domingo, 14 de setembro de 2014

MENINAS DE FRANCA MERECEM PATROCÍNIO PROFISSIONAL PARA TAMBÉM DIVULGAREM A EMPRESA E A CIDADE

Duas empresas da região nordeste paulista mostram interesse em patrocinar o Futebol Feminino de Franca (SP) que hoje tem atletas atuando nas principais equipes do Brasil: um marketing de muito futuro que pode trazer um bom retorno para as empresas e para a cidade
 
Neste sábado, pela Liga Regional, mais uma goleada e uma boa performance das Meninas de Franca, no Lanchão, vencendo por 9 X 1 a equipe de Ipuã e mantendo a liderança do time comandado pela Silvia Roncari e apoiado pela Prefeitura local, através da Fundação de Artes, Esportes e Cultura (FEAC) desta cidade. Em sua maioria, são jovens atletas, as mais experientes e que atuaram com destaque em temporadas anteriores estão em outros times: algumas, em equipes de ponta do futebol feminino nacional que estão começando uma nova fase com o 1º Campeonato Brasileiro com o apoio do Ministério dos Esportes, como na Ferroviária de Araraquara, na equipe de São José dos Campos, na Portuguesa de Desportos ou até no time líder desta competição no momento, o Centro Desportivo,também de São Paulo. Três ou quatro destes destaques estão ou já passaram pela Seleção Brasileira. "Trata-se de uma tradição positiva do esporte do interior, as Meninas de Franca vem se destacando nos últimos 10 anos e já fazem por merecer um patrocinador profissional", comenta aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News, o nosso editor, repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha: o fotógrafo David Radesca, da equipe deste blog, esteve documentando o jogo contra as garotas de Ipuã (SP) no Estádio Municipal José Lancha Filho e você pode conferir aqui
algumas das imagens feitas por ele. A partir destas fotos e de outras com atletas francanas selecionadas ou selecionáveis será feito um book pela empresa de comunicação APP, determinada a conquistar um patrocínio que possa provocar um up grade neste esporte, tanto na equipe  de campo (que na sequência poderá se classificar para a Liga Estadual ainda em 2014 e em 2015, disputar o 2º Brasileirão de futebol feminino, finalmente tendo alguma perspectiva de avanço, as jogadoras brasileiras de bola estão entre as melhores do mundo, como mais uma vez vai demonstrar o Torneio Internacional em Brasília (em homenagem a Luciano do Valle, que abriu a TV Bandeirantes e o mercado para as futebolistas brasileiras). Vem aí também o próprio Mundial da modalidade. Nas cidades do interior, como Franca ou Nova Iguaçu no Paraná, há tradicionais núcleos de formação de novos talentos, um estrutura mínima no Brasil favorecerá a explosão de muitas novas atletas de qualidade, que poderão também irem atuar no exterior, como já fazem Marta ou Cristiane entre outras, ou mesmo integrarem equipes de ponta por aqui no país mesmo, como Érica, a capitã do Centro Esportivo, um dos melhores times nacionais da atualidade. No caso específico das atletas francanas, o projeto é de se obter um patrocínio para o time feminino de futebol de campo e para a equipe de futsal, que vem se destacando sempre nos Jogos Regionais ou Abertos do Interior, bem como em torneios de emissoras de televisão, como os da EPTV (a Globo em Ribeirão Preto) e da TV Record de Franca. Desta forma, o produto, marca ou serviço que investirem neste patrocínio duplo terão mais visibilidade, quanto mais avançar o futebol feminino, a nova e atual tendência deste esporte. Estas meninas guerreiras, que hoje jogam por amor ao futebol e somente com um apoio básico de sobrevivência, poderão - patrocinadas empresarialmente - passarem a ter, elas e as equipes uma melhor estrutura de formação e de expansão no mercado esportivo, onde o futebol é hoje uma das melhores alternativas de profissão e também uma das mais populares e econômicas formas de marketing empresarial, sendo além do mais, um fator de qualidade de vida para uma comunidade, quebrando tabus e preconceitos, inovando e divulgando uma imagem positiva de nossa atualidade.
 
