segunda-feira, 8 de junho de 2015

DOIS AVANÇOS PARA A ECOLOGIA NO PLANETA AGORA: UM NA CIÊNCIA E OUTRO NA RELIGIÃO, UM DE JOVEM E OUTRO DE VELHO

Ambientalistas gostam de encíclica ambiental do Papa Francisco e cientistas aprovam método para despoluir oceano que foi inventado por jovem na Holanda


BOYAN SLAT, 20 ANOS E JORGE MARIO BERGOGLIO, 79, UM JOVEM E UM HOMEM EXPERIENTE (eLE, POR SINAL, O PAPA FRANCISCO) OS DOIS MOSTRAM QUE A ECOLOGIA ESTÁ ACIMA DA QUESTÃO DA IDADE. uM OUTRO ENFOQUE É QUE RELIGIÃO E CIÊNCIA, DIFERENTEMENTE DO QUE VEM SENDO NA HISTÓRIA, PARECE QUE PODEM CAMINHAR JUNTAS. O JOVEM HOLANDÊS CRIOU UM MÉTODO PARA TIRAR O LIXO PLÁSTICO DOS OCEANOS MAIS RAPIDAMENTE DO QUE CONSEGUE A TECNOLOGIA ATUAL E O PAPA, PELA PRIMEIRA VEZ NA IGREJA CATÓLICA, LANÇA UMA ENCÍCLICA SOBRE MEIO AMBIENTE. SÃO ESTAS AS DUAS NOTÍCIAS QUE SE DESTACAM NO PLANETA NESTES DIAS, QUANDO A ONU REVELA PESQUISA FEITA EM 80 PAÍSES QUE MOSTRA: 79% DA POPULAÇÃO TEM HOJE PREOCUPAÇÃO COM O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A ECOLOGIA. NÓS AQUI NO FOLHA VERDE NEWS RESUMIMOS PARA VOCÊ ESTAS DUAS INFORMAÇÕES QUE SÃO UM ALENTO: "OS DOIS FATOS SINALIZAM QUE A REALIDADE PODE SIM ESTAR MUDANDO NO SETOR SOCIOAMBIENTAL", COMENTA POR AQUI O EDITOR DO NOSSO BLOG, O REPÓRTER E ECOLOGISTA ANTÔNIO DE PÁDUA PADINHA.




Boyan Slat criou um sistema de barreiras flutuantes para despoluir o mar



Papa Francisco está lançando uma Encíclica Ambiental para despoluir mentes


Papa Francisco ouviu o brasileiro Leonardo Boff para escrever a encíclica verde

A esperada encíclica do Papa Francisco sobre o meio ambiente finalmente está pronta. O documento está neste momento sendo traduzido para vários idiomas. No entanto, embora ainda não conheçam a fundo o seu conteúdo, as principais ONGs internacionais que atuam no setor socioambiental já elogiaram a iniciativa do Pontífice. “Que a encíclica e o apelo moral deste documento possam inspirar a visão e ações urgentes dos governos, apreciamos a liderança de Francisco, que tem como objetivo unir todos os povos e nações, instando-os a cuidar da Terra”, disse a organização WWF por meio de uma nota. A entidade ainda afirmou esperar que a crescente atenção da política a temas ambientais se transforme em verdadeiros compromissos: “2015 deve ser o ano das decisões concretas, equilibradas e eficazes, o ano em que se espera comecemos a agir com a cúpula ambiental reunindo vários países no final do ano em Paris”. Já o Greenpeace agradeceu a Jorge Bergoglio pelas medidas que tem tomado “em defesa do clima global”, incluindo a primeira encíclica feita exclusivamente por ele depois do silêncio de vários Papas na história da Igreja Católica. “Uma das maiores ameaças para o clima na Terra é proveniente da exploração irresponsável do carbono e do petróleo. Ao contrário do Papa, os governos mostram pouca sabedoria”, declarou o diretor executivo da organização na Itália, Giuseppe Onufrio. As duas instituições participaram de um seminário sobre meio ambiente convocado pela Pontifícia Academia das Ciências, evento que também teve a presença do secretário geral das Nações Unidas Ban Ki Mom. Além de questões ambientais, a encíclica do Papa Francisco aborda temas sociais, como fome, pobreza, saúde, é que ele trabalhou durante meses no documento até mesmo com a ajuda do teólogo brasileiro Leonardo Boff, que vinha sendo esquecido pelo Vaticano por causa da Teologia da Libertação com idéias consideradas revolucionárias, Leonardo Boff enviou ao Papa Francisco dois pacotes com muitas informações atualizadas sobre ecologia. Conseguiu o seu objetivo, felizmente.


