domingo, 7 de dezembro de 2014

A OBESIDADE REDUZ EXISTÊNCIA HUMANA EM 8 ANOS E EM ATÉ 19 ANOS O TEMPO DE VIDA SAUDÁVEL OU SEM DOENÇAS

O alerta é da pesquisa Years of life and healthy  e a gente aqui no blog complementa com uma  solução sustentável: a alimentação natural com atividade física e equilíbrio ou autocontrole

A obesidade pode reduzir em até oito anos a esperança de vida das pessoas e em 19 o número de anos sem doenças, mostra estudo Years of life lost and healthy life-years lost from diabetes and cardiovascular disease in overweight and obese people: a modelling study sendo publicado na revista médica The Lancet, postado também no site de assuntos socioambioentais EcoDebate e aqui no nosso webespaço de ecologia e de cidadania Folha Verde News: "Nós aqui em todos os nossos posts temos destacado o valor da saúde e do equilíbrio ecológico também das pessoas no dia a dia da vida", comenta por aqui Antônio de Pádua Padinha ao editar estas informações: "Esta é uma busca de todos nós, se hoje a obesidade é um dos problemas mais graves de saúde, por outro lado, a pessoa no peso ideal e de preferência com alimentos vegetarianos e orgânicos, pode vir a criar uma expectativa de vida e um potencial de felicidade muito maiores do que reza a cultura atual em todas as sociedades de consumo". Padinha ainda comenta nesta postagem que "nem todo mundo precisa ter corpo de atleta ou de modelo mas todos necessitam para sua saúde e bem estar um equilíbrio ecológico na vida".




obesidade
Uma das alternativas para evitar o problema...
 









...é a alimentação natural

 

Pesquisadores do Instituto do Centro de Saúde da Universidad McGill de Montreal, no Canadá, dirigido por Steven Glover, elaboraram um modelo da incidência de doenças segundo o peso, com dados retirados de um estudo sobre alimentação e saúde, feito nos Estados Unido, o país que mais se destaca no universo da obesidade atualmente. Os cientistas calcularam o risco de contrair diabetes e doenças cardiovasculares para adultos com pesos diferentes, analisando depois o efeito do sobrepeso e da obesidade nos anos de vida perdidos e nos anos com saúde perdidos no caso dos nos adultos norteamericanos, com idade entre 20 e 79 anos, comparados com pessoas de peso normal. Também esta investigação revelou que as pessoas com peso a mais, correspondente a um índice de massa corporal (IMC) de 26, perdiam até três anos de expectativa de vida, conforme a idade e o sexo. As pessoas obesas (IMC de 30) perdiam entre um e seis anos, enquanto as muito obesas (IMC de 35) tinham as suas vidas reduzidas entre um e oito anos, comparado com pessoas com IMC ajustado à sua altura e dimensões. Considera-se que um IMC abaixo de 18,5 indica desnutrição ou algum problema de saúde, enquanto um acima de 25 revela sobrepeso. Acima de 30, há obesidade leve e de 40, obesidade pesada.  “O nosso modelo prova que a obesidade está associada a um risco mais alto de desenvolver doenças cardiovasculares e diabetes que, em média, vão reduzir drasticamente toda a esperança de vida das pessoas e os seus anos de vida saudável”, disse Steven Glover. Segundo o estudo, o efeito do sobrepeso na perda dos anos de vida é maior entre os jovens com idades entre 20 e 29 anos, tendo chegado a 19 anos em dois casos de obesidade extrema, diminuindo com a idade.
O excesso de peso reduz a esperança de vida, mas também os anos de vida saudável, definidos no estudo como anos sem doenças associadas ao peso, entre elas o diabetes do tipo 2 e as doenças cardiovasculares. “O quadro está claro: quanto mais uma pessoa pesa e quanto mais jovem é, maior é o efeito na saúde, pois tem mais anos à frente, quando os maiores riscos de saúde que são associados à obesidade podem ter impacto negativo na sua vida”, concluiu o pesquisador canadense.
Years of life lost and healthy life-years lost from diabetes and cardiovascular disease in overweight and obese people: a modelling study
The Lancet Diabetes & Endocrinology, Early Online Publication





A pesquisa revela que a perda de anos de vida por sobrepeso é maior entre os jovens
 

Além de alimentação natural, atividades físicas e autocontrole...
 

...podem levar a um corpo que a pessoa idealiza

A ciência comprova que alimentos orgânicos e vegetarianos são os mais indicados



Fontes: Agência Lusa / ABr
             www.ecodebate.com.br
             www.bemzen.uol.com.br
             www.folhaverdenews.com


7 comentários:

  1. Não é o caso de marginalizarmos os obesos ou transformar este problema em uma forma de bullying ou de preconceito, mas alertar sobre o que pode gerar mais saúde e maior potencial de vida para as pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Não devemos ter um só padrão estético, dentro de toda a versatilidade do ser humano, uma pessoa mais gorda ou mais magra cada uma pode ter a sua beleza, independente do peso.

    ResponderExcluir
  3. Para nossa equipe aqui do blog da ecologia e da cidadania a questão da obesidade é antes de tudo de saúde.

    ResponderExcluir
  4. Fatores genéticos, fisiológicos, comportamentais, psiquiátricos, ambientais e nutricionais são algumas das causas que podem levar a obesidade. Neste grupo o sedentarismo, a alimentação inadequada, a hereditariedade e a compulsão por comida devido a questões emocionais são os comuns. “A obesidade é uma doença complexa, pois envolve o organismo como um todo, provoca consequências graves a saúde e ainda é um fator de risco para outras doenças, como o diabetes, os problemas cardiovasculares e as alterações nos níveis de colesterol”, destaca o médico ortomolecular Paulo Edson Reis Jacob Neto.

    ResponderExcluir
  5. Mande a sua informação, comentário ou mensagem aqui pro nosso blog, enviando o e-mail para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. "A obesidade é considerado um dos 10 piores problemas de saúde pública do mundo. No Brasil o excesso de peso atinge mais da metade da população adulta, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)": são informações que a internauta Marina Santos, de Florianópolis (SC) no envia, captadas no site Bem Zen, que também consultamos para fazer este post.

    ResponderExcluir
  7. "Concordo com a visão do editor de que não deve haver um padrão estético único, esse ou isso é bonita, ela ou aquilo é feio. Seria na verdade uma ditadura estética assim. A beleza ou feiura de alguém é algo relativo, seja gordo ou magra, cada pessoa tem o seu charme, mas concordo também que a obesidade se trata de uma questão de saúde": É o comentário que nos enviou por e-mail Bianca Mendes, que atua como modelo em São Paulo (SP), que ela define como "um setor em que prevalece essa ditadura estética".

    ResponderExcluir

Translation

translation