 
Meninas de Franca, um equipe hoje formada por jovens atletas de talento em sua maioria

Com patrocínio e melhor estrutura, com certeza, elas motivarão também mais mídia e mais público nos estádios

Os jogos delas já mostram atualmente flashes do melhor futebol
 
Tanto no futebol de campo como no futsal, um celeiro de novos talentos e arte da bola

As meninas boas de bola estão tanto em times de ponta, como o Centro Esportivo, da Érika, em São Paulo...


...como por cidades do interior onde mesmo sem patrocínio e pouco apoio já estão criando o futuro, como em Franca


Fonte: www.folhaverdenews.com
 

10 comentários:

  1. Recebemos por aqui dois e-mails de jovens atletas que estarão divulgando em seguida, aguarde. E mande você também a sua mensagem, informação ou comentário sobre esta pauta de hoje aqui no blog da cidadania, do que o esporte faz parte, lembrando ainda que o futebol feminino (ainda mais o das mulheres) integra a ecologia da vida.

    ResponderExcluir
  2. As fotos do David Radesca e o texto deste post, escrito pelo Padinha, resumem bem o potencial esportivo e também de marketing positivo para a cidade e para as empresas de Franca ou de quaisquer outros lugares do país.

    ResponderExcluir
  3. Neste momento em que o Ministério dos Esportes, atitude que deverá ser refletida com mudanças na CBF, está lançando (finalmente) o primeiro Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, é a hora mais oportuna mesmo para empresas patrocinarem os novos rumos deste esporte que, cada vez mais conseguirão mais mídia, ampliando o mercado de trabalho esportivo e dando mais uma opção à indústria de lazer no país.

    ResponderExcluir
  4. Quando o país busca um desenvolvimento sustentável, a indústria do lazer, também o futebol, mais ainda o feminino por ser diferente e ainda meio que novidade, ele passa a ser um fator de avanço nesse sentido, o futebol, o turismo, a moda, as novas tendências de comportamento, também da mulher, quebrando tabus, preconceitos e criando uma nova realidade mais feliz. Esta é a opinião do blog Folha Verde News.

    ResponderExcluir
  5. "Parabéns a este blog, sempre na linha de frente ecológica e cultural, por mais esta postagem de valor, realmente o futebol feminino é uma força de comunicação e as Meninas de Franca, que vi jogarem algumas vezes em campos e em torneio de TVs, elas podem ser um sucesso também pro patrocinador inteligente que usar bem este universo positivo": é a msm que nos envia a professora de Educação Física, Mariana Soares, de São Paulo, que autou no Centro Esportivo na USP e vai fazer um intercâmbio na Suécia: "Lá, o futebol feminino é muito mais forte do que no Brasil, vou lá buscar como elas avançaram tanto".

    ResponderExcluir
  6. "Isso não é só aí em Franca que tem mesmo uma tradição de futebol feminino, desde quando eu jogava: me formei em Educação Física e gostaria de trabalho no setor mas é complicado, não é só aí, em todo o país o feminino não tem estrutura e isso compromete o seu futuro": a opinião é de Gisleine Morais, que se formou na USP e atua na rede pública de ensino.

    ResponderExcluir
  7. "Vi esta matéria neste blog com esperança, só gostaria de acrescentar que além do patrocínio, acredito que o futebol feminino em todos os lugares do Brasil tem atletas de talento, acho que falta os grandes times assumirem a modalidade": é a mensagem e sugestão de Maria Campos, a Má, que chegou a treinar no Corinthians em SP.

    ResponderExcluir
  8. "Acredito que as empresas e os empresários olham com bons olhos o futebol feminino, mas antes é preciso ver qual será a posição da CBF, se os grandes clubes vão também investir por aí, tudo ficará melhor para o mkt, em termos de qualidade de futebol acho que hoje ás mulheres têm o mesmo potencial que os homens nesse esporte também como em vários outros setores".

    ResponderExcluir
  9. O e-mail anterior nos foi enviado de Guarujá (SP) e assinado por José Rios, empresário de alimentação: mande vc tb a sua opinião, sugestão ou comentário para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  10. "Sei não, acho que algumas regras e práticas ou táticas do futebol deveriam ser mudadas para as jogadoras": quem comenta é Mariana, que estuda Medicina na USP em Ribeirão Preto e pretende se dedicar à Fisiatria, nos clubes esportivos.

    ResponderExcluir

Translation

translation