quinta-feira, 9 de julho de 2015

NA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO PODE FALTAR O PRINCIPAL: ÁGUA

Especialistas já vinham alertando que transposição do São Francisco pode ficar pronta e faltar água no rio, além de não resolver seca no agreste do Brasil: antes de mais nada é urgente a revitalização do Velho Chico



A transposição do rio São Francisco começou em 2007 e segundo informam o Ministério da Integração Nacional e o site nacional de assuntos socioambientais Eco Debate o projeto já está 70% pronto, nesta obra que pretende levar água para o semiárido nordestino e beneficiar 12 milhões de pessoas de 390 municípios de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Mas tem um problema que preocupa os especialistas: a degradação do rio, que enfrenta poluição e desmatamento em suas margens, com uma baixa do volume de suas águas cada vez mais se acentuando. Tanto que agora as obras serão visitadas por uma comissão de deputados federais para debater a situação que preocupa demais tanto os ecologistas como os nordestinos, que temem que a água transposta do Velho Chico seja canalizada tão somente para grandes empreendimentos e não para o geral da população. Uma das poucas propostas positivas já postas em avaliação na Câmara Federal é a isenção do pagamento do Imposto Territorial Rural (ITR) para os proprietários de terras que preservarem a vegetação nas margens do São Francisco. A medida é prevista em um projeto de lei em tramitação no Senado (PLS 202/15) e ainda precisa passar ali pela Comissão de Assuntos Econômicos para só então depois ser votado na Câmara dos Deputados. "De toda forma, uma isenção de impostos para os que preservam as matas ciliares é uma boa medida, econômica e ecológica, ou seja, sustentável, porque ajuda a revitalizar o São Francisco sem água para abastecer o nordeste de quatro estados secos", comenta por aqui no Folha Verde News o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha, ao editar esta discussão superimportante para todos aqui no blog da ecologia e da cidadania.


Quem preserva ou vier preservar matas ciliares em torno do rio será isento do ITR e ajudará a vida do São Francisco

Sem a revitalização do São Francisco não haverá água para se transpor

A situação dramática da crise hídrica e da seca no Nordeste...

...passa pelo drama do São Francisco ainda em Minas Gerais na seca de 2014

É preciso antes de transpor revitalizar o São Francisco para que não falte água ao projeto

Quem for agora rediscutir o projeto da Transposição vai ter que levar em conta que são três os principais elementos do rio: as árvores, as matas ciliares, a água e os peixes. Destruíram as árvores, acabaram com os peixes e a água está acabando também. Só se produz água plantando árvores. avaliam os especialistas, que já vinham criticando as obras que começaram antes de um processo de revitalização do São Francisco, em dificuldades muito maiores do que mostra a foto com suas águas cercadas de vegetação ainda em Minas Gerais. Fazendo coro com o movimento ecológico e científico, a deputada Raquel Muniz, que é de uma região de Minas Gerais afetada pela seca, resume o alcance dramático do problema: “Para que essa obra tão gigante se a gente não tem mais a água nesse rio?”...De acordo com o próprio Ministério da Integração Nacional, os reservatórios de água no Nordeste estão com apenas 25% de sua capacidade e 850 cidades estão em estado de alerta por causa da seca antes mesmo que ela se agrave como costuma acontecer de agora para o final do ano. Mais dramática ainda é a declaração sobre a urgência na discussão da revitalização do São Francisco feita pelo prefeito de Aracaju, em Sergipe, João Alves. “Eu diria que, com muita sorte, o rio São Francisco pode chegar a mais um ano de vida. O rio está morrendo. E, como todos os rios do mundo que morrem, morre a partir da foz". A opinião do coordenador da Comissão Externa da Transposição do São Francisco, deputado Raimundo Gomes de Matos, tem o tom político da oposição do Governo, mas desta vez contém também bom senso ao afirmar que não basta construir os canais para levar a água ao semiárido. Segundo ele, ainda é preciso um investimento de R$ 120 milhões só para bombear a água. Sem contar a recuperação das margens. E este deputado nem cita a superurgente e fundamental Revitalização do Rio São Francisco, para muitos, mais importante do que a Transposição. De grande valor esta reportagem de Antonio Vital, com edição de Newton Araújo, ambos da Agência Câmara de Notícia que deu base a estes questionamentos de todos os que precisamos ir à luta pela vida do Velho Chico e pelo fim da seca no Nordeste, dentro de uma gestão de desenvolvimento sustentável que coloque como prioridade tanto a ecologia como a economia, tanto os grandes empreendedores como a população do agreste do Brasil. Este enfoque desta questão dramática no país precisa ser observado também em Brasília, tanto pelo Governo como pelos parlamentares, tanto pelos que estão a favor como pelo que estão contra a Transposição, que só é viável com a Revitalização do Rio São Francisco.

