terça-feira, 31 de março de 2015

CARTILHA ESTIMULA O USO DE ENERGIA EÓLICA EM CASAS E EM EMPRESAS: ECONOMIA E ECOLOGIA



Governos vacilam e sociedade civil avança uma maneira de a população usar a energia do vento, agilizando assim na prática a criação do nosso futuro: a gente cumprimenta aqui no blog da ecologia e da cidadania o Instituto Ideal e a cientista Paula Scheidt, ambos de Santa Catarina

 

Fonte limpa de energia ao alcance de todos: abasteça sua casa com vento, diz a mensagem de uma cartilha recém-lançada, estimulando o uso de um microgerador de energia eólica em empresas e até em residências. Além de divulgar esta esta fonte energética ligada à economia ecológica, a cartilha do Instituto Ideal esclarece dúvidas mais comuns sobre a estrutura energética no Brasil, que realmente precisa mudar e avançar. Já que os governos não fazem, é a sociedade civil que avança", comenta o editor do nosso blog Folha Verde News, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, ao postar por aqui informações do site Ciência Hoje. Confira a seguir. 

Abasteça sua casa com vento
Ilustração da cartilha sobre energia eólica produzida pelo Instituto Ideal: o guia pode ser consultado pela Internet, e sua versão impressa é enviada gratuitamente a empresas e a instituições de ensino

 A seguir a reportagem de Carol Socodolski, feita para CH-Online/PR: Quem pensa em utilizar novas fontes de energia e, de quebra, economizar na conta de luz não deve deixar de conhecer a cartilha Como faço para ter energia eólica em minha casa, lançada durante o 3º Encontro de Negócios da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica),em São Paulo. “Em longo prazo você pode reduzir sua conta de luz”, diz a autora da cartilha, Paula Scheidt, mestre em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade pela Universidade Federal de Santa Catarina e gerente de projetos do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal), de Florianópolis. Inédito, o guia preparado pelo Instituto Ideal contém informações sobre os tipos de microgeradores eólicos e traz um passo a passo com os procedimentos para a conexão à rede elétrica de equipamentos instalados em prédios residenciais ou comerciais. Scheidt: “O que temos observado é que quanto maior o conhecimento das pessoas sobre o tema, maior o interesse em adquirir um microgerador de energia renovável”. Por meio de linguagem simples e ilustrações didáticas, o material pretende informar o consumidor e incentivar o uso de energia eólica. Além disso, tira dúvidas sobre o sistema de compensação de energia, em vigor desde o lançamento, em 2012, da Resolução 482 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que disponibilizou a cartilha em sua página inicial na web. O sistema de compensação de energia é, segundo Paula Scheidt, fator relevante na disseminação de meios alternativos de energia. Em síntese, o valor da conta de luz a pagar é calculado pela diferença entre a energia consumida da distribuidora e a produzida pelo microgerador do próprio consumidor. Se o sistema for dimensionado para atender todo o consumo energético da residência, o que normalmente se paga é apenas o custo de disponibilidade da rede elétrica. Isso porque quem dispõe de um microgerador de energia alternativa em casa pode injetar na rede pública a energia produzida e não utilizada, pela qual a distribuidora fornece uma compensação em kWh  - quilowatt-hora. Assim, depois de recuperar o investimento feito na aquisição do equipamento, o consumidor terá, em longo prazo, mais dinheiro no bolso, fazendo economia e ajudando a ecologia.
Parque eólico
Parque Eólico instalado no município de Palmas, no Paraná.: a energia dos ventos é hoje a alternativa que mais cresce no Brasil, embora ainda represente apenas 3% do consumo nacional. (foto Carol Socodolski)
A cientista Paula Scheidt acredita que a cartilha é uma ferramenta importante para popularizar a energia eólica. Ela conta que o Instituto Ideal já trabalha com energia fotovoltaica – atualmente o tipo de energia alternativa mais usado em residências com microgeradores e o que mais tem crescido no país – e agora quer ajudar os consumidores que desejam investir em um sistema eólico a escolher a melhor opção para sua demanda energética.Um exemplo de cidadania que deveria orientar a ação das autoridades públicas...

Acesse a versão digital da Cartilha da cientista Paula Scheidt sobre o uso da energia do vento em www.institutoideal.org

Fontes: www.cienciahoje.uol.com.br
             www.folhaverdenews.com


7 comentários:

  1. Aguarde que estaremos logo mais postando aqui mais informações e os comentários e msm que recebemos.

    ResponderExcluir
  2. Envie a sua msm para nossa redação navepad@netsite.com.br e/ou direto pro e-mail do nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Em tempos de crise no setor elétrico e ameaças de falta de abastecimento, a microgeração de energia poderia ser um alento para milhares de consumidores do País. A possibilidade de abastecer o consumo doméstico com o uso de painéis solares ou microtorres eólicas e, além disso, repassar as sobras dessa energia para a linha da distribuidora teve suas regras definidas em abril de 2012. Até hoje, porém, essa alternativa ainda é tratada como tema para excêntricos.

    ResponderExcluir
  4. Os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontam que, passados mais de dois anos da regulamentação da microgeração, apenas 290 residências em todo o País tiveram seus painéis solares oficialmente plugados na rede de energia. Quanto à microgeração eólica, o número de residências registrado na agência não chega a 20.

    ResponderExcluir
  5. Um levantamento feito pelo Instituto Ideal mapeou, até setembro do ano passado, 352 empresas atuando no mercado fotovoltaico voltado para a microgeração no País. A localização dessas empresas, os contatos e também a Cartilha estão disponíveis no site www.institutoideal.org.

    ResponderExcluir
  6. "Vou acessar o site deste instituto e pegar esta Cartilha, se for o caso, distribui-la a amigos, amigas e na escola, pelo valor que este assunto tem hoje na vida da gente": o comentário é de Elenice Moreira Santos, que é professora na rede pública estadual em Araraquara (SP).

    ResponderExcluir
  7. "Realmente, esta cartilha do Instituto Ideal e da sua cientista é uma maneira de popularizar e de valorizar a Energia Eólica, as autoridades governamentais precisam tomar atitude nesse sentido de implantar fontes energéticas mais limpas": a opinião é de Juraci Gonçalves, de São Paulo (SP), jornalista que faz noticiário de shows para várias emissoras FM.

    ResponderExcluir

Translation

translation