sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

ANTECIPADO AQUI O DEBATE PLANETÁRIO SOBRE O CLIMA QUE SERÁ DEZEMBRO EM PARIS NA FRANÇA

Só na Europa a mídia já discute mudanças para evitar um caos do clima na Terra, a serem definidas em Paris no fim de 2015: por aqui, o nosso blog não se silencia sobre este debate 

A chamada civilização do carro chegou a uma situação-limite agora


O comissário europeu de Ação Climática e Energia, Miguel Arias Cañete está divulgando segundo a agência de noticias EFE que a União Europeia (UE) se oferecerá para reduzir em pelo menos 40% suas emissões de gases que provocam o efeito estufa e desequilibram o clima, esta redução será cumprida até 2030: a informação antecipa desde já os debates que acontecerão na cúpula climática da ONU de Paris, que será realizada no final de 2015, na qual espera conseguir um acordo global que torne mais possível uma recuperação da ecologia perdida na Terra. Enquanto muitas das autoridades governamentais da Europa consideram esta redução de 40% um grande avanço, por outro lado as entidades ambientalistas da sociedade civil criticaram a medida, considerando serem necessários esforços para mudanças mais profundas nesse momento da realidade ambiental do planeta, que já ameaça causar uma crise climática próxima de um caos nos próximos anos, como se manifestou agora a organização independente Oxfam.  Um ecologista ligado a esta entidade comentou em resumo que várias fontes antropogênicas contribuem para as emissões de gases de efeito estufa, as principais, a queima de combustíveis fósseis em todos os lugares e o desmatamento de regiões tropicais como a Amazônia. Informou ainda que a queima de combustíveis fósseis (gás natural, carvão mineral e, especialmente, petróleo) ocorre principalmente pelo setor de produção de energia (termelétricas), industrial e de transporte (automóveis, ônibus, aviões) e para piorar, os reservatórios naturais de carbono e os sumidouros (ecossistemas com a capacidade de absorver CO2) também estão sendo afetados por ações antrópicas. No caso das florestas também port aqui no Brasil, que representam um importante estoque natural de carbono, o desmatamento e as queimadas estão agravando o efeito estufa, uma vez que liberam o carbono armazenado na biomassa florestal para a atmosfera na forma de CO2.


A queima de combustíveis fósseis é uma causa essencial da crise do clima na Europa


A questão precisa ser discutida e aprofundada antes de um caos do ambiente e da saúde

"A grande mídia em parte na Europa mas em especial no Brasil, nos Estados Unidos e China não dá muito espaço a este debate de fundamental importância para o reequilíbrio do meio ambiente a bem da saúde também da população em todos os países", comentou aqui no blog da ecologia e cidadania Folha Verde News o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha ao pesquisar mais informações sobre esta pauta de hoje.  Ele captou uma declaração de Miguel Arias Cañete, que é o cooordenador da UE nas questões climáticas: "Estamos pedindo um acordo ambicioso que inclua um objetivo a longo prazo para reduzir as emissões em pelo menos 60% para 2050 com relação aos níveis de 2010. Mais a curto prazo, até 2030, a redução européia será de 40%". A Europa, segundo ele afirmou hoje, tenta estimular além do debate que também "todos os países" assumam objetivos de cumprimento obrigatório para a redução de emissões, um "processo completo de verificação que seja transparente e uma revisão a cada cinco anos para impulsionar o processo de mudanças e avanços".
Ambientalistas ligados à entidade Oxfam criticaram em comunicado à imprensa a posição europeia, ao considerar que são necessários "cortes das emissões mais profundos e um maior financiamento para a luta contra a mudança climática". Miguel Arias Cañete comentou por sua vez que esta decisão será comunicada aos estados-membros no Conselho do Meio Ambiente na semana que vem, dia 6 de março e apartir daí, definir exatamente a proposta de Bruxelas a ser enviada à ONU no final do mês.
Os 28 países integrantes deste Conselho devem comunicar as contribuições que cada país fará de maneira individual a esse corte de emissões durante ainda este primeiro trimestre de 2015. De sua parte.após estas informações, Lies Craeynest, membro da Oxfam, assinalou que se a UE quer que os países em desenvolvimento se comprometam com um acordo robusto, têm que oferecer "propostas mas sólidas". Craeynest também considerou que a proposta de 40% não é a melhor que pode fazer e não corresponde com o esforço que a Europa tem que fazer, levando em conta  a gravidade desse problema atualmente e a contribuição histórica dos europeus à mudança climática. Na mesma linha, o Grupo dos Verdes do parlamento europeu considerou em outra nota que a proposta de Bruxelas é em uma palavra, "decepcionante", pedindo um avanço maior para se conseguir um bom acordo climático no final de 2015 em Paris, que mantenha o objetivo de evitar que a temperatura suba mais de 2 graus no planeta, além de toda uma série de turbulências socioambientais na vida de todo mundo.


No Brasil um dos principais problemas são as queimadas nas florestas...

...que se somam a desequilíbrios socioambientais na vida urbana 

Esta arte para resume as causas que estão agravando a questão climática



Fontes: www.ecodesenolvimento.org
             Agência EFE
             www.folhaverdenews.com



7 comentários:

  1. Assim que postamos estas informações recebemos dois comentários, que estaremos divulgando a seguir, junto com opiniões e outras mensagens que possam chegar à redação do nosso blog. Aguarde.

    ResponderExcluir
  2. Participe você também, envie a sua informação ou comentário para a redação do nosso Folha Verde News, através do e-mail navepad@netsite.com.br e/ou envie sua opinião sobre esta pauta de hoje direto pro editor de conteúdo do blog padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "A minha experiência de vida é mais urbana mas estou informado também sobre as queimadas, os agrotóxicos, a falta de matas no meio rural opnde nascentes estão secando": o comentário é de Athaide, de Sacramento (MG), que nos manda um texto que termina assim: "Está claro demais que precisamos mudar nossa forma de viver por completo".

    ResponderExcluir
  4. "Acredito mais na luta dos ecologistas do que nos discursos das autoridades dos países, de toda forma, esta reunião no final deste ano na França poderá ajudar se conseguir baixar em pelo menos 50% as emissões": José Pereira Alves, estuda na PUC de Minas Gerais e disse que vai utilizar a edição do blo de hoje num relatório que tem que fazer sobre o Efeito Estufa.

    ResponderExcluir
  5. "Mudar o tipo de energia e de combustíveis poderá ajudar muito também a luta para reequilibrar a ecologia nos países todos": quem comenta é Ana Paula Morais, de São Paulo (SP), que informa ter vindo do nordeste e que trabalha como representante comercial: "Tenho procurado sempre ficar por dentro das questões do meio ambiente para também orientar a garotada da família, hoje é o principal assunto escolar".

    ResponderExcluir
  6. "Acredito que a seca de 2014 fez muita gente acordar no Brasil para a ecologia e no mundo todo muitos estão querendo mudanças, com o fim da poluição e um estilo de vida sem violência": Maria Luíza Abrão nos enviou de Assis (SP) esta msm, ela é professora de Educação Física mas no momento atua como vendedora, como explica.

    ResponderExcluir
  7. "creio ser oportuno mesmo antecipar o debate que assim divulga o problema e as suas eventuais soluções, já que é algo que interessa a todo mundo, literalmente, a todo mundo": o comentário é de Geraldo Cerqueira, de Bertioga (SP), que trabalha em São Paulo na área contábil de empresas.

    ResponderExcluir

Translation

translation