quarta-feira, 24 de setembro de 2014

LUGARES MAIS ALTOS DO NORDESTE PAULISTA E SUDOESTE MINEIRO ESTÃO MUITO MAIS SECOS

Os telespectadores e internautas ficaram chocados com imagens no Bom Dia Brasil, da Globo, aqui e em outros blogs de ecologia: a nascente histórica do Rio São Francisco, na Serra da Canastra, seca como nunca antes acontecera nesta região de grandes recursos naturais e hídricos
 
A foto de Ana Lúcia Silva está correndo a web e o mundo com esta triste informação
 
O diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra, Luiz Arthur Castanheira, disse em entrevista ao G1 aos repórteres Caroline Aleixo e Carolina Portilho que foram até lá dda região centro oeste para ouvir que a nascente do Rio São Francisco, situada em nas proximidades de São Roque de Minas secou. "Um furo de reportagem e um escândalo da falta de uma gestão sustentável no país", comentou por aqui ainda ontem o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, editor do blog Folha Verde News, que vem fazendo uma série de posts sobre o problema: na Canastra (1.200 metros de altitude, no sudoeste de Minas, quase na divisa com o nordeste paulista) está secando tudo (até o Rio das Velhas): "Também do lado paulista da divisa com Minas, os lugares mais altos, como é o caso de Pedregulho (110 m) e de Franca (1020 m) está tudo mais seco, no maior estio em 100 anos da natureza regional", avaliou Padinha, "estou a 100km em linha reta da nascente do rio ícone do interior do Brasil e lamentando nossas autoridades mineiras, paulistas nem o Ministério do Meio Ambiente não terem até hoje, apesar de tantos alertas da gente daqui, desenvolvido um programa sustentável de recuperação do equilíbrio ecológico desta região estratégica para todo o Sudeste, aqui estão também em torno do arrasado Rio Grande ass maiores hidrelétricas que abastem a economia brasileira".   Segundo Castanheira, essa nascente é a principal de toda a extensão do rio, que tem 2.700 km. O São Francisco é o maior rio totalmente brasileiro, e sua bacia hidrográfica abrange 504 municípios de sete unidades da federação – Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Goiás e Distrito Federal. Ele nasce na Serra da Canastra, em Minas, e desemboca no Oceano Atlântico na divisa entre Alagoas e Sergipe. "Nunca vi essa situação em toda a história desta região", afirmou Luiz Arthur Castanheira, que é diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra. Segundo Castanheira, o motivo é a estiagem. "Essa nascente é a original, a primeira do rio e é daqui que corre para toda a extensão. Ela é um símbolo do rio. Imagina isso secar? A situação chegou a esse ponto não foi da noite para o dia. Foi de forma gradativa, mas desse nível nunca vi em toda a história da nossa ecologia”.
 

Rio São Francisco (Foto: Bacia abrange mais de 500 municípios de sete estados)


Já o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda, disse que, embora a notícia ainda não tenha chegado oficialmente ao conhecimento do comitê, não causa surpresa em virtude de essa ser uma das estiagens mais graves desde que foi iniciado o acompanhamento histórico do rio. Para ele, a situação é preocupante, já reflete no nível das barragens e ameaça a biodiversidade do São Francisco e a última ecologia de toda a macrorregião do interior.

A nascente pertence ao patrimônio da história da natureza do rio da integração nacional