Fontes: Agência Câmara de Notícias
             www.ecodebate.com.br
             www.folhaverdenews.com 
            

9 comentários:

  1. Logo mais estaremos postando mais informações e comentários aqui nesta seção.

    ResponderExcluir
  2. Envie alguma informação, comentário, opinião ou mensagem entrando nesta seção ou mandando o e-mail para a nossa equipe de redação navepad@netsite.com.br e/ou pro nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Há mais de um ano havíamos colocado aqui neste blog críticas à Transposição que só se efetiva com a Revitalização do Rio São Francisco, na opinião de ecologistas, sem a conotação partidária dos parlamentares de oposição em Brasília,mas com a ciência da natureza.

    ResponderExcluir
  4. "Achei bastante equilibrados os argumentos e as colocações nesta postagem aqui neste blog, esclarecendo bastante esta questão": o comentário foi o primeiro a chegar aqui na redação, enviado por Izabel Mendes, engenheira agrônoma, formada pela UFMG, que mora hoje no Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  5. "O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) participou na Câmara Federal, em Brasília, de uma audiência pública promovida pela comissão criada para acompanhar o projeto de Transposição do Rio São Francisco. Os deputados presentes ouviram do presidente do CBHSF, Anivaldo Miranda, diversos questionamentos ao projeto e, sobretudo, à cobrança sobre a ampliação e intensificação das ações pela revitalização da bacia do rio São Francisco vista como uma necessidade urgente": é a not[icia que nos envia Pedro Paulo Santos, de Salvador (Bahia), que captou esta informação na Universidade Federal onde estuda nessa cidade.

    ResponderExcluir
  6. "O Comite da Bacia Hidrográfica do São Francisco - CBHSF - não abre mão pelo que sei do uso racional e sustentável da água; bem como da conscientização das populações das bacias receptoras e do esforço para engajar essas populações, juntamente com os governos e demais usuários desses estados receptores, na necessária luta pela revitalização urgente do São Francisco”: ´o complemento da notícia enviada por Pedro Paulo Santos, da Universidade Federal da Bahia.

    ResponderExcluir
  7. "A gente precisa destacar os inúmeros impactos causados pelas sucessivas diminuições de vazão das águas do São Francisco, a partir dos reservatórios de Três Marias-MG e Sobradinho-BA, lembramos que estas águas são essenciais pro Nordeste para todo país": é a mensagem de Altamiro Miranda, de Montes Claros (MG), citando também números sobre a crise da seca de 2014 li no norte de Minas.

    ResponderExcluir
  8. "O que eu escuto nas ruas do país, em todo o nordeste é que nesse momento não podemos nos preocupar com a transposição para a agricultura, transposição para a energia,pro agronegócio, a transposição deve ser principalmente para levar água para o povo beber": a mensagem é de Almir Alves Pereira, que é de Recife (PE) mas viaja por todo o Brasil como representante comercial de marca de chocolate e venda de cacau.

    ResponderExcluir
  9. "Se não for recuperada a ecologia mínima do São Francisco, não é só a transposição de suas águas pro Nordeste que fica difícil, fica cada vez mais complicada a sobrevivência deste rio ícone do Brasil, já ameaçado de morrer em muitos pontos do seu caminho pelo interior do país": quem nos mandou o comentário é o estudante de Geografia na Unesp, Amarildo Silva, que tem familiares em Pernambuco, na região onde se faz um canal para a transposição.

    ResponderExcluir

Translation

translation