terça-feira, 16 de junho de 2015

A CHUVA E O FRIO DE ONTEM VOLTAM NO FIM DE SEMANA E SINALIZAM O INVERNO CHEGANDO POR AQUI

Chuva e frio no sudeste, na ecologia, temor da seca 2015 e na economia dúvida sobre aumento de investimentos no Brasil






Aproveitamos o tempo aqui no blog Folha Verde News para nesta terça-feira, 16 de junho, logo de cara enfocar as perspectivas na economia para agora e próximos  meses. O PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos desacelerou no primeiro trimestre de 2015, afetado pelo inverno rigoroso de lá, que diminuiu os gastos dos consumidores, assim, a economia nos States cresceu a uma taxa anual de 0,2%, de acordo com informações do Departamento de Comércio do país feita já há alguns dias e divulgada pela agência de notícia Reuters. Isso representa uma forte desaceleração em relação à taxa de 2,2% do quatro trimestre, e é o crescimento mais fraco em um ano. Além do inverno rigoroso lá, as empresas de energia americanas também cortaram gastos diante de preços mais baixos (especialmente do petróleo), o que também contribuiu para a desaceleração da economia. Este fato tem influência na temperatura econômica do Brasil agora. O mercado investidor espera que o Federal Reserve  aumente a taxa de juros nos Estados Unidos e ela volte a subir ainda este ano (um resultado positivo do PIB pode aquecer essa tendência). Em suma, os EUA cortaram os juros a praticamente zero após a crise econômica, para aquecer a atividade no país. Com isso, ficou menos vantajoso investir por lá, já que o retorno dos investimentos em títulos públicos depende da taxa de juros e assim, investidores colocaram seu dinheiro em economias consideradas mais arriscadas, mas com retornos maiores, como o Brasil, aquecendo os negócios por aqui. Agora, se os Estados Unidos voltarem a subir os juros, há um temor no mercado de que o dinheiro vindo para cá volte para lá, esfriando e tirando ainda mais os investimentos do Brasil e de outros países emergentes já no sufoco atualmente, conforme a maioria dos economistas.

As perspectivas são sombrias na economia, na ecologia e no próprio tempo

No caso dos analistas da ecologia, as chuvas fracas das últimas frentes frias do outono agora não devem diminuir a tensão relacionada ao próximo estio e à seca de 2015, que meteorologistas já previram que poderá vir a ser pior ainda do que a de 2014, quando, por exemplo em São Paulo, bem como no nordeste paulista e sudoeste mineiro, chegou a atingir a pior situação em 100 anos. Em um ano, apesar dos alertas dos cientistas e dos ecologistas, não foram feitos investimentos estruturais na recuperação do equilíbrio do meio ambiente, como desmatamento zero e florestamentos nativos em massa, que são urgentes para uma restauração da ecologia perdida no país. Estas pequenas chuvas de agora dão a sensação de um inverno menos seco e de uma primavera mais chuvosa, mas por enquanto não se trata de perspectiva e tão somente de uma esperança.


Na ecologia há ainda um temor de que a seca de 2015 seja pior do que a de 2014

No caso do tempo propriamente dito, você pode consultar aqui em nossa webpágina as previsões e perspectivas desta terça-feira sendo feitas por especialistas em meteorologia como Josélia Pegorim, do instituto Climatempo, elas estão no clip ao lado e na informação a seguir. Depois de provocar muita chuva no Sul, uma grande gente fria deve continuar avançando sobre o Brasil espalhando um pouco de suas nuvens, chuva e frio pelo CentroOeste e pelo Sudeste. São Paulo se aproximou dos 10ºC. A chuva intensa ficou mesmo no Sul, que causou deslizamentos de terra e enchentes em Santa Catarina no fim de semana. A instabilidade que chegou ao Sudeste tem chuva fraca a moderada, com pouca ou nenhuma ocorrência de raios. O Rio também deverá ter hoje a tarde mais fria do ano. Nesta terça-feira, a frente fria tecnicamente chega ao Espírito Santo e também a todo o norte de Minas GeraisNuvens de chuva se espalham pelo leste da região sudeste que agora atingirão o Espírito Santo, a zona da mata mineira, o vale do rio Doce, o Rio de Janeiro e até a região de Belo Horizonte. Mas não se deve esperar por muita chuva. A instabilidade acontece até de forma persistente, mas com fraca a moderada intensidade.

7 comentários:

  1. Enfim, perspectiva de geadas e de friagem no tempo, na economia também e medo da seca esfriando a esperança de 2015...

    ResponderExcluir
  2. Logo mais estaremos postando aqui outras informações sobre meteorologia, economia e ecologia, todas no mesmo embalo deste momento. Aguarde.

    ResponderExcluir
  3. Enquanto você aguarda nova postagem aqui nesta seção, envie seu comentário, informação ou mensagem para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou diretamente para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Oi, Padinha, achei bem legal este enfoque abrangente, misturando numa mesma matéria meteorologia, economia e ecologia, algo que talvez a mídia devesse fazer": agradecemos o elogio e a participação de José Ribeiro, de São Paulo (SP), que trabalha no mercado financeiro e diz ter interesse em todas as áreas citadas em nosso post aqui, hoje.

    ResponderExcluir
  5. "O desgoverno socioambiental de SP e de quase todo o país responde em muito pelos desequilíbrios da ecologia e do tempo, como as enchentes na Amazônia, ligadas ao desmatamento sem controle nos últimos anos, sendo que na economia, o problema vem também de muitos anos, agora está estourando tudo junto, daí o acerto do post de hoje deste blog": a gente agradece Fernando Santos, de Salvador (BA) por elogiar nosso enfoque e por uma série de informações que nos passa este economista em análises sobre a realidade brasileira.

    ResponderExcluir
  6. "Tem um quarto elemento que poderia ser colocado junto com com o clima, o ambiente e a economia, que é a violência de todos os tipos crescente no país, gelando os corações": o comentário é de Nair Alice, de Juiz de Fora (MG), advogada tributária.

    ResponderExcluir
  7. "O Brasil está mesmo rachado e não só na meteorologia, ainda mais com a politicagem da maioria dos parlamentares aqui em Brasília": o comentário é de João Renato, que trabalho no DF com exportação e importação.

    ResponderExcluir

Translation

translation