“Isso não é comum, é preocupante. Não há dúvida de que algo em grande escala está mudando em nosso ecossistema. As principais barragens do Alto São Francisco, que são a de Três Marias e Sobradinho, estão sendo ameaçadas e se aproximam do limite de volume útil de água. Ou seja, a água dos principais afluentes está chegando ao nível zero, e a biodiversidade do rio está comprometida, além de a qualidade do rio estar se deteriorando". Para exemplificar a gravidade do problema, o volume útil da Represa de Três Marias, que é a primeira barragem construída ao longo do rio, chegou a registrar 6% nesta semana. A de Sobradinho, 31%. “São níveis baixíssimos e que causam impactos catastróficos, como já vem ocorrendo no Baixo São Francisco. Com o nível baixo, o oceano está invadindo o rio e salinizando a água doce”, concluiu Miranda. Ele ressaltou que, apesar de a nascente em São Roque de Minas, no Centro-Oeste do estado, não ser determinante para o volume de água da bacia, ela serve como um "termômetro", uma vez que o nível dos reservatórios de toda a região é fundamental para o São Francisco. E as previsões meteorológicas são pouco animadoras. A primavera começou às 23h29 desta segunda-feira (22) e, de acordo com o meteorologista Marcelo Pinheiro, da empresa Climatempo, a tendência é que na estação a temperatura fique de 2ºC a 3ºC acima da média nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste. No Sul, a temperatura pode ficar até 3ºC acima da média. Além disso, a primavera deve ser caracterizada por temperaturas um pouco acima do normal e chuvas dentro da média na maior parte do país – porém ainda insuficientes para resolver o problema de falta d’água nos reservatórios. Especificamente para a região afetada pela seca no sudoeste de Minas Gerais e no nordeste paulista , onde de concentra o Aquífero Guarani (uma das maiores reservas  brasileiras planetárias de água doce no subsolo), a previsão é de que a chegada das chuvas só venham com mais intensidade a partir de outubro e novembro..."É nas montanhas da Canastra e também nos lugares mais altos do nordeste paulista que nascem importantes rios, como São Francisco, Das Velhas, Santo Antônio, Pardo, Sapucaí e o Rio Grande, represado para 10 hidrelétricas por aqui: "Nascem também nas serras da divisa nascentes e mananciais que são vitais para a ecologia que ainda sobrevive no interior do país, que já foi da natureza", o ecologista Padinha, ao resumir estas informações aqui no blog Folha Verde News.
Fogo deve ser erradicado nesta quarta-feira  (Foto: Edvaldo Fausto/Divulgação)
Palmira Ribeiro participou da equipe que documentou mais este incêndio na Serra da Canastra


Fontes: www.g1.globo.com
www.climatempo.com.br
 www.folhaverdenews.com



 

8 comentários:

  1. Olha que nosso editor aqui do blog já fez várias matérias terríveis, como garimpo poluente e queimadas monstro na Serra da Canastra desde o fim do anos 90 nas nunca algo assim de tanto horror, diz Padinha: "É uma situação limite entre a destruição e a sobrevida destes recursos naturais e hídricos estratégicos para o Brasil e o planeta".

    ResponderExcluir
  2. O presidente do Comitê da Bacia do rio diz que não se pode contar com o período mais úmido que deve vir após outubro. Ele defende que, independente das mudanças climáticas, a questão é emergencial e, para ser amenizada, deve-se mexer no modelo da bacia enérgica do São Francisco, realizando um grande pacto das águas. Anivaldo Miranda pontuou ainda que o poder público deve tratar a bacia hidrográfica com prioridade por ser uma das principais do Brasil e estar entre as mais vulneráveis. “O rio atravessa quase 1 milhão de quilômetros quadrados de região semiárida, atende a região nordeste e grande parte de Minas, onde há grande vulnerabilidade hídrica”.

    ResponderExcluir
  3. Diante dessa situação crítica, que na visão do especialista começou a se agravar em abril do ano passado, o Comitê da Bacia do São Francisco vai realizar audiências públicas com pessoas diretamente ligadas à bacia. O diálogo terá duração de 18 meses e será feito com o governo federal, Ministério Público, municípios, usineiros, mineradores, pescadores, população nativa das comunidades ribeirinhas e também a comunidade civil. O objetivo das audiências será discutir sobre o futuro da bacia e apresentar a urgência de investir na recuperação hídrica do São Francisco.

    ResponderExcluir
  4. Os constantes incêndios atingem a Serra da Canastra entre o Triângulo Mineiro, o Sudoeste de Minas e o Nordeste Paulista, na divisa. Os mananciais por aqui apresentam níveis inferiores a 2013, é a seca mais radical em 100 anos, confirmam agricultores e ecologistas que atuam na macrorregião.

    ResponderExcluir
  5. Estudiosos buscam alternativa para sobrevivência dos Lobos-Guarás, do Tatu Canastra, do Tamanduá Bandeira, da Suçuarana e de várias espécies de aves raras que ajudam a fertilizar e equilibrar a Canastra.

    ResponderExcluir
  6. Mande vc tb a sua opinião, comentário, informação ou mensagem, usando o e-mail do nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Eu nem quero falar nada prá não xingar os responsáveis por este mega crime ambiental", opinou João Garcia Mendes, formado em engenharia agrônoma pela USP e que mantém apicultura e plantio de mudas e ervas nativas na Serra da Canastra.

    ResponderExcluir
  8. "O pior é que nem a mídia tradicional nem as redes sociais estão dando destaque a este alerta, parabéns aos ecologistas da região que não deixaram este crime ambiental passar em branco": é a msm de Maria Conceição, da Unesp de Botucatu (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation