times na Copa da Fifa antes dos jogos começarem? A revista digital Slate escolheu a melhor de todas as performances. A revista analisou quais jogadores foram mais talentosos na hora de escolher onde colocar a mão com os braços cruzados (é melhor cruzar por fora ou por dentro?), a forma como se viravam (alguns ficam muito de lado, enquanto outros exageram e acabam totalmente de frente para as câmeras) e a velocidade com que cruzavam os braços (o jogador de Camarões Aurelien Chedjou, por exemplo, foi lento demais e não conseguiu cruzar os braços em tempo). O vencedor foi o também camaronês Benoît Assou-Ekotto, com uma viradinha considerada "relaxada e engraçada, no clima bem humorado que deve ter o esporte". Nem nisso o Brasil ganhou, venceu Camarões.

A Copa dos Refugiados será definida somente em agosto



No Futebol de Rua os garotos e garotas da Colômbia foram os campeões 

Rolaram muitos eventos alternativos e críticos antes e durante a Copa da Fifa e da CBF


Em todos eles, uma outra ótica do esporte e da realidade da vida



Um dos principais derrotados na Copa do Mundo foi o mascote em extinção, o Tatu Bola...

...que foi usado como logo e em todo design do evento sem a Fifa pagar direitos de imagem à natureza do Brasil

Os refugiados do Haiti venceram a primeira edição desta Copa especial...

...que critica a violência da realidade atual

Belgas venceram em igualdade social

Nem a tecnologia científica do Brasil teve o espaço merecido na abertura da Copa

Roberto Bolaño do Chile venceu a Copa de Literatura de 2014

 
Teve até Seleção das Peladas na divisa entre SP e Minas

Os alemães foram mais simpáticos nos bastidores da Copa do Mundo da Fifa aqui

Pelo menos a beleza da brasileira Gisele Bündchen se destacou no evento mundial

Fontes: BBC
             http://noticias.br.msn.com
             www.folhaverdenews.com

 

7 comentários:

  1. Na Copa do Mundo da Literatura, organizada pelo Three Percent, um programa da Universidade de Rochester nos Estados Unidos no mesmo período em que rolava a Copa no Brasil, o escritor do Chile Roberto Bolaño foi o campeão e maior destaque, ele que enfocava a literatura como um antídoto à violência da vida.

    ResponderExcluir
  2. Esta iniciativa cult foi uma das mais importantes, talvez um alerta para os brasileiros e todos os torcedores fanáticos de futebol, que tem copas e coisas mais fundamentais no mundo do que o jogo de bola.

    ResponderExcluir
  3. Por sua vez, a Copa dos Refugiados, entre todas as outras, é a que tem uma conotação política, social e de cidadania mais clara, usando a mobilização para o mundial de futebol para uma causa mais urgente e humanitária.

    ResponderExcluir
  4. A equipe do nosso blog se sente feliz em postar esta matéria, nós que com um sentido similar a estes eventos paralelos à Copa do Mundo da Fifa e da CBF, realizamos um por aqui na divisa entre o nordeste paulista e o sudoeste mineiro, Não-Violência X Fim do Mundo, através da Seleção das Peladas.

    ResponderExcluir
  5. Mesmo que tenha sido uma exceção, uma vitória única do Brasil, a conquista da 10ª edição agora em 2014 da Fifa Interactive World Cup (FIWC) por uma equipe brasileira de jovens experts em games, ela também precisa ser ressaltada, pois aconteceu na linguagem contemporânea dos jogos digitais e eletrônicos, que mobilizam a garotada de todos os países até mais do que o futebol.

    ResponderExcluir
  6. "Muito legal saber que pelo menos nos games nossa garotda foi show de bola e ainda mais, vencendo uma equipe alemã na final, ainda por cima, bom d+"...Foi a mensagem que nos enviou Elton, que se dedica a jogos eletrônicos nas horas vagas, ele que se prepara para fazer vestibular em universidades públicas em São Paulo. Mande vc tb a sua msm para o nosso e-mail: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Fiquei surpreso ao ver a boa performance do futebol da Bélgica, acho que foi a seleção de jogo mais bonito no mundial da Fifa, merecia ter sido finalista. E agora me vem essa alegria, os Belgas ganharam a Copa do Mundo da Igualdade Social, da Oxfam, muito mais importante ainda e muito mais difícil pro Brasil, com tanta desigualdade, injustiça social e violência em nosso país": é parte do comentário de Tavares, técnico em turismo, de Santos (SP). Mande vc tb a sua msm aqui p/nós: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir

Translation

translation