quarta-feira, 3 de junho de 2015

UM SOM RARO DE EXTREMA BELEZA A MÚSICA AFRO BRASILEIRA (UM OÁSIS QUE O MERCADO DO BRASIL DESCONHECE)

A jovem Thalma de Freitas lança 1º CD do senhor Mateus Aleluia pós-temporada de sucesso cultural na Africa


Ele chegou aos 70 anos participando com bons músicos desta primeira gravação de um trabalho que tem várias outras composições afrobrasileiras: a não ser os experts em negritude ou somente junto às lideranças melhor informadas do movimento negro do Brasil, que é celebrado o talento do mestre Mateus Aleluia. Neste 1º CD quem canta é Thalma de Freitas, com potencial de vir a ser um sucesso fora do comum ma atual MPB que praticamente hoje inexiste para o mercado musical que predomina por aqui com produções só comerciais e até bastante lixo cultural produzido aqui ou no exterior. As TVs e rádios precisam descobrir urgente as novas vertentes e os novos talentos, cada vez mais raros, como este músico que tem longevidade e portanto conserva ingredientes das raízes brasileiras do nosso povo. Assim é que abrimos hoje o webespaço de nosso blog da ecologia e da cidadania para esta rara manifestação de arte, que deveria ser o padrão brasileiro, que nos acordes e tons lembra muito Tom Jobim. Confira no clip ao lado aqui nesta página a gravação, feita com o apoio de uma empresa petrolífera, desta vez, não envolvida com escândalos mas com a melhor produção cultural. O CD do senhor da música negra do Brasil, Mateus Aleluia, foi gravado após uma temporada de êxito por vários lugares da África: "Ao postar aqui estas informações e o clip desta gravação, a gente quer dar um apoio a este veio de música afrobrasileira, na esperança que seja revalorizada pelo mercado musical, carente de talentos e de beleza assim", comenta por aqui o editor do blog Folha Verde News, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha: "O Brasil precisa redescobrir ainda o Brasil"...



A maestria do músico Mateus Aleluia...

...resgatada nesta gravação diamante de Thalma de Freitas


Mateus Aleluia “Cordeiro de Nanã” com participação de Thalma de Freitas: aqui, a letra desta canção que contradiz de frente o atual mercado musical tão medíocre no Brasil hoje 

"Sou de Nanã, euá, euá, euá, ê.
Fui chamado de cordeiro mas não sou cordeiro não.
Preferi ficar calado que falar e levar não.
O meu silêncio é uma singela oração.
Minha santa de fé.
Meu cantar.
Vibram as forças que sustenta o meu viver.
Meu cantar.
É um apelo que eu faço a Nãnaê.
Sou de Nanã, euá, euá, euá, ê.
O que peço no momento é silêncio e atenção.
Quero contar o sofrimento que eu passei sem razão.
O meu lamento se criou na escravidão…
Que forçado passei.
Eu chorei.
Sofri as duras dores da humilhação.
Mas ganhei, pois eu trazia Nãnaê no coração.
Sou de Nanã, euá, euá, euá, ê". 

Esta realidade cult enfocada no blog aqui na linguagem da arte afrobrasileira


Divulgue você também este trabalho, a maestria de Mateus Aleluia e pesquise novos trabalhos dele, que foi um dos integrantes do grupo Tincoãs, que chegou a brilhar nos melhores tempos da MPB, nos anos 60 e 70, quando porém eram os piores momentos da censura, do governo ditatorial e da desvalorização brasileira diante das multinacionais. Eu sei que Mateus Aleluia fez também um outro trabalho de gravação ("Ogum Pá"), lado a lado com outro talento, Soraia Oliveira. Ela, assim como Thalma de Freitas e Marienne de Castro, também outros talentos que você precisa descobrir, são um oásis, lembram Clara Nunes e integram a nova geração da Negritude, um movimento cult de resgate de nossas origens, uma cultura de raíz que passei a admirar quando conheci em São Paulo o musicólogo Estévão Maya, que é do Maranhão, sendo também uma das vozes mais raras do Brasil. Enfim, curta aí este clip que é um diamante negro e raro da música brasileira que apesar de todos os  pesares, sobrevive em sua emoção pura de energia e de vida. (Antônio de Pádua Padinha)
Fontes: www.lacoafro.wordpress.com
               www.folhaverdenews.com


7 comentários:

  1. Nosso blog se transforma mesmo num oásis, pela beleza da música e pela raridade da informação. Você dificilmente encontra, até na mídia da web, uma notícia ou um conteúdo cult como este. Isso valoriza nossa blog de ecologia, cidadania e criação do futuro, a partir de nossas raízes cults.

    ResponderExcluir
  2. Se você tiver, mande mais informações sobre Mateus Aleluia ou sobre o grupo Tincoãs ou ainda sobre o atual trabalho de cantoras como Thalma de freitas, Marieene de Castro, musicólogos como Estêvão Maya-Maya ou Soraia Oliveira.

    ResponderExcluir
  3. Envie sua informação ou comentário aqui para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou direto pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Negritude é também um movimento cultural, político e ecológico, que é um caminho para redescobrirmos o Brasil de verdade"". opina aqui nesta seção de comentários Antônio Julião, de São Paulo (SP).

    ResponderExcluir
  5. Realmente, uma lindo trabalho musical, singelo mas emocionante, ainda mais com estas vozes limpas, puras, parabéns": a opinião é de Ribamar Ribeiro, radialista em Montes Claros (MG), descendente de africanos vindos da Nigéria.

    ResponderExcluir
  6. "Melhor do que muita coisa que tenho visto e ouvido por aí, parabéns também a este blog que não fala o que todo mundo fala e sempre nos dá uma informação diferente": a gente agradece o comentário de Paulo Arias, de São Paulo (SP), ele diz ser descendente de portugueses, terceira geração, mas concorda com a matéria, "a cultura afro dá ao Brasil uma ginga muito interessante".

    ResponderExcluir
  7. "Pouca gente se dá conta da força da cultura afro no Brasil, importante demais este trabalho de Mateus Aleluia e Thalma de Freitas, fora do mercado mas dentro do que nossa música precisa resgatar para assim evoluir": é a opinião de Geraldo Drummond, de Divinópolis (MG) que atua no ramo imobiliário e paralelamente faz pesquisa sobre a MPB para pós graduação na UFMG.

    ResponderExcluir

Translation

translation