quinta-feira, 26 de março de 2015

AS REPRESAS DE USINAS HIDRELÉTRICAS DEVEM SER EQUIPADAS EM BREVE COM PAINÉIS SOLARES: FINALMENTE UM AVANÇO?


Governo instalará captação de energia solar em lagos de hidrelétricas também no Rio Grande para evitar a queda na produção de eletricidade e apagões que já ocorrem por todo o país: isso antecipa a Energia Solar no Brasil


A represa do  Estreito em uma das usinas hidrelétricas do Rio Grande que poderá ter painéis de Energia Solar
A crise hídrica e a necessidade de garantir o abastecimento de energia do Brasil levaram o Governo Federal a buscar uma alternativa inédita para ampliar a capacidade de geração do setor elétrico, o Ministério de Minas e Energia (MME) trabalha em um plano para transformar desde já os maiores reservatórios de água nas hidrelétricas brasileiras em pontos de captação de Energia Solar (também por aqui na macrorregião, junto ao Rio Grande, na divisa entre São Paulo e Minas Gerais): "Agora em breve esta instalação de painéis solares nas represas das hidrelétricas corrige um erro técnico, isso já deveria ter sido feito na construção destas usinas ou por outra, já deveria haver em todo o país estes pontos de produção de Energia Solar, abundante em todas as regiões brasileiras, com a vantagem de ser um tipo de estrutura energética sustentável, que ajuda a economia e a ecologia, não tendo nenhum impacto negativo no equilíbrio do meio ambiente", comentou por aqui o editor do nosso blog Folha Verde News, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, ao captar a informação hoje sobre este projeto governamental inédito no site do jornal Diário do Grande ABC, veículo ligado à  Agência Estado: "Caso este projeto se concretize será um avanço para o pais e também aqui para a nossa região do Rio Grande, onde dezenas de usinas hidrelétricas abastecem todo o sudeste brasileiro, com a produção, ainda que somente complementar, por enquanto, de Energia Solar, isso atualizará o sistema e poderá antecipar por aqui uma estrutura energética mais contemporânea e mais sustentável nestes tempos de crise da água", finalizou nosso editor Padinha, que se confessou satisfeito em divulgar esta notícia, ainda mais diante da crise da seca que se abateu sobre o nordeste paulista e o sudoeste mineiro, na divisa entre os dois estados em que corre o Rio Grande. A proposta, apurou o site dgabc, é espalhar milhares de metros quadrados de boias com painéis solares sobre o espelho d?água das usinas. Já que as turbinas não podem entregar um grande volume de energia por causa da escassez de água, o reforço na geração virá pela luz do sol, recurso natural farto e limpo que fica ainda mais intenso durante o período seco. Cálculos já feitos por técnicos do MME apontaram que o uso desses flutuadores solares sobre os reservatórios pode acrescentar ao parque nacional de energia até 15 mil megawatts (MW) de potência, volume superior à capacidade máxima que será entregue pelas Hidrelétricas de Belo Monte e Jirau, em construção na Amazônia. O plano foi confirmado agora pelo ministro do setor, Eduardo Braga. "Estamos com muita expectativa em relação a esse projeto. Se o experimento der certo, já temos todo o sistema pronto para escoar essa energia".Duas grandes barragens controladas por estatais da Eletrobras já foram escolhidas para estrear o plano. No Rio São Francisco, na Bahia, o alvo é o lago de Sobradinho, que é o maior do país em área alagada. No Amazonas, os painéis serão instalados na barragem de Balbina, hidrelétrica que gera pouquíssima energia por meio de suas turbinas, mas que também é dona de um dos maiores lagos artificiais do Brasil. A partir das represas dessas e depois de outras hidrelétricas, os painéis flutuantes serão conectados diretamente às subestações de energia das usinas, o que simplifica o processo de produção energética e até reduz custos, o que é também muito bom para os consumidores. O gerenciamento dos painéis solares e a geração de energia será feito diretamente pelas empresas, no caso daqui da região, por Furnas. A escolha por iniciar o plano nessas usinas deve-se não apenas pelo tamanho de suas represas, mas também pelo fato de serem controladas por estatais. Se o programa der certo, disse o Ministro Braga, o governo pretende expandir a idéia para outras hidrelétricas, inclusive aquelas concedidas para concessionárias privadas. O plano do Governo, informou o ministro Eduardo Braga, deve envolver a utilização de tecnologias internacionais. Duas alternativas são estudadas, umas delas representada por um sistema criado em parceria entre França e China. Outra opção considerada vem de uma proposta desenvolvida por pesquisadores da Alemanha e do Japão. 
O Brasil poderá com estes painéis tirar o atraso em relação à Energia Solar no pais do Sol?


