quarta-feira, 18 de março de 2015

A MELHOR PROTEÇÃO PARA RECURSOS NATURAIS, RESERVAS E UNIDADES DE PROTEÇÃO AMBIENTAL TEM SIDO O ECOTURISMO

Oito bilhões de turistas em áreas protegidas através de todo o planeta além do mais geram recursos para as comunidades em torno e para a proteção ambiental, também da água

A informação é de Regina Scharf, da Página 22, que está também destacada no site Envolverde e agora aqui em nosso blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News: o turismo ecológico, quando empreendido em escala moderada e seguindo regras que preservem os ecossistemas visitados, é um excelente instrumento de conservação, por gerar renda para comunidades que, na ausência de outras opções, estariam obrigadas a derrubar florestas, expandir áreas cultivadas, caçar, poluir águas. Mas qual, exatamente, a dimensão do ecoturismo em áreas protegidas? E quanto dinheiro ele deixa nas regiões visitadas? Estudo sendo publicado agora na revista científica PLOS Biology apresentou a primeira valoração econômica dessa indústria em nível global. Segundo o trabalho,cerca de 8 bilhões de turistas visitam unidades de conservação ao redor do mundo a cada ano. A maior parte dessas visitas, 80%, estão concentradas na Europa e na América do Norte, regiões de maior poder aquisitivo e, por consequência, maior disponibilidade para o turismo. Os ecoturistas gastam pelo menos US$ 600 bilhões anuais, cerca de 60 vezes mais que os investimentos na conservação dessas áreas de proteção, onde há a reserva de muitos recursos naturais, inclusive, água. "Um detalhe importante na pesquisa é a informação que as unidades de proteção ambiental e reservas naturais cobrem um oitavo de toda a superfície terrestre, a gente precisa lutar pela sobrevivência e expansão delas, em defesa até da própria vida", comenta por aqui o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, nosso editor.



A presença do ecologista e turista estrangeiro já é uma boa alternativa de proteção na Amazônia

A Serra da Canastra em Minas também precisa de uma gestão sustentável de ecoturismo para sobreviver



As Unidades de Conservação ajudam a manter limpa cerca de 30% da água consumida no Brasil. Foto:  © WWF-Brasil / Adriano Gambarini
Um dado: 30% da água potável brasileira estão dentro de unidades de proteção ambiental




















O estudo da  revista científica PLOS Biology foi coordenado por Andrew Blamoford , professor de Biologia da Conservação da Universidade de Cambridge, na Inglaterra e teve a participação de acadêmicos da Grã-Bretanha e dos EUA. Ele informou que o trabalho nasceu da frustração de não encontrar dados consolidados sobre os serviços que as unidades de conservação na área de lazer e recreação. De posse dos dados de visitação coletados em 556 parques nacionais e outras áreas protegidas em 51 países, incluindo o Brasil, os pesquisadores fizeram uma série de projeções para 140 mil unidades de conservação, levando em consideração o seu tamanho e distância de centros urbanos, sua beleza e capacidade de atração, as condições socioeconômicas da população local e o nível de renda nacional. Os pesquisadores concluíram que, de todas as unidades estudadas, a que recebe maior número de turistas (13,7 milhões ao ano) é a Golden Gate National Recreation Area, perto de San Francisco, na Costa Oeste americana. Em segundo lugar ficam dois parques nacionais britânicos, Lake District e Peak District, com 10,5 milhões e 10,1 milhões de visitas anuais cada um deles. Os parques africanos despertam muito menos interesse, segundo o estudo, alguns países do continente recebem menos de 100 mil ecoturistas por ano. Mesmo o Parque Nacional de Serengeti, na Tanzânia, um dos maiores polos ecoturísticos da África, recebe em média apenas 148 mil visitantes ao ano. "É algo ao que ocorre no Brasil e em toda América do Sul, onde o turismo ecológico está apenas começando e precisa ser apoiado em um programa ou uma nova gestão governamental de desenvolvimento sustentável, que ao mesmo tempo ajude a economia e preserve ou recupere a ecologia". finaliza por aqui o ecologista Padinha, do Folha Verde News, complementando a matéria da Página 22 e do site Envolverde que têm despertado muita atenção do movimento ecológico, científico e de cidadania crescente em nosso país. 


Além de tudo, este setor garante muito lazer natural como é o caso do arvorismo


 Fontes: Página 22
              www.envolverde.com.br
              www.folhaverdenews.com.br

5 comentários:

  1. Logo mais estaremos postando comentários, opiniões e mensagens sobre esta pauta de hoje, aguarde e confira aqui mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Mande o seu e-mail para navepad@netsite.com.br e/ou diretamente para nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "Diante do quer informa esta matéria, é importante acrescentar que o ecoturismo vem ganhando vários adeptos e, atualmente, é o segmento de turismo que mais cresce no mundo, representando 8% do mercado global e aqui no Brasil, o ecoturismo tem apresentado crescimento de 30% ao ano!": é a msm que nos envia Pedro Almeida, de Presidente Prudente (SP) ele que é agente de turismo para o Mato Grosso.

    ResponderExcluir
  4. "A grande variedade de recursos e de belezas naturais brasileiras explica o aumento do ecoturismo de 30% ao ano em nosso país, bem maior do que no restante do mundo, mas realmente precisamos de um programa ou de uma gestão de desenvolvimento sustentável do Governo para este setor": é o e-mail de Ary Mendes, que é recém formado em jornalismo na Unesp.

    ResponderExcluir
  5. "Não se trata só do ecoturismo, toda a indústria de eventos e de lazer é a que mais cresce no Brasil e hoje chega a ser um fator de qualidade de vida e desenvolvimento sustentável": é o comentário de Alice Santos, promoter, que atua na área de shows em todo interior de São Paulo e reside hoje na capital paulista.

    ResponderExcluir

Translation

translation