Jovem holandês já angariou 2 milhões de dólares para financiar a despoluição do Pacífico


Boyan Slat, de apenas 20 anos, tem uma missão ambiciosa, livrar os oceanos do planeta dos plásticos flutuantes. Este era um projeto dele para uma pequena feira de ciências que acabou ganhando manchetes na mídia da Europa, conquistando muitos voluntários e até doações. Apesar da idade, ele já leva anos tentando encontrar maneiras de coletar esses resíduos e sua técnica já convenceu entusiastas e patrocinadores dispostos a bancar seus projetos. "Eu não entendo por que 'obsessivo' tem uma conotação negativa, mas eu sou obsessivo e gosto disso", diz Slat. "Eu tenho uma idéia e vou em frente com ela." A idéia surgiu quando ele tinha 16 anos, em 2011, enquanto mergulhava na Grécia. "Eu vi mais sacos plásticos do que peixes", diz. Ficou chocado, e ainda mais chocado ao notar que não havia nenhuma solução aparente. "Todo mundo me disse: "Ah, não tem nada que você possa fazer com os plásticos depois que eles chegam aos oceanos"...Entre os últimos 30 e 40 anos, milhões de toneladas de plástico entraram nos oceanos. A produção mundial de plástico é de 288 milhões de toneladas por ano, das quais 10% acabam no oceano. A maioria - 80% - é proveniente de fontes terrestres. O lixo é arrastado por ralos e esgotos e acaba nos rios - assim, aquele canudo de plástico ou cigarro que você jogou no chão podem acabar no mar. O plástico é transportado por correntes para cinco sistemas de água rotativos, chamados de giros, nos grandes oceanos, sendo o giro mais famoso a enorme Mancha de Lixo do Pacífico, entre o Havaí e a Califórnia. A concentração de plástico nestas áreas é alta e elas chegam a ser chamadas de sopa de plástico. A região abrange uma área duas vezes o tamanho do Texas. Além disso, o plástico não fica no mesmo lugar. Tudo isso faz com que a limpeza seja um grande desafio. "Se você for lá para tentar limpar com navios levaria milhares de anos", diz Slat. "Não só isso, seria muito custoso em termos de dinheiro e energia, e os peixes seriam acidentalmente capturados nas redes". Slat então pensou por que não aproveitar as correntes e esperar que o plástico flutuando chegue até você? Na escola, Slat desenvolveu sua ideia como parte de um projeto de ciências, uma série de barreiras flutuantes, ancoradas no leito do mar, o plástico se moveria ao longo das barreiras no sentido de uma plataforma, onde seria, então, extraído de forma eficiente. A corrente oceânica passaria por baixo das barreiras, levando toda a vida marinha flutuante com ela. Não haveria emissões nem redes para a vida marinha se enroscar.


O plástico coletado no oceano seria reciclado e transformado em produtos ou em óleo. Este plano de ciências do ensino médio foi premiado como Melhor Projeto Técnico da Universidade de Tecnologia Delft. Para a maioria dos adolescentes, as coisas teriam ficado por ai, mas com Slat a coisa tinha de ser diferente. Ele foi atrás e postou na Internet o seu projeto. E desde março de 2013 virou viral, vem sendo a postagem mais acessada na Holanda. "Eu recebia cerca de 1.500 e-mails por dia na minha caixa de correio pessoal de pessoas querendo ajudar de alguma forma, como voluntários da ecologia". Foi assim que este jovem montou uma plataforma de financiamento coletivo que captou US$ 80 mil em 15 dias. Slat ainda não sabe o que fez a sua ideia decolar dessa maneira, mas diz ter sido um grande alívio. "Um ano atrás eu não tinha certeza de que seria bem-sucedid, mas, considerando o tamanho do problema, era importante pelo menos tentar". Agora cientistas aprovaram e adotaram o seu método. De acordo com o Programa de Meio Ambiente da Organização das Nações Unidas, há, em média, 13 mil peças de plástico flutuantes por quilômetro quadrado de oceano. Muitas dessas partículas acabam sendo ingeridas acidentalmente pelos animais marinhos, que podem morrer de fome já que o plástico então enche seus estômagos. Albatrozes são particularmente vulneráveis porque se alimentam de ovos de peixe-voador, que estão ligados a objetos flutuantes. Tartarugas tendem a ser vítimas de sacos plásticos, que, quando imersos na água, são parecidos com água-viva e por aí vai. 


Depois de ter chamado a atenção do mundo, a primeira coisa que ele fez foi desaparecer de vista. Precisava de provas científicas para apoiar sua teoria e responder a seus críticos, apareceu também muita gente criticando seu projeto. Slat reuniu uma equipe de cem pessoas, a maioria voluntários, que foram espalhados por todo o mundo. Durante os estudos, ele visitou a área conhecida como a Mancha de Lixo do Atlântico Norte, onde a plataforma deverá ser construída agora. Em junho, um mês antes do seu aniversário de 20 anos, Slat ressurgiu com um relatório de viabilidade de 530 páginas, cuja capa foi feita de plástico reciclado. O relatório, baseado em diversos testes e simulações de computadores e assinado por 70 cientistas e engenheiros, respondeu a muitas das dúvidas que foram levantadas. Após o estudo, ele pôs em marcha uma nova campanha de financiamento, que rapidamente atingiu a meta de US$ 2 milhões. Isto irá financiar um piloto maior no próximo ano e Slat espera que a plataforma do Atlântico Norte possa se tornar realidade em 2020. O garoto trabalha nesta idéia mais de 10 horas todos os dias, agora já tem o apoio de cientistas e uma divulgação por parte da ONU, as barreiras lfutuantes poderão despoluir o Pacífico e depois o Atlântico, além do saneamento marítimo, serão um centro de lazer e de informação sobre ecologia e vida do mar. 


