quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A NATUREZA É A VOZ DE DEUS: TEMPORAL, INUNDAÇÃO E RAIOS EM BRASÍLIA VISTO PELOS ÍNDIOS COMO SINAL DE APOIO NA LUTA

A chuva repentina e violenta foi vista pelos índios Pataxós e até ecologistas também como uma espécie de manifestação contra a PEC 215 que ainda poderá ser votada hoje na Câmara


Houve a ocorrência de quase raios de grande intensidade....

...na noite de temporal que inundou Brasília até no interior de repartições públicas


A luta contra as emendas na Constituição Federal busca também defender a cultura nativa, as terras indígenas ancestrais e a última ecologia nas áreas de conservação, também ameaçadas


Ainda neste ano ou na legislatura de 2015 a Bancada Ruralista tentará votar emendas na Constituição do Brasil PEC 215, que ontem foram adiadas em Brasília, graças à manifestação dos índios e do ativistas do Greenpeace, em nome de todo movimento ecológico e de cidadania: "Na verdade e em resumo, estas emendas colocarão a questão indígena, de suas terras ancestrais e também das áreas de conservação da natureza brasileira sob o poder do ruralismo, muito forte na Câmara, no Congresso, que se fortalecerá mais ainda se Kátia Abreu for a Ministra da Agricultura do Governo", comenta nosso editor Antônio de Pádua Padinha em nosso blog Folha Verde News que foi um dos primeiros ontem a por em pauta esta luta ambientalista no momento em que acontecia: "Não se trata somente do interesse ou da cidadania dos povos indígenas ou quilombolas, mas também das últimas reservas ecológicas brasileiras (áreas de conservação), caso se faça esta emenda constitucional, isso vai por em risco um aumento do desenvolvimentismo (o desenvolvimento econômico a qualquer custo), que só pode gerar o caos do ambiente, do clima (a seca de 2014 foi um sinal disso), com o desmatamento, o aumento de doenças e da violência e até, projetando os efeitos em 2015, 2016, 2017, um declínio da Nação brasileira, que ao contrário precisa optar pela prática de um desenvolvimento sustentável, para reequilibrar a economia com a ecologia e aí sim, fomentar um desenvolvimento de verdade no país", comenta por aqui o repórter e ecologista Padinha. Confira um dos destaques da Rede Brasil Atual, com este site analisando a questão das terras indígenas, entre aspas, na íntegra, logo a seguir no próximo bloco de informações nesta página.  Vale a pena conferir como informação que a grande mídia em geral, por outros interesses, não enfoca esta questão. A gente aqui, sim.




As terras ancestrais dos 900 mil índios de várias etnias que restam no Brasil em risco significa uma ameaça também para a última ecologia da nossa natureza (post da Folha Verde News)


Os índios e os ativistas do Greenpeace agitaram e agitam Brasíia com a luta pela ecologia do país


"Um ponto controverso do texto da PEC 215 diz respeito à definição de terras tradicionais indígenas. Atualmente, de acordo com o que estabelece a Constituição Federal, são consideradas assim "todas as terras habitadas por povos indígenas em caráter permanente, utilizadas para aquelas suas atividades produtivas e imprescindíveis à preservação de recursos ambientais necessários ao seu bem-estar e à sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições". “É no caso um verdadeiro retrocesso, uma forma de se tentar reverter direito constitucional, reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal”, ressaltou o deputado Padre João (PT-MG). “Trata-se de um atentado aos direitos dos índios, capitaneados pelos ruralistas para impedir que eles permaneçam em terras que são suas, para poderem expandir cada vez mais o agronegócio”, acrescentou o deputado Ivan Valente (PSol-SP). No seu relatório, o relator Osmar Serráglio (PMDB) também colocou que serão consideradas terras indígenas apenas as que atendiam a esses critérios no período de 5 de outubro de 1988. Na avaliação de parlamentares e técnicos contrários à PEC, esta nada mais é do que uma brecha para impedir que terras indígenas ocupadas por fazendeiros e empresários não possam mais ter o direito de serem resgatadas e demarcadas. Além disso, o texto permite aos índios poder explorar as terras direta ou indiretamente, mas mediante uma série de exigências tidas como complicadas para eles, como ocupações consideradas de relevante interesse público da União, instalação e intervenção de forças militares e policiais, instalação de redes de comunicação, rodovias, ferrovias e hidrovias destinadas à prestação de serviços públicos" (Rede Brasil Atual, 17-12-2014).



