segunda-feira, 4 de agosto de 2014

NO MUNDIAL DE MATEMÁTICA BRASIL VAI BEM ASSIM COMO NAS OLIMPÍADAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA

Brasileiros ganham 24 medalhas internacionais de Matemática agora e antes, em julho tinham conquistado bons resultados nas olimpíadas de Física e de Química

O Brasil acaba de conquistar 24 medalhas na 21ª Competição Internacional de Matemática para estudantes universitários, realizada na cidade de Blagoevgrad, na Bulgária: o mundial científico começou na semana passada e terminou nesta segunda-feira 4 de agosto.  Ao todo, 324 estudantes de 73 universidades de todo o mundo participaram e esta notícia está sendo destaque em sites de notícias de vários países e em redes sociais com mensagens postadas por universitários. A Agência Fapesp está também divulgando a conquista e antes, no mês passado, já registrava também bons resultados em duas outras olimpíadas científicas, na 45ª Olimpíada Internacional de Física, realizada entre os dias 14 e 21 em Astana, no Cazaquistão, e na 46ª Olimpíada Internacional de Química, que reuniu entre 20 e 29 de julho 300 representantes de 75 países em Hanói, no Vietnã. "Nós só podemos noticiar com alegria esta vitórias nos três eventos culturais e científicos, de alcance internacional, que demonstram o potencial de juventude brasileira atual, nesse país que definitivamente não é só do futebol", comentou por aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, editando estas informações muito positivas para todos nós que valorizamos a luta cult neste país.     
 
O grupo de jovens brasileiros de várias universidades que conquistaram agora bons resultados na Bulgária


Quase nunca pesquisadores e cientistas têm apoio no Brasil

Há toda uma nova geração de talentos em várias ramos da ciência e da cultura no Brasil
 
Estes brasileiros já haviam se destacado em 2013 também na Croácia em um mundial científico

Futebol 0, Matemática 10 
O Brasil acaba de conquistar 24 medalhas na 21ª Competição Internacional de Matemática para estudantes universitários, realizada na cidade de Blagoevgrad, na Bulgária, com uma participação bem mais brilhante de jovens brasileiros do que na Copa do Mundo do Futebol: a Agência Fapesp no mês passado já registrava também bons resultados em duas outras olimpíadas científicas, na 45ª Olimpíada Internacional de Física, realizada entre os dias 14 e 21 em Astana, no Cazaquistão, e na 46ª Olimpíada Internacional de Química, que reuniu entre 20 e 29 de julho 300 representantes de 75 países em Hanói, no Vietnã, do total de medalhas nacionais, duas foram de ouro, 12 de prata e dez de bronze. Os destaques da delegação brasileira foram Henrique Gasparini Fiúza do Nascimento, do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), e André Macieira Braga, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), ganhadores de medalha de ouro com 69 pontos cada, ficando na 36ª posição na classificação individual. O evento foi organizado pelo University College London em parceria com a American University in Bulgaria. As provas foram realizadas nos dias 31 de julho e 1º de agosto.
Bons de Física e de Química, não só de bola vive o Brasil...
Estudantes brasileiros já haviam conquistado medalhas em dois eventos internacionais ocorridos em julho. Na 45ª Olimpíada Internacional de Física, realizada entre os dias 14 e 21 em Astana, no Cazaquistão, a equipe brasileira voltou com cinco medalhas de bronze. Já na 46ª Olimpíada Internacional de Química, que reuniu entre 20 e 29 de julho 300 representantes de 75 países em Hanói, no Vietnã, os estudantes conquistaram três medalhas de bronze. Na olimpíada de física, o Brasil se classificou na 25ª posição entre os 85 países participantes. A seleção brasileira foi composta por Daniel Mitsutani, Matheus Carius Castro, Pedro Jorge Luz Alves Cronemberger, Gabriel Oliveira Martins e Victor da Rocha Sales. O grande vencedor da olimpíada foi Xiaoyu Xu, da China, país que conquistou cinco medalhas de ouro. Na olimpíada de química, obtiveram medalhas os estudantes brasileiros Artur Souto Martins, Chan Song Moon e Kevin Eiji Iwashita. Moon e Iwashita são egressos da Olimpíada de Química do Estado de São Paulo e os dois já tinham conseguido também medalhas de ouro em competições paulistas e de prata na Olimpíada Brasileira de Química. Agora eles tentarão obter o ouro na 19ª Olimpíada Ibero-americana de Química, que ocorrerá em outubro em Montevidéu, no Uruguai.  Mais informações sobre a Olimpíada Internacional de Física podem ser obtidas no site www.ipho2014.kz/index. Dados sobre a Olimpíada Internacional de Química estão em www.icho2014.hus.edu.vn/. 

 
Fontes: http://wh3.com.br

             Agência Fapesp
             www.uol.com.br

             www.terra.com.br
 

7 comentários:

  1. Todas estas notícias e conquistas são do maior valor e mereceriam muito, muito mais destaque do que têm na grande mídia brasileira.

    ResponderExcluir
  2. Além de demonstrar que o Brasil não é só futebol e que há toda uma nova geração de talentos em várias áreas científicas e culturais em nosso país, estas conquistas podem estimular um maior apoio à educação e à própria pesquisa, algo em falta na realidade brasileira.

    ResponderExcluir
  3. Estas conquistas agora em Matemática, as anteriores em Física e em Química, dimensionam também nosso país de maneira positiva internacionalmente e isso com investimento quase zero, comparado aos recursos usados no futebol e na Copa do Mundo da Fifa recentemente.

    ResponderExcluir
  4. Por aqui no interior, em Franca (SP), há pouco tempo, alunas quase adolescentes da pesquisadora Drª Joana D'Arc Félix de Sousa foram premiadas com inventos com couro em aplicação medicinal. Elas estudam na Fundação Paula Sousa. Drª Joana, anos atrás, vencera em 1º lugar em Havard (USA) um concurso de projetos ambientais, no caso, tratamento químico de lixo.

    ResponderExcluir
  5. Mande a sua opinião ou mensagem sobre esta pauta de hoje aqui pro e-mail do nosso blog: navepad@netsiter.com.br

    ResponderExcluir
  6. "Curti muito a notícia e também os comentários nesse blog, realmente, um país não se faz só com jogadores de bola": é a msm que nos manda Mário Alves, que se prepara para participar de um intercâmbio de jovens escritores nos Estados Unidos, em breve.

    ResponderExcluir
  7. "Vc poderia também ter colocado assim: Brasil 0, Juventude 10. Os jovens brasileiros mereciam um país melhor, se deixar por conta deles (como já mostraram no movimento de cidadania nas ruas em junho de 2013), tudo pode ficar melhor": é a msm que nos manda de São Sebastião (SP) o músico e surfista nas horas vagas Emanuel Pico.

    ResponderExcluir

Translation

translation