70 cientistas e engenheiros adotaram a idéia e estão desenvolvendo a tecnologia...

...que realmente pode eliminar a poluição dos plásticos que anda acaba com a ecologia do mar


Papa Francisco ouviu Leonardo Boff e citou esta arte para falar de problemas socioambientais


Fontes:   BBC 
                pt.radiovaticana.va/news
                www.wscom.com.br  
                www.folhaverdenews.com


8 comentários:

  1. Logo + estaremos nesta seção editando mais informações e comentários sobre as duas notícias de hoje.

    ResponderExcluir
  2. Aguarde esta edição e envie desde já a sua opinião ou mensagem para a nossa redação navepad@netsite.com.br e/ou direto para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Vale lembrar aqui que o Papa Francisco tem sido criticado por alguns jornalistas como demagogo por se dizer preocupado com a ecologia, como se isso não fosse próprio da cultura de hoje.

    ResponderExcluir
  4. Também da mesma forma nem todos estão convencidos da viabilidade da ideia do jovem holandês Boyan Slat, criticado como "sonhador".
    Um problema é que o plástico não está apenas flutuando na superfície, mas é encontrado em toda o corpo de água, mesmo em sedimentos no fundo do oceano. A pesquisadora marinha Kerry Howell, da Universidade de Plymouth, disse à BBC ter encontrado lixo nas partes mais profundas do oceano. "Você está indo para um lugar onde ninguém jamais esteve antes", diz ela. "É como ir à Lua e encontrar um pacote de batata frita." Mas o jovem não desisitu e agora parece que cientistas vão viabilizar seu sonho:. "Se você quer fazer algo, faça o mais rápido possível", disse Slat, citando uma sabedoria oriental.

    ResponderExcluir
  5. "O líder ambientalista mundial Al Gore se declarou fervoroso admirador do Papa Francisco, para pasmo dos que conhecem sua sectária militância nas esquerdas americanas. Falando na Dean’s Speaker Series da Universidade de Califórnia Berkeley, ele disse que se o Papa Francisco continuar advogando pelo “aquecimento global” ele até já considera a hipótese de se tornar católico": é o comentário que nos envia o brasileiro Pedro Fortes, que mora na Califórnia e tambe´m se diz "positivamente surpreso com a visão ecológica do religioso Jorge Mario Bergoglio, visto como Papa pelos católicos".

    ResponderExcluir
  6. Maria Izasbel, professora de ciências na rede pública en Santos (SP) nos envia a informação que captou na Revista Galileu sobre Boyan Slat: "O estudante holandês de engenharia Boyan Slat desenvolveu uma máquina que pode ser capaz de remover mais de os mais 7 milhões de toneladas de plásticos dos oceanos. A estrutura desenvolvida por Boyan, chamada de Ocean Cleanup Array, funciona como um filtro gigantesco posicionado estrategicamente nos pontos de maior acúmulo de lixo, tendo ângulos que fariam os plásticos boiarem diretamente pra dentro dela. Ali, o lixo seria separado dos plânctons e guardado para reciclagem.De acordo com o site do jovem, levará cinco anos para que o Ocean Cleanup Array limpe os oceanos do lixo plástico, o que salvaria a vida de milhares de animais marinhos anualmente e diminuiria os níveis de poluição que acabam chegando ao nosso prato, no topo da cadeia. Ele acredita que o trabalho também pode aumentar a visão sobre o problema do lixo plástico nos oceanos e sobre a necessidade de reduzirmos o uso de embalagens plásticas. O jovem promissor ganhou seu primeiro prêmio aos 14 anos, o de ‘Melhor Ideia do Sul da Holanda’, e entrou para o livro dos recordes na ocasião". Agradecemos p envio desta informação, que complementa nosso post.

    ResponderExcluir
  7. "A cultura da vida ganha com a mensagem do Papa, enquanto que a prática ecológica avança com a plataforma flutuante imaginada por este jovem na Holanda que parece ser uma solução sustentável": a opinião é de Oswaldo Porto, de Niterói (RJ), que atua no mercado de pescados e confirma: "O mar está mesmo virando lixão de plásticos".

    ResponderExcluir
  8. "O que se espera que atitudes positivas de uma autoridade religiosa e de um jovem estudante de engenharia mobilizem os governos dos país, do nosso país também, para um resgate da ecologia que pode mesmo fazer a diferença na realidade": o comentário é de Eurípedes Garcia, de São Paulo (SP), que atua como técnico de manutenção de máquinas em empresa multinacional de metalurgia.

    ResponderExcluir

Translation

translation