sexta-feira, 25 de julho de 2014

SINAIS DE RÁDIO DO ESPAÇO CONTINUADOS CAPTADOS NO OBSERVATÓRIO DE ARECIBO

Cientistas admitem que este tipo de sinais de rádio podem ser de fonte inteligente e extraterrestre: um canal mais rápido de contato do que naves e estação orbital...

 
 
Neste observatório astronômico os sinais de rádio saíram agora da normalidade deste tipo de sons
 
Novo tipo de astronomia pode encontrar ETs?...     

Imagem por Denise Coleman via Flickr
Conjunto de radiotelescópios que vêm sendo usados neste tipo de comunicação
Desde 2007, o astrônomo Duncan Lorimer estava pesquisando pulsares em dados colhidos  já há nove anos antes, quando encontrou algo que não esperava e não podia explicar: um pulso de ondas de rádio que parecia vir de fora da nossa galáxia, e que durou somente 5 milissegundos, mas possuía tanta energia quanto o Sol libera em 30 dias. Pulsares, os objetos originais que Lorimer estudava, são suficientemente estranhos.  Eles são grandes como cidades e densos como o núcleo de um átomo, e cada vez que giram (podendo ocorrer centenas de vezes por segundo), eles enviam um facho de rádio em nossa direção, como um farol.  Mas o único pulso que Lorimer encontrou era ainda mais estranho, e por anos os astrônomos nem mesmo podiam decidir se era real. O pulso em questão pertence à uma classe de fenômenos conhecidos como “transientes rápidos de rádio” – objetos e eventos que emitem ondas de rádio em escalas de tempo ultra curtas.  Eles podem ser causados por labaredas de estrelas, colisões entre buracos negros, relâmpagos em outros planetas, e RRATs – Rotating RAdio Transients (Transientes Rotacionais de Rádio), os quais são pulsares que somente se acendem quando querem.  De forma mais especulativa, alguns cientistas acreditam que civilizações extraterrestres poderiam estar enviando fachos rápidos de rádio para o espaço. O interesse dos astrônomos nos transientes rápidos de rádio está só começando, à medida que computadores reduzem os dados para segmentos de tempo ainda menores.  Os cientistas chamam este tipo de análise de “astronomia de domínio de tempo“.  Ao invés de focar somente nos comprimentos de onda de luz que um objeto emite ou o quão brilhante ele é, a astronomia de domínio de tempo investiga como essas propriedades mudam à medida que os segundos, ou milissegundos passam. Na astronomia de domínio de tempo, os astrônomos essencialmente deixam o obturador do telescópio aberto por algum tempo, como você faz quando usa sua câmera fotográfica à noite.  Com esta longa exposição, mesmo se o pulso de rádio for forte, ele poderia facilmente desaparecer no fundo.  Mas com uma amostragem rápida – em essência, tirando uma foto atrás da outra – é mais fácil ver as coisas que passam rapidamente e depois desaparecem. “A percepção destes sinais curtos já existe há tempos“, disse Andrew Siemion, que pesquisa o domínio de tempo por sinais de inteligência extraterrestre. “Mas foi somente na última década, aproximadamente, que tivemos a capacidade computacional para procurar por eles'. Siemion acredita que o rápido crescimento deste campo de estudo irá revolucionar a astronomia como um todo, não somente para sua própria busca por ET. “A história tem nos mostrado que toda a vez que olhamos no ‘espaço parâmetro’ em astronomia – toda a vez que desenvolvemos uma capacidade de enxergar de nova forma – encontramos algo“, disse ele. “Eu acho que a nossa exploração do domínio do tempo está somente começando.  Iremos encontrar coisas que nunca esperávamos". E é isso que a nossa atual geração de seres humanos esperamos também, a bem de uma evolução da própria Terra...Pode ajudar a nossa função (ou missão) de criar o futuro.

Fontes: AFP
              www.uol.com.br
              History Channel
              www.folhaverdenews.com

 

6 comentários:

  1. Estamos indo em busca não dos ETs mas de nós mesmos, do futuro de nossa espécie...

    ResponderExcluir
  2. O ser humano é por demais ligado ao passado e deveríamos ter avançado mais na criação do futuro: estes sinais como os de Arecibo agora nos indicam também isso.

    ResponderExcluir
  3. Sinais de rádio talvez sejam melhor canal, mais rápido e mais econômico, como que naves, viagens espaciais e estações orbitais em torno da Terra. Cientistas pedem que se invista mais nos radiotelescópios agora que a hightech avançou um pouco na Terra.

    ResponderExcluir
  4. Mande a informação que vc tem sobre este assunto ou a sua opinião ou comentário aqui pro nosso blog, através do e-mail da nossa redação no espaço (daqui da Terra mesmo): navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. "Querido ET Padinha, vc tem razão em se preocupar com o futuro, porque no momento presente estamos todos atolados de problemas que vêm vindo de há muito dos erros e limites do nosso passado, este tema é ecológico e também necessário para mudar nossa atual realidade": é o que diz a msm de Ary Alves, de BH (MG).

    ResponderExcluir
  6. "Arecibo precisa ser aqui, no Brasil precisamos instalar radiotelescópios nos pontos mais altos e remotos para comunicação e pesquisas, também de conteúdo extraterrestre": é o que opina o estudante de USP em São Paulo, que pretende se dedicar à Astrofísica: "Faltam além de equipamentos, investimentos nas pesquisas".

    ResponderExcluir

Translation

translation