Painéis solares nas represas das hidrelétricas poderão atualizar o sistema de energia em todo o país do Sol

Apesar de o Brasil ser um dos países mais ensolarados do mundo, a geração de energia através de painéis fotovoltaicos sempre foi tratada como um bicho estranho pelo setor elétrico. No fim do ano passado, porém, essa situação começou a mudar, quando um leilão de energia realizado pelo Governo contratou, de uma só vez, 31 usinas solares. Foi a primeira vez que o governo brasileiro comprou exclusivamente Energia Solar. Das 31 plantas de geração específica de Energia Solar previstas para serem construídas nos próximos anos, 14 serão erguidas na Bahia. Ao todo, a capacidade total negociada no leilão foi de 1.048 MW. Neste ano, novos leilões de geração devem contratar mais projetos solares. Estudos feitos pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) apontam que o uso pleno do potencial solar do país poderia gerar até 287 mil gigawatts-hora por ano somente no ambiente residencial. Isso equivale a mais de duas vezes o consumo residencial de energia que é contabilizado atualmente. Este sinal de avanço precisa ser concretizado e ampliado o mais rápido possível no Brasil, o país do Sol.

Usar as lagoas e represas de hidrelétricas para produção de Energia Solar...

...é um projeto que pode antecipar o Desenvolvimento Sustentável no interior do Brasil

 
Fontes: www.dgabc.com.br
             www.folhaverdenews.com


10 comentários:

  1. São 31 plantas de geração específica de Energia Solar previstas para serem construídas nos próximos anos, sendo 14 serão na Bahia. Ao todo, a capacidade total negociada no leilão foi de 1.048 MW. Neste ano, novos leilões de geração devem contratar mais projetos solares.

    ResponderExcluir
  2. As autoridades públicas da região nordeste paulista e sudoeste mineiro, por aqui em torno do Rio Grande, precisam contatar o Ministério de Minas e Energia IMME) e trazer para cá estes empreendimentos que vão aumentar o potencial energético do interior e preservar o ambiente também de nossa região, tradicional produtora de energia elétrica através por exemplo do Rio Grande.

    ResponderExcluir
  3. Estes painéis solares sobre as lagoas e represas é um raro efeito positivo da crise hídrica que se abateu sobre o Brasil, em especial sobre o suteste e também sobre nossa macrorregião, nordeste paulista e sudoeste mineiro, com grande riqueza de águas, onde nasce o São Francisco, tendo ainda os rios Grande, Pardo, Sapucaí, Mogi, Santo Antônio e outros.

    ResponderExcluir
  4. Mande você também informações ou comentários sobre esta pauta de hoje, envie para navepad@netsite.com.br e/ou direto pro e-mail do nosso editor de conteúdo deste blog padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Finalmente, ainda que no sufoco da crise energética, um sinal de inteligência e de visão sustentável no Brasil": é o que comenta o estudante da UFSCAR, Pedro Mendes, que acredita ainda que "projetos como este podem ter apoio técnico das universidades brasileiras".

    ResponderExcluir
  6. "Espero que este projeto se transforme num programa de implantação rápida, ao menos a médio prazo, porque é extremamente urgente eviatr carência de energia elétrica no abastecimento e começar finalmente o uso de usinas solares, que ajudam o futuro de nossa economia, de nossa ecologia e de nossa vida": é o comentário de Pedro Pinheiro, engenheiro, que prepara para fazer doutorado na área de energia na UFMG.

    ResponderExcluir
  7. "O problema no Brasil é o custo muito mais alto do que em qualquer outro país por causa das propinas e corruoções, o projeto é excelente mas tem que ser realizado com transparência e controle dos gastos": é o comentário do técnico em agropecuária Wellington Fernandes, que atua em fazendas do nordeste paulista por agroempresa.

    ResponderExcluir
  8. "O Comam no nordeste paulista, o consórcio ou associações de municípios do sudoeste mineiro e da região do Rio Grande orecisam com urgência reivindicar este avanço, a bem da economia, da ecologia, do moimento presente e do futuro do interior do pa´´is": é o comentário do nosso editor, o repórter e ecologista Padinha. Mande vc tb a sua msm, envie para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  9. "Finalmente um a boa notícia por aqui, espero que a região entre neste processo de evolução energética": o comentário é de Paulo Sanches, que planeja atuar no IPT da USP em São Paulo.

    ResponderExcluir
  10. "Vi uma chamada agora há pouco no Facebook sobre a Hora do Planeta e sobre o movimento por energia solar, placas flutuantes nas represas, conferi aqui nesta página também, parabéns por estas lutas que interessam demais à ecologia e à economia de nossa vida": A gente agradece esta msm que nos foi enviada de São Paulo (SP) por Jorge Gomes, profissional de Informática.

    ResponderExcluir

Translation

translation