quinta-feira, 14 de maio de 2015

SERRA DA CANASTRA PODERÁ FAZER PARTE DE UM GRANDE COMPLEXO EÓLICO EM MINAS GERAIS

Cemig sugeriu um complexo de Energia Eólica no Triângulo Mineiro e na Serra da Canastra 


A energia dos ventos é limpa e positiva para a economia e a ecologia


Henrique Almeida fez uma reportagem no site Planeta Verde sobre o Complexo Eólico no Rio Grande do Sul: com 583 megawatts de capacidade instalada, os Campos Neutrais deverá ter em breve 302 aerogeradores funcionando e atender mais de 3 milhões de pessoas. O empreendimento esta sendo implantado lá nos municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí, já recebeu o investimento de R$ 3,5 bilhões e deve começar a operar até 2016. Localizada numa região próxima à fronteira com o Uruguai, a instalação da Eletrosul será composta pelos parques elétricos de Geribatu (258 MW), Hermenegildo (181 MW) e Chuí (144 MW): com a construção deste sistema chamado de  Campos Neutrais, o estado gaúcho terá o maior complexo eólico da América Latina. A partir desta notícia a Cemig tem divulgado entre especialistas o Atlas Eólico de Minas Gerais, já feito anteriormente e mostrando o potencial energético dos ventos em regiões consideradas as melhores neste estado para este tipo de empreendimento, como Montes Claros, no norte mineiro ou Diamantina, bem como o Triângulo Mineiro e a Serra da Canastra. "O estudo é extremamente técnico, com muitas informações, detalhando cada região e toda a estrutura da Energia Eólica como fonte energética limpa, sustentável, ajudando ao mesmo tempo a economia e a ecologia", comenta aqui no blog Folha Verde News o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha que pôde consultar este Atlas, que é um documento de grande valor para a sustentabilidade e novas alternativas energéticas. 


A Serra da Canastra poderá se interligar a um complexo eólico do Triângulo Mineiro...

...sem impactar o meio ambiente e a natureza deste Parque Nacional


Apesar de ventos com velocidade média diferentes de outras regiões mineiras, a região do Triângulo Mineiro possui algumas vantagens para a implantação de um grande complexo eólico. O Atlas Eólico para exemplificar este potencial explica que o relevo naquela macrorregião é relativamente pouco montanhoso, comparado às formações típicas de Minas, facilitando a instalação de turbinas e os custos de acesso. A proximidade com grandes usinas hidrelétricas no Rio Grande, devido à confluência de rios e à infraestrutura privilegiada por ali, estas características podem também ajudar a um sistema eólico ligado a um importante e rico centro consumidor, com um PIB maior que a média estadual, com cidades como Uberaba, Uberlândia, Araxá. Enfim, há condições objetivas para um complexo de Energia Eólica intercalado com outros parques em regiões vizinhas, uma delas, por exemplo, o município de Delfinópolis, já aos pés da Serra da Canastra. O próprio Parque Nacional junto à nascente do Rio São Francisco (uma reserva hidromineral de extremo valor para a Nação) poderá ser melhor protegido e abastecido de energia pelo complexo eólico que, hoje com o atual desenvolvimento da tecnologia, não causa nenhum impacto socioambiental e pode prevenir e evitar, além do mais, apagões de energia elétrica no interior de Minas e do Brasil.


Fontes: www.cemig.com.br
              www.pensamentoverde.com.br
              www.folhaverdenews.com


8 comentários:

  1. Logo mais estaremos postando nesta seção comentários e mais informações sobre esta pauta.

    ResponderExcluir
  2. Aguarde a edição de comentários e envie desde já a sua mensagem, comentário, opinião ou informação para a redação do nosso blog via navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você pode também enviar o seu e-mail diretamente para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Vou acessar o Atlas Eólico no site da Cemig para checar o potencial de implantação de usinas eólicas por aqui na minha região, bem na divisa entre Minas e São paulo, perto do Rio Grande": é o comentário de Alaor Monteiro, que é de Pedregulho (SP) e atua hoje com Informática em São Paulo.

    ResponderExcluir
  5. "Sei não se estas boas intenções vão se concretizar em fatos ou em novos empreendimentos como este completo de energia eólica que seria providencial no Triângulo até as boras da Canastra, providencial para Minas e para o país. para a ecologia e para a economia, boa matéria": o comentário é do engenheiro eletrônico Carlos Pereira, que é de Uberaba (MG) e reside hoje em Campinas (SP), atuando na área de cursos técnicos onlines.

    ResponderExcluir
  6. "OK, mas os parques de energia eólica precisam de alguns cuidados prá não impactar a vida de pássaros, que são muito abundantes na Serra da Canastra e em todo o sudoeste mineiro, talvez o melhor seriam estas instalações serem em torno do Parque Nacional como muma espécie de cerca de energia, sem tumultuar a natureza dentro da reserva": quem faz a observação é Manoel Santos, que é de Fortaleza (Ceará) e está em Uberlândia (MG) em busca de especialização em medicina veterinária.

    ResponderExcluir
  7. "Perto da poluição da gasolina ou do diesel dos carros ou camionetes ou do impacto nas águas que causam as hidrelétricas as torres de energia eólica são bem menos agressivas, talvez tenha que ser minorado o ruído e considerada a condição dos pássaros": a opinião é de Cleuza Amaro, que estudou Biologia mas se dedica ao turismo ecológico no interior de Goiás.

    ResponderExcluir
  8. "Um esquema sustentável de energia e de vida é mesmo o que necessitamos, seja na Serra da Canastra, seja em qualquer cidade, onde é urgente mesmo o equilíbrio entre ecologia e economia": opina Luiza Marques, de São Paulo (SP), que fez um passeio na Canastra na Semana Santa do ano passado, quando os campos estavam se recuperando de um grande incêndio: "O capim dourado brotando e muitas flores do mato, um lugar muito lindo, com muitos pássaros, eu ouvi o barulho de muitos bichos quando amanhecia", escreve ela que em SP trabalha no mercado financeiro como tradudora,

    ResponderExcluir

Translation

translation