quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O QUE ESPERAR DA CÚPULA DA ONU SOBRE O CLIMA QUE SERÁ NO PERU AGORA EM DEZEMBRO?

O tempo já é curto d+ para as medidas mais urgentes para recuperar a ecologia perdida

O acordo recente entre China e Estados Unidos poderá ajudar a evitar um caos planetário?...
  
O tempo está acabando para reduzir o aquecimento global e evitar um caos do clima, anunciaram os especialistas da ONU, em uma advertência de que as tendências atuais de emissão de gases que provocam o efeito estufa resultarão em um desastre ambiental jamais visto na América Latina (no Brasil também),. na Europa Oriental, na Arábia e em várias outras regiões da Terra. Em um relatório geral de síntese mundial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC da ONU), cientistas afirmam que as emissões dos três principais gases que provocam o efeito estufa estão em seu maior nível em 800.000 anos. O planeta caminha atualmente para um aumento de pelo menos 4ºC até 2100 na comparação com nível da era pré-industrial, o que provocará grandes secas, inundações, aumento do nível do mar e extinção de muitas espécies, além de escassez de água e de alimentos, fome, populações deslocadas dos seus locais de origem, mais violência e  mais conflitos sociais. "A justificativa científica para dar prioridade a uma ação contra a mudança climática é mais clara que nunca", disse o diretor do IPCC, Rajendra Pachauri: "Temos pouco tempo pela frente antes que passe a janela de oportunidade para permanecer abaixo de um aumento  da temperatura por volta dos dois graus centígrados". O que será preciso fazer desde já?..."Para preservar uma boa chance de permanecer abaixo dos 2ºC com custos abordáveis, nossas emissões de gás carbônico deveriam cair entre 40 e 70% em nível global entre 2010 e 2050, e cair a zero até 2100". Para isso, só diminuindo a poluição radicalmente, mudando a estrutura da energia e dos combustíveis, brecando o processo de desmatamento, reflorestando áreas nativas, diminuindo o dióxido de carbono da atmosfera. "Para ficar claro, quando se recomenda mudar de forma radical a estrutura energética, está se falando em implantar as energias mais limpas (como a Solar e a Eólica)", comentou  sobre as medidas mais urgentes aqui no blog Folha Verde News nosso editor de conteúdo, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha: "Ao invés de gasolina e diesel, biocombustíveis e veículos elétricos, nos libertando da poluição do petróleo, de doenças ambientais, que também afetam cada vez mais o ser humano". O novo relatório (feito por mais de 100 cientistas de vários países por iniciativa da ONU) é a primeira revisão global do IPCC desde 2007 - foi divulgado agora antes das negociações de dezembro em Lima, no Peru, que pretendem definir o caminho para a grande reunião de dezembro de 2015 em Paris na França, que por sua vez tem como meta a assinatura de um compromisso para alcançar pelo menos um aquecimento global abaixo de mais 2 graus centígrados. Entre 1880 e 2012 houve um aumento da temperatura planetária em 0,85º C, mas do jeito como está o desenvolvimentismo, o atual consumismo, a civilização urbano industrial, até 2100, ele pode ficar segundo as previsões feitas agora entre 2,6º até a 4,8º C na pior das hipóteses, consolidando nas próximas décadas o caos total do clima e um apocalipse da própria vida. Não são profetas nem ecologistas ou poetas radicais falando, mas se trata da previsão de cientistas do IPCC da ONU, referendadas também por economistas do Banco Mundial. A pauta entre 1º e 12 de dezembro agora em Lima (Peru) no evento da ONU sobre as mudanças climáticas é em suma aumentar as chances de recuperação da ecologia perdida na Terra.  

A seca nordestina no sudeste do Brasil agora sinaliza apenas o começo do caos

As emissões de gás carbônico precisam cair desde já entre 40 e 70%

 
Só uma mudança radical na estrutura da energia e dos combustíveis evitará o pior

Fontes: AFP
             www.ugt.org.br
             www.folhaverdenews.com
 

9 comentários:

  1. Um texto de José Eustáquio Diniz Alves, ligado ao IBGE, resumindo as conclusões de cientistas do Observatório do Clima, nos informa que no Brasil aumentou a emissão per capita de gases que levam ao Efeito Estufa: em um ano, o Efeito Estufa em nosso país cresceu em 7,8%.

    ResponderExcluir
  2. O nosso editor de conteúdo aqui do blog, o ecologista Padinha, foi também convidado para acompanhar a Convenção sobre Mudanças Climáticas, agora em dezembro, por 10 dias, em Lima, no Peru: "A escolha da América do Sul é que esta é uma das regiões da Terra com maior risco de efeitos e sequelas desta situação ambiental", argumentou ele.

    ResponderExcluir
  3. As negociações esbarram há vários anos no debate sobre quais países deveriam assumir o custo da redução das emissões de gases do efeito estufa, que procedem principalmente do petróleo, gás e carvão, que atualmente constituem grande parte da energia consumida. Nesse sentido o documento afirma que o uso de energias renováveis, o aumento da eficiência energética e o desenvolvimento sustentável de outras medidas destinadas a limitar as emissões custaria muito menos que enfrentar as consequências do aquecimento global.

    ResponderExcluir
  4. A conta a pagar atualmente para atingir a meta ainda é possível, mas adiar a resposta aumentaria consideravelmente a fatura para as gerações futuras. "Os custos das políticas de limitação variam, mas o crescimento mundial não seria gravemente afetado", afirma o IPCC da ONU, que calcula que curvas "ambiciosas" de redução de carbono provocarão uma queda de apenas 0,06% no crescimento mundial neste século, que deve ser em média anual de entre 1,6 e 3%. "Comparado ao risco iminente dos efeitos irreversíveis da mudança climática, os riscos a assumir para alcançar uma redução são administráveis", destaca Youba Sokona, um dos cientistas responsáveis pelo relatório.

    ResponderExcluir
  5. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que "a ação contra o aquecimento global pode contribuir para a prosperidade econômica, para uma saúde melhor e para cidades com melhores condições de vida". "Uno minha palavra política à palavra dos cientistas, que trabalharam muito duro"..


    ResponderExcluir

  6. A França, onde acontecerá daqui um ano outro evento superimportante para esta luta, defendeu uma "mobilização universal e imediata". É que o relatório do IPCC da ONU adverte, sem rodeios, que caso as tendências atuais sejam mantidas, "a mudança climática tem mais probabilidades de exceder 4ºC que de não fazê-lo até 2100...

    ResponderExcluir
  7. Envie você também a sua informação ou comentário sobre esta luta aqui pro nosso blog da ecologia, mande a sua msm para nosso e-mail navepad@netsite.com.br e/ou padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. "É realmente uma situação preocupante demais, espero que estas reuniões entre governantes de vários países logo mais no Peru e no ano que vem na França consigam um avanço": a msm nos chega de São Paulo, através de um e-mail de Paulo Monteiro, consultor de empresas na área financeira e econômica: "Desde quando estudava na UFMG eu já ouvia alguma coisa sobre este problema do clima, agora isso já virou um tragédia planetária".

    ResponderExcluir
  9. "O consumismo da atual civilização do carro não está nem aí pro ser humano e muito menos a natureza, mas isso também é a causa de muitos cânceres nas pessoas e no ambiente, temos que promover uma mudança cultural também": a msm é da estudante em Ribeirão Preto (SP) da Faculdade de Medicina da USP, Marilena B. que nos enviou uma pesquisa sobre este lado da questão. Obrigado, Marilena.

    ResponderExcluir

Translation

translation