sexta-feira, 14 de novembro de 2014

MEIO AMBIENTE NÃO ENTROU NA PAUTA DOS DEBATES DO G20 AGORA NA AUSTRÁLIA E ELES SERÃO EM VÃO

Presidenta do Brasil se reúne até domingo com principais lideranças mundiais mas a questão ambiental fora da pauta prejudica as 20 maiores economias e todo planeta por erro do G20






Pelo menos o Brasil e países do Brics criticaram Banco Mundial e rumos da economia internacional...
 

...mas G20 ao tirar da pauta meio ambiente no sábado é um evento que perdeu o sentido


A cúpula mundial em Brisbane na Austrália neste fim de semana reunirá, além do país sede, a Unidade Europeia, a China, os Estados Unidos, a Alemanha, a Rússia, o Reino Unido, a Espanha, a Turquia, a Argentina, o Brasil, o Canadá, a França, a Arábia Saudita, a Índia, a Indonésia, a Itália, o Japão, o México, a África do Sul e a Coréia do Sul. "Só por todas estas participações o encontro é de muita importância para definir novos rumos internacionais e nacionais, porém, o que se lamenta é que os temas ambientais não terão o destaque que se faz urgente diante da realidade hoje do planeta", comenta por aqui no blog Folha Verde News o repórter e ecologista ao editar estas informações para resumir o G20 de agora. Como informam agências de notícias como a Reuters e sites como Opera Mundi e Diarioweb, a prioridade será o crescimento e a criação de empregos nos país. O secretário do Tesouro da Austrália, Joe Hockey, prometeu que, ao contrário de encontros de cúpula anteriores, o G-20 vai conseguir resultados após a reunião de dois dias, sendo preparada há mais de um ano. Ele argumentou ainda que "a Austrália está pronta para receber o G-20, que vai apresentar um plano para retomada do crescimento global, criação de milhões de empregos e retirar pessoas da pobreza", disse Hockey em entrevista após visitar o centro de imprensa montado para acompanhar a reunião de líderes que acontece no fim de semana no centro de Brisbane, a terceira maior cidade australiana.  As
reuniões de cúpula como o G-20 são criticadas porque não geram resultados além de discursos e gentilezas políticas. Joe Hockey disse que quer mudar o histórico e promete que o encontro da Austrália será diferente e entregará resultados tangíveis. Entre os temas que devem ser tratados, o ministro australiano ressaltou a necessidade de execução de reformas estruturais pelos países e a mudança de regras para coibir a sonegação de impostos por grandes empresas.Joe Hockey recebeu representantes do Greenpeace mas não assegurou claramente se a crise climática e os variados problemas socioambientais da Terra entrarão nas discussões. Por sua vez, a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff insistirá que os países mais desenvolvidos devem adotar medidas para estimular o crescimento mundial e evitar que a crise acabe por contaminar totalmente as nações, Dilma explicará que seu governo já executou ou prevê executar um pacote de medidas e de investimentos de US$ 50 bilhões em áreas de infraestruturas para o próximo quadriênio, o que deverá ajudar a retomar o crescimento do país, que se estagnou nos últimos anos. Não falou quase nada sobre Meio Ambiente, embora jornalistas tenham citado problemas de clima e de seca em nosso país na atualidade. Após ter crescido 7,5% em 2010, a economia brasileira avançou 2,7% em 2011, apenas 1% em 2012 e 2,3% em 2013, enquanto o governo calcula para este ano uma expansão de 0,9%, o Banco Central rebaixa essa previsão para 0,6%. Os especialistas do mercado financeiro, no entanto, situam a taxa de crescimento para este ano mais baixa ainda, em torno de 0,2%.  Durante a Cúpula do G20, Dilma também deve encontrar-se com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no que será a primeira reunião formal entre os dois desde que um escândalo de espionagem turvou a relação bilateral em 2013. O conflito diplomático surgiu depois que o ex-analista da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, Edward Snowden, denunciou que Washington tinha espionado as comunicações pessoais de Dilma Rousseff, assim como de ministros e de empresas brasileiras, como a Petrobrás, outro tema que deverá aquecer conversas de bastidores. Dilma Rousseff , que também pretende dialogar pessoalmente com outros presidentes como Putin da Rússia, Xi Jinping da China e a representante da Alemanha, Angela Merkel, entre outras lideranças, declarou que há dez dias confirmou o encontro em separado com Barack Obama em uma conversa por telefone com o presidente dos Estados Unidos, que ligou para felicitá-la por sua reeleição. O próprio Obama está agora preocupado com a sua própria situação nos USA que não é tão confortável como nos últimos anos, segundo pesquisas dos principais meios de comunicação do país. Outra pesquisa, feita pela Universidade de Toronto do Canadá, está mostrando que o Brasil não tem cumprido as metas que são debatidas nos G20, neste sentido, está atrás de 11 países mais atentos às diretrizes. A média geral de cumprimento de metas em outras reuniões do G20 já chegou a 71% mas o melhor resultado do Brasil não passou de 66%.  Isso e mais a omissão dos problemas ambientais são fatores que podem de uma forma direta neutralizar o G20 deste fim de semana na Austrália, levando em conta os interesses mais agudos dos brasileiros e brasileiras neste momento.