Pataxós fizeram um ritual indígena mas também usaram a tecnologia atual na sua luta ontem no Congresso

 
Fontes: www.redebrasilatual.com.br
              www.folhaverdenews.com


8 comentários:

  1. Recebemos aqui no e-mail do blog mais duas mensagens e outros três comentários, que postaremos logo mais, eles foram enviados hoje e alguns se referem à edição de ontem que já enfoca esta questão: nosso blog foi um dos primeiro webespaços a enfocar a luta dos índios em Brasília.

    ResponderExcluir
  2. Envie a sua informação, mensagem ou comentário e opinião para navepad@netsite.com.br e/ou para o e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. A informação é de Valter Ferreira, que se prepara para uma pós-graduação na UnB: "Alguns índios do Maranhão, da Bahia e do Mato Grosso ficarão num tipo de vigília por aqui em Brasília até sexta-feira para observar o que acontece na Câmara Federal em relação à PEC 215, eles temem uma votação a toque de caixa destas emendas".

    ResponderExcluir
  4. "Desde um bom tempo, por exemplo na questão dos índios Guaranis Kaiowás, desalojados de suas terras em estradas do Mato Grosso, o José Luiz Penna tem lutado pela causa indígena, junto com toda a bancada do Partido Verde (PV), ora como deputado federal ora como presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara. E agora mais uma vez, Penna se aliou ao movimento dos índios e dos ecologistas, uma das raras exceções no Congresso": a mensagem nos foi enviada por Rosemary Chaves, de Brasília (DF), ela é servidora federal já aposentada que gosta de acompanhar os trabalhos do Legislativo.

    ResponderExcluir
  5. "Olha, aqui não é o Boris Casoi, mas eu tenho que dizer, é uma vergonha!": o comentário é de Elivelton Santos, ex-jogador de futebol na Bahia, que trabalha como segurança particular em BH (MG), criticando a forma agressiva como os índios foram recebidos no Congresso Nacional.

    ResponderExcluir
  6. "Vi no Facebook várias críticas à forma truculenta com que a PM e a Polícia Civil recebeu os índios, vi também que eles e o Greenpeace queriam apenas alertar a população sobre a PEC215 e darem uma contribuição ao país, debatendo as emendas constitucionais": este é um resumo dos comentário de José Faleiros, de Poços de Caldas (MG), que atua no setor de hotelaria.

    ResponderExcluir
  7. "Já vi esse filme. Antes, com os jovens do movimento de cidadania, agora com os índios, indo atrás dos seus direitos, e com a rapaziada do Greenpeace, pensando em proteger a ecologia brasileira": o comentário é de Isabel Martins, de Ribeirão Preto (SP), que concorda com o nosso blog: "Índios e natureza correm risco dobrado com os ruralistas no poder".

    ResponderExcluir
  8. "A gente espera que a votação da PEC 215 não seja hoje nem na semana que vem, ficando para a próxima legislatura, dando tempo para a população discutir melhor estas alterações na Constituição, que podem agredir totalmente o direito e a cidadania dos índios, além de desequilibrar a nossa última natureza nas áreas de conservação, com a questão dos índios e da ecologia sob o poder dos ruralistas": o comentário foi feito pelo nosso editor Padinha, por telefone ainda nesta tarde de quarta-feira.

    ResponderExcluir

Translation

translation