domingo, 23 de novembro de 2014

CIENTISTAS E ECOLOGISTAS QUEREM UM MINISTRO DO MEIO AMBIENTE LIGADO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O político mais cotado para compor a nova equipe de Dilma Rousseff  é porém mais ligado à linha pragmática da atual ministra Izabella e tem muito diálogo com o desenvolvimentismo

O Brasil carece de uma gestão sustentável da economia e da ecologia

O Globo, talvez num furo de reportagem, a se confirmar por volta da próxima quinta-feira, quando será anunciado oficialmente todo o novo ministério para o segundo mandato de Dilma Rousseff, este jornal já dá como certa a escolha do senador Jorge Viana, do Acre e do PT, como o escolhido para ser o novo Ministro do Meio Ambiente. Entidades ou líderes ambientalistas e setores do movimento ecológico, científico e de cidadania já se manifestaram em off ou informalmente nos últimos dias que gostariam que o novo responsável pelo Meio Ambiente no país a nível governamental fosse menos burocrático ou menos pragmático do que a técnica até competente Izabella Teixeira ou ainda mais arrojado: nos bastidores já se chegou a citar Fernando Gabeira, que é um dos fundadores do PV e que tem estado numa posição mais independente do que a do próprio Partido Verde, atuando mais como jornalista na Globo News. Gabeira é o perfil do Ministro do Meio Ambiente sonhado por todos os que se ligam nas propostas mais básicas do desenvolvimento sustentável: "Ele não tem nenhuma ou bem menos restrições que Marina Silva e Fábio Feldmann ou Eduardo Jorge têm nos círculos do governo,  só para citar três exemplos, eles se empenharam muito na recente campanha eleitoral. O escritor, jornalista e ecologista Fernando Gabeira é um nome de respeito em todos os setores do Brasil e do exterior, identificado com os avanços socioambientais que são urgentes no país atualmente", é o que comenta por aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News, nosso editor Antônio de Pádua Padinha, repórter ambientalista: "Teria que ser alguém como o Gabeira para haver um avanço, há outros líderes também mas o que também é urgente considerar é que o próprio Ministério do Ambiente precisaria ser mais valorizado pelo Governo Federal, com mais verbas, maior estrutura e tudo o mais ao mesmo nível do Planejamento, da economia", argumenta ainda por aqui o ecologista Padinha, "isso se o Brasil pretender uma gestão atualizada e sustentável". Ele ainda cita que o fato da imprensa já estar ventilando o nome da senadora Kátia Abreu para o Ministério da Agricultura, preocupa, "não pelo fato dela ser CNA mas sim por ser líder dos ruralistas". Padinha acredita que "teria que ser alguém poderia fazer frente a esta situação, fazendo  também com que ambientalistas e ruralistas tivessem uma posição de equilíbrio no novo Governo Dilma, o que é uma necessidade para mudar e avançar o país". Mas ele mesmo, de pronto reconhece que, dificilmente, esta situação de equilíbrio será alcançada neste primeiro momento.

      
O senador do Acre Jorge Viana do PT é o político mais contado para o Meio Ambiente do novo Governo Dilma

Os cientistas, ecologistas e líderes do movimento ambientalista e de cidadania preferem alguém como Gabeira

O político francano Gilmar Dominicci teria sido sondado para ser o Ministro das Cidades?

Nossa equipe aqui do blog, para realizar esta matéria, telefonou para Gilmar Dominicci (PT), ex-Prefeito de Franca (SP) que trabalha  em posto chave no Ministério das Relações Institucionais em Brasília. Sobre os nomes cotados para vir a ser o novo Ministro do Meio Ambiente, ele afirmou que "Jorge Viana, que até foi historicamente ligado a Chico Mendes, pode vir a ser mesmo o escolhido para esta área do governo". Na oportunidade deste contato com nossa reportagem, Gilmar Dominicci negou afirmativamente que tenha sido indicado para ser o novo Ministro das Cidades: "Tudo indica que nesta área o escolhido será Gilberto Kassab, aliado de Dilma em São Paulo, seria uma honra para mim e com certeza, eu poderia fazer um bom trabalho para as prefeituras e as populações das cidades mas esta especulação não tem a mínima chance, não procede a informação que o ex-Presidente Lula teria citado meu nome para esta função". De toda forma, mesmo em meio a uma viagem, Gilmar Dominicci  atendeu com atenção nossa equipe e se colocou à disposição da cidade, da região, do interior paulista, "como um todo", para algum apoio de interesse público junto ao Governo Federal.

Aqui ao lado de Dilma Rousseff, Gilmar Dominicci em Brasília se propõe a defender nossa região e o interior

Jorge Viana, provável Ministro do Meio Ambiente, tem prós e contras para esta função

Senador pelo Acre, com mandato até 2018, o engenheiro florestal Jorge Viana, de 55 anos, é o mais cotado para assumir o Ministério do Meio Ambiente no segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff (PT). A atual ministra, Izabella Teixeira, já comunicou ao Palácio do Planalto que está com malas prontas para uma temporada de estudos em Houston, nos EUA. O acreano Viana segue a linha desenvolvimentista, mas não é considerado xiita ou "ruralista roxo" e tem ótimo trâmite com diversos setores, de ecologistas a seringueiros, passando por agricultores e governantes. O jornal O Globo teve informações que ainda n início de novembro, Viana e Izabella, se reuniram para discutir  em alguns pontos a pasta do Meio Ambiente. Jorge Viana está em Sydney, na Austrália, participando de um congresso mundial sobre unidades de conservação. Volta ao final da semana. Caso assuma mesmo o MMA, sua cadeira no Senado será ocupada pelo suplente Nilson Mourão, um dos fundadores do PT no Acre.

Ex-amigo de Chico Mendes, Jorge Viana estaria hoje próximo demais dos ruralistas?...

Independe de quem venha a ser o Ministro do Ambiente, esta área do país precisa de mudanças e avanços

Engenheiro Florestal, graduado na Universidade de Brasília, teve amizade com Chico Mendes, depois também com Marina Silva e muitos dos Verdes, quando atuava mais diretamente na Funtac, em busca de manejo e uso sustentável dos recursos florestais e hídricos. Ex-Prefeito de Rio Branco, foi ex-Governador do Acre, quando então foi eleito pela revista Time como uma das lideranças positivas na América Latina para o Terceiro Milênio. Atual senador por seu estado, Viana chegou alguns problemas (tipo os que o PT enfrenta hoje) quando foi acusado de ter sido favorecido através de sua empresa Helibrás, mas ele negou, embora a Asmac (a Associação de Magistrados do Acre) tennha reclamado de sua atuação neste episódio. Outro dado, digamos, negativo, é que Jorge Viana acabou não assinando pela fundação da Rede da Sustentabilidade, embora outras lideranças de outros partidos tenham feito isso, porém, ele explicou na época que as circunstâncias políticas dificultavam esta posição. Enfim, um homem do norte do Brasil, que conhece a Amazônia e os recursos naturais brasileiros, isso é positivo, sendo um homem que é muito mais um político do que um engenheiro ligado na causa ambiental. O pior é a sua proximidade com líderes ruralistas, o melhor, a sua antiga amizade com o ícone da ecologia do Brasil, Chico Mendes.

O ícone da ecologia Chico Mendes volta a ser lembrado agora quando as florestas pedem socorro

Fonteswww.oglobo.globo.com
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. No momento em que nossa equipe aqui no blog preparava este post de hoje, o nosso editor Padinha se lembrou dos contatos que havia tido com Chico Mendes, à época da fundação do PV, em Petrópolis (RJ), quando ambos chegaram a planejar um documentário sobre as florestas do país que acabou não sendo realizado, pela morte deste ecologista e seringueiro no Xapuri (Acre).

    ResponderExcluir
  2. "Agora quando todo mundo se preocupa com mudanças e avanços no Meio Ambiente do país, Chico Mendes volta a ser lembrado como uma luz que deveria nos orientar na travessia do momento, meio que no escuro da realidade da crise climática e hídrica": é o comentário que o repórter e ecologista Padinha nos deixou aqui por escrito.

    ResponderExcluir
  3. Mande você também a sua informação ou a sua opinião sobre esta pauta de hoje, enviando a sua msm para o e-mail do nosso blog: navepad@netsite.com.br ou padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Não sei não, tenho muitas dúvidas sobre o que pode vir a acontecer com a área ambiental no Brasil, me parece que o desenvolvimentismo, o desenvolvimento a qualquer custo, mesmo que signifique mais dano ainda ao equilíbrio ecológico da natureza, como já ocorre de forma grave hoje, isso venha a se complicar mais ainda": é a msm que nos enviou por e-mail Pedro Ramos, de São Paulo (SP), onde exerce a profissão de professor de Biologia na rede pública estadual.

    ResponderExcluir
  5. "Sem nem entrar neste problemas gravíssimo do desenvolvimentismo, quero dizer que a ministra Izabella é mais burocrática ou apenas protocolar, que o Jorge Viana é antes de tudo mais um político, que Gabeira ou um outro ecologista seria o ideal para mudar o gueto a que foi condenado no governo federal o meio ambiente, exatamente quando esta área é vista como a mais fundamental atualmente em qualquer país do mundo": é um trecho do texto que nos mandou Sandra Sousa, de Araraquara (SP), onde está se organizando para uma pós-graduação em Letras pela Unesp sobre "cultura ambiental".

    ResponderExcluir
  6. "Concordo com o enfoque deste blog que diz que Meio Ambiente e Economia deveriam estar num mesmo nível de poder em Brasília, a área ambiental é hoje o fator mais importante em praticamente todo o planeta para se alcançar um desenvolvimento de verdade, isso, menos no Brasil": o comentário é de Júlia Moreira, de Niterói (RJ), que se identifica como secretária executiva de empresa de engenharia.

    ResponderExcluir
  7. "Já que não dá prá ressuscitar Chico Mendes, assassinado por ruralistas, então o novo Ministro do Meio Ambiente deveria retomar a linha ambientalista que ele deixou como herança para a Nação": é o comentário de Eduardo Alves, que estuda na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir

Translation

translation