Vai haver um bis no encontro pessoal entre os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos

"Beijim, beijim, tiau, tiau"...










A situação da seca no interior do Brasil melhorou mas ainda preocupa muito os especialistas e os ambientalistas de todo o planeta, de olho na recuperação da ecologia brasileira, fundamental para todos os países

Fontes: Reuters
              Agência Estado
              Opera Mundi
              Diário Web
              www.folhaverdenews.com


 

11 comentários:

  1. Logo mais estaremos postando aqui comentários e mensagens já recebidas em nosso blog de ecologia e de cidadania sobre esta pauta de hoje.

    ResponderExcluir
  2. Mande você também a sua mensagem, enviando o seu e-mail aqui para a nossa redação: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nosso blog, no sentido de colher mais informações, direto de uma das maiores cidades da Austrália, Brisbane, onde acontece o G20, está contanto a Unic (informações da ONU) e o jornalista Fernando Nakagawa, que está lá fazendo cobertura para a Agência Estado.

    ResponderExcluir
  4. "Uma coisa podemos afirmar de antemão: não podemos esperar grande resultado, em especial em termos de Meio Ambiente, que ainda não é visto como fator prioritário para as economias dos países, o que é um erro cultural de visão da realidade e um fato que esvazia qualquer encontro internacional entre presidentes de países", comenta por aqui o ecologista Padinha, nosso editor de conteúdo. (Tomara que ele esteja pelo menos em parte, errado, levando em conta o quanto é essencial hoje em dia a questão climática e socioambiental).

    ResponderExcluir
  5. "Dirigentes do G20, grupo de países que inclui ricos e emergentes, terão uma longa lista de conversas bilaterais e a pauta realmente precisa incluir o meio ambiente e a crise climática para não cair no vazio": é o que comenta Paulo Orestes, de Campinas (SP), que atua no mercado publicitário.

    ResponderExcluir
  6. "O dia estava ensolarado em Brisbane, na sexta-feira, véspera do início do G20. Antes do inicio oficial, agenda livre para a comitiva brasileira, que desembarcou em uma ala reservada do aeroporto de Brisbane, sem contatos com a imprensa": é a notícia do G1 que nos envia a internauta Mariana Soares, do Rio de Janeiro (RJ),"quase não há informação nenhuma sobre a pauta das conversas entre os países".

    ResponderExcluir
  7. "Ainda hoje deve acontecer uma conversa com representantes da Turquia, mas China, Alemanha e Estados Unidos, com Barack Obama, já estão agendados para reuniões no fim de semana", nos informa também Mariana Ribeiro, após pesquisa de noticiário na Internet.

    ResponderExcluir
  8. Esta sexta-feira é feriado em Brisbane e há expectativa na cidade para o início das manifestações contra o G20, que sempre acontecem paralelamente ao evento oficial: é a outra informação que captamos sobre a cúpula na Austrália, marcada para começar amanhã.

    ResponderExcluir
  9. "Ontem e nesse sábado também está difícil achar alguma notícia sobre o G20 na Austrália, nem no site da ONU encontrei noticiário, creio que há um descrédito geral sobre a eficiência destas cúpulas, de toda fora, foi bom ver o post deste blog aqui": é a msm que nos enviou por e-mail o repórter free-lance Josiel Almeida, de São José dos Campos (SP),que explica: "colho informações e sou pauteiro de uma rede de rádios do interior paulista, mas estou estudando Direito".

    ResponderExcluir
  10. "Me surpreendeu a posição pessoal do presidente Obama, que foi voto vencido, mas lutou para por em pauta o Meio Ambiente e fez os USA doarem recursos para este setor da ONU, não entendi a posição do G20, acho que foi um retrocesso": é o comentário que nos mandou Ataíde, que se dedica ao movimento negro em São Paulo (SP) e diz concordar com as críticas deste blog: "A grande mídia parece não ter enxergado direito a questão, talvez por outros interesses".

    ResponderExcluir
  11. "A única referência a meio ambiente até agora no G20, pelo que vi na mídia, foram as doações dos Estados Unidos e do Japão (somando cerca de 5 bilhões de dólares no total) para o Fundo Verde das Nações Unidas. E claro a sessão de fotos com ursos Coalas": é o comentário de Nelson Pereira, de Curitiba (Paraná), executivo de multinacional.

    ResponderExcluir

